quinta-feira, 18 de maio de 2017

Renuncia, Temer!




Na noite de ontem, 17/05/2017, a imprensa noticiou o que deverá vir a ser o fim do governo Temer. Segundo matéria de O Globo (leia), Temer autorizou o pagamento do silêncio de Cunha. Ele foi pego em gravação negociando este crime com a JBS. O empresário da JBS ainda confirmou que Mantega era o responsável por ser o contato com os petistas para o pagamento de propina a políticos aliados. Nesse mesmo balaio, como mostra a imagem acima, Aécio Neves foi afastado e, segundo o que já se noticia, a irmã dele já está presa. A República que nunca existiu de verdade, agora, quebra-se de vez e se reduz em cacos.

Como já havia escrito aqui, “Pós-Impeachment? Chamem de Volta a Monarquia ou o que seja” (leia), Temer deveria sair também, pois só um ingênuo acreditaria que o Temer, até então vice-presidente da República, seria o único inocente naquele governo corrupto. Na ocasião, só faltavam provas que começaram a aparecer agora. Se as gravações forem aceitas pelo STF, não existirá mais defesa para o governo Temer, que, até ontem, ainda tentava negociar uma saída para o julgamento da chapa PT-PMDB. Hoje, não há mais como costurar nenhum tipo de salvação jurídica. E isso levanta alguns pontos que estão sendo discutidos.

Cláudio Lamachia, presidente nacional da OAB, manifestou-se dizendo, em nota (leia), que “são estarrecedores, repugnantes e gravíssimos os fatos noticiados por O Globo a respeito da obstrução da Justiça praticada pelo presidente da República e de recebimento de dinheiro por parte dos senadores Aécio Neves e Zezé Perrella. A serem verdadeiras as notícias, o presidente Temer perde as condições para continuar a frente da Presidência”.

Renúncia, Impeachment ou Afastamento?

Afastamento
 Como escreveu Janaína Paschoal no Twitter, a denúncia será recebida pela PGR e levada ao STF, que poderá afastar Temer. Desta forma, o afastamento é o caminho mais garantido. Não existe mais condições políticas para Temer se manter.

Renúncia
 Aliados próximos do presidente estão pedindo que o mesmo renuncie. A pressão popular, com manifestações marcadas, deverão sufocar o presidente e o isolar politicamente. Desta forma, a renúncia seria o caminho mais fácil e rápido para se recuperar a estabilidade e a credibilidade junto a investidores e a mídia internacional.

Impeachment
 É o caminho mais longo. Nem acredito nisso aqui. Não tem tempo para derrubar um presidente através disso. Entretanto, agora se tem provas para o impeachment e ele tornou-se legal e oficial.


Sucessão

 Quem assumirá a Presidência da República será a ministra Cármen Lúcia por ser a presidente do STF. Como Renan e Maia (Senado e Câmara) estão sob investigação, não poderiam assumir a cadeira, deixando à presidente do STF a função máxima da República.  Não assumiriam, pois é entendimento do STF que réus se afastem da linha sucessória da presidência, por isso, caberia à ministra Cármen Lúcia a função. Ela assumiria o caos e comandaria eleições indiretas, em até 90 dias, para o cargo "tampão".


As Reformas

As reformas ficarão paradas até que a República saia do coma, mas elas deverão ser retomadas com urgência, ou o Brasil não conseguirá sair do buraco em que se encontra. Apesar das reformas terem iniciado em um governo turbulento, elas são essenciais e legítimas para retomar o crescimento. Repito, que elas sejam retomadas assim que o Brasil sair de sua crise política.

Conclusão

Vendo o cenário político, jurídico e econômico, Temer poderá renunciar e este deverá ser o caminho mais rápido. Como Joseval discursou bem, deixo o vídeo abaixo sobre a renúncia de Temer.




Desabafo: Temer foi pego e, diferente de quem tem criminoso de estimação, eu prego sua condenação em um devido processo legal. Acho que essa é a diferença entre quem defende um mero partido e quem defende o Brasil. Afinal, quem defende um partido colocou no poder diretamente 2 investigados (Lula e Dilma) e, indiretamente, o terceiro por ser vice-presidente que assumiu por afastamento da presidente e, mesmo assim, defende-os. Quem protege o Brasil ataca qualquer ação de corrupção, seja de que partido for. Maior é o Brasil, nosso bem mais precioso.