Pular para o conteúdo principal

Não é arte!



A minha liberdade termina quando a sua começa;
É assim que expressam os limites e isso interessa;
Entretanto, existem outras fronteiras nesse umbral;
Essas fronteiras são: a lei e a moral.

A lei não te impede de agir;
Mas te diz o que te ocorrerá se, mesmo assim, quiser continuar;
E, se continuar, fique sabendo que o braço da lei irá te alcançar;
E não adiantará bramir.

Já a moral é sua subjetividade;
Quando motivada, ela te impede;
Uma pessoa agindo com moral é forte!
A moral dá ao homem suporte!

A liberdade imoral fere;
A liberdade, então, torna-se crime;
Deve ser combatida, assim a lei sugere!
Nossa lei, nossa proteção sublime!

Esperemos a investigação do Ministério Público. Quando a investigação encerrar, irei criar texto sobre o que foi definido. Uma investigação do Ministério Público pode demorar algum tempo, entretanto, alguns aspectos já foram iluminados. Na matéria do Correio do Povo, "Erotização de crianças era objetivo” da ‘Queermuseu’, dizem procuradores gaúchos" (leia) Alexandre Lipp e Sílvio Munhoz perceberam, em algumas obras, um facilitador para a pedofilia e enviaram parecer para reforçar a decisão dos colegas que estão responsáveis pelo caso. Já os procuradores que estão levando a investigação oficial, apesar de não terem percebido tal ponto, afastando a acusação de pedofilia, ainda estão abertos para a investigação e, segundo informativo do Ministério Público do Rio Grande do Sul, que pode ser lido na matéria acima, estão trabalhando em outros fatores. Outras representações foram interpostas no MP-RS, como crime religioso, e estão sendo investigadas também. Foram mais de 20 representações junto ao MP-RS contra atos desta exposição. Quando houver mais detalhes, colocarei em um post especial. Minha opinião é idêntica ao do procurador Alexandre e me causa espanto que o investigador oficial não a tenha considerado.



Além disso, a questão jurídica não é sobre liberdade artística, mas sobre a exposição de crianças a material impróprio e financiado com dinheiro dos impostos. Sobre a questão da liberdade artística, o poema acima retrata o que deve ser seguido e como eu vejo o assunto.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…