Pular para o conteúdo principal

Conto do Ratinho II




Já passou um ano desde que o vidro que separava a baia das serpentes, da minha baia, se quebrou. Na ocasião, eu lembro que falava com o cientista de que a parede de vidro estava para quebrar, mas ele olhava a situação e nada respondia. No dia que a parede se quebrou, eu achei que seria devorado pelas serpentes que avançavam contra mim. Foi a mão salvadora, do cientista silencioso, que me tirou do aperto e me deixou livre.

Embora eu estivesse grato, não conseguia entender porque o cientista não arrumara aquela parede antes do inevitável. Ainda penso nisso como se fosse uma espécie de trajeto que eu teria, e tive, que vivenciar. Não sei a resposta. É impossível, para um ratinho que sou, raciocinar como o cientista. Eu só sei que não fui consumido e fico grato por isso.

Sobre as cobras, por um ano, eu olhei para a minha baia com sentimento de tristeza. Achei que elas ainda estavam lá, no lugar que eu já chamei de lar. Minha rodinha, meu pratinho, minha comidinha... tudo ainda está lá. Imaginava, até algum tempo atrás, que elas estivessem felizes, em posse de tudo que não pertencia a elas. Como cobras venenosas que são, imaginei que elas tinham tomado posse de tudo. Ainda bem, eu imaginei errado.  

Neste período de um ano, o cientista retornou. A baia que eu estava era temporária e eu precisava de outro lugar para viver. O cientista retornou para me dar outra baia, também temporária. Ainda não estou em um lugar que eu possa chamar de lar. Nesse período de mudança, a mão gentil do cientista me segurou com firmeza e delicadeza, para me colocar em outro aquário de vidro. Durante o trajeto, notei que o cientista me olhou com atenção. Eu respondi ao olhar com outro.  Então, ele disse:

--- Não se preocupe, Teko! As cobras não tomaram para si o que era seu.

Nesse momento, o cientista me contou o que aconteceu durante o ano que passou. E eu escutei admirado, pois, pela primeira vez, o cientista falou meu nome. O que ele me disse, eu espero poder reproduzir fielmente.

Ao me colocar na baia nova, ele retornou para a baia invadida. As cobras mostravam resistência para saírem de lá. Serpenteavam, circulavam, faziam barulhos, ofegavam, tentavam dar o bote, enfim, mostraram ao cientista toda a sua natureza mesquinha, violenta e agressiva. O cientista, acredito eu, permaneceu impávido.  Sim, tenho certeza de que ele permaneceu impávido! E mais que impávido, ele foi forte! Com uma simples ordem do cientista, dois mangustos foram colocados na mesma baia que as cobras venenosas. Conhecidos por serem seres justos, aliados da ordem, estes dois mangustos não ficaram satisfeitos com a ação das serpentes e prontamente ofereceram apoio ao cientista.

A luta entre os mangustos e as cobras foi violenta. Cada ataque das cobras era plenamente defendido e um contragolpe dos mangustos era aplicado. Os mangustos começaram a avançar e as cobras a recuar. Temendo pela própria vida, as cobras se retiraram da baia. Nesse momento, elas pediram clemência ao cientista. Que ele parasse os mangustos. O cientista respondeu que a atitude das cobras foi responsável por isso, e que elas teriam que arcar com as consequências de seus atos. As cobras tiveram pena de si mesmas.  

O cientista disse que os mangustos quiseram ficar na minha baia, até que ela fosse consertada, para evitar novos avanços das serpentes e que os mangustos estavam decidindo o que fazer com elas, mas sem pressa alguma. Agora, quem deveria temer, assim como eu temi a quebra da parede de vidro, eram elas. Em algum momento, no futuro, os mangustos irão atrás das cobras para lhes devorar.  

Nesse momento, eu chorei. O cientista cuidou de mim em todos os momentos e ainda providenciou dois aliados para protegerem o que é meu. Ao ser colocado na nova baia, eu senti o calor e o carinho do cientista para comigo. E eu agradeci! Obrigado!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…