segunda-feira, 3 de julho de 2017

A semana passada e seus efeitos futuros!




E a semana passada se encerrou abrindo caminho para efeitos futuros. Ela prometia um vendaval e entregou um ciclone. Resumindo, tivemos a condenação de Palocci, a apresentação da denúncia contra o presidente Temer, o TRF 4 absolvendo Vaccari, Aécio Neves retornando ao Senado por decisão do STF, Raquel Dodge nomeada para comandar a PGR e a esquerda tentando uma nova greve geral. Ainda bem que a sentença contra o Lula não saiu semana passada.

Lava-Jato

A condenação de Palocci já era esperada por todos, pois existe contra ele farta documentação apresentada em juízo e que foi analisada pelo juiz Moro. Não poderia ser diferente. Agora, cabe ao petista levar esta disputa para a segunda instância e esperar uma absolvição como a que ocorreu com Vaccari. Apesar de serem processos diferentes, nada impede que o petista sonhe com isso. Já a absolvição de Vaccari deu, ao núcleo petista, a esperança de ver Lula solto.

Calma lá, cada laranja em sua cesta! O TRF 4 altera muito  pouco (veja) das sentenças de Moro, com raras decisões pela inocência da parte e, muitas vezes, a sentença é reformulada para aumentar o peso da condenação. Como exemplo, veja a condenação de Renato Duque que dobrou de tamanho. A liberdade de Vaccari não indica que Lula será absolvido, pois as delações contra Lula possuem boa documentação e provas, além, claro, do ex-presidente ter se enrolado na última arguição. Ele admitiu culpa indireta em diversos trechos e foi inconstante, se contradizendo em outras partes. Então, já se espera a condenação dele em primeira instância, sendo muito difícil ter a sentença reformulada em segunda instância.  Veja vídeo abaixo:



Presidência da República

Janot cumpriu seu papel e apresentou denúncia contra Temer (veja). Foi uma troca de farpas. Infelizmente, agora tudo depende do Congresso, que terá de aceitar a denúncia ou rejeitá-la pelo voto dos deputados.  Temer ainda possui grande controle de sua base aliada, apesar de estar fragilizado, por isso, eu veria com grande surpresa a aceitação da denúncia nesse momento. Eu quero estar errado, pois as denúncias são fortes e graves. Entretanto, isso colocaria Maia como novo presidente do Brasil, por 180 dias do afastamento de Temer. Alguém merece isso tudo?  Depois de Lula, Dilma e Temer, agora vai vir Maia? E Janot ainda disse que continuará atacando até o fim de seu mandato, quando será substituído por Raquel Dodge.

Já Raquel é uma incógnita. Segundo o Movimento Brasil Livre (MBL), procuradores da Lava-Jato parabenizaram-na pela nomeação (veja), então, ela tem meu voto de confiança. Uma coisa é certa: assim que ela assumir o cargo, as acusações contra Dilma seguirão em frente. Talvez seja por isso que Janot esteja desesperado. E tem acusação de sobra agora. Lembram do telefonema dela para Lula, tentando dar a ele foro privilegiado, para escapar das mãos de Moro? Pois é, e ainda está em tempo de levar esta denúncia em frente. Vai, Raquel!

Greve Geral

Devo chamar isso de greve? Um fracasso (veja) que evidenciou que a esquerda não tem mais poder no Brasil! (YEAH)! Tudo funcionou, e somente uns poucos aderiram a esta paralisação. Isso prova que o povo brasileiro sabe de quem é a culpa e que a estratégia para sair da crise é trabalhar e pressionar os políticos pelas reformas. A esquerda ainda joga no “quanto pior for, melhor para nós”, pois joga acreditando na desaprovação do presidente. E fazem isso acreditando ainda que a construção da realidade passa pelo discurso, ou seja, que se o discurso for ouvido, ele será verdadeiro. Esquecem-se que em época de redes sociais, ninguém mais fica preso a um único discurso e que a verdade se evidencia na pluralização dos discursos da crise.

Conclusão

A semana que passou apresentou elementos que irão ressoar de forma potente em nosso futuro próximo. Com possibilidades de condenações, novas denúncias e o enfraquecimento do discurso da esquerda. Nossa política ainda vai mexer com a nossa economia, de maneira a impedir um avanço econômico e  prolongando a crise, mas, também, vejo que isso fara o Brasil se tornar maior. Tornar-se-á maior, pois o povo está provando maturidade ao não cair em velhos discursos e força por estar cobrando justiça.