Pular para o conteúdo principal

Alguns hospitais em Porto Alegre não respeitam o acompanhante!


Hospitais de Porto Alegre e os acompanhantes



Eu me mudei recentemente para Porto Alegre. Ainda não completei um ano de minha mudança, portanto, sou morador recente, mas já percebi um erro no atendimento a urgência/emergência em alguns hospitais particulares da região. Eu precisei de atendimento no meu primeiro mês, fui até o hospital próximo à minha casa, com minha mãe me auxiliando. Ao chegar no hospital, fui informado que havia uma espera de horas para o atendimento. Quando fui encaminhado para dentro do pronto socorro, tomei outro choque, pois o acompanhante não podia entrar e participar da consulta. Eles violam a lei e colocam em risco a vida do paciente. Eu sou uma pessoa extremamente alérgica, estava quase desmaiando, totalmente tonto, e minha mãe poderia responder a questões cruciais em meu lugar, entretanto, ela não pôde entrar comigo no consultório.  Não revelo o nome do hospital para evitar maiores transtornos para mim.

Ministério da Saúde
PORTARIA Nº 1.820, DE 13 DE AGOSTO DE 2009
Art. 4º Toda pessoa tem direito ao atendimento humanizado e acolhedor, realizado por profissionais qualificados, em ambiente limpo, confortável e acessível a todos
V - o direito a acompanhante, pessoa de sua livre escolha, nas consultas e exames;
VI - o direito a acompanhante, nos casos de internação, nos casos previstos em lei, assim como naqueles em que a autonomia da pessoa estiver comprometida;

Desrespeitaram a portaria acima e colocaram minha vida em risco. Eu ainda tinha um pouco de força de vontade e a fiz minha ferramenta para resistir. Mesmo tonto e fraco, perguntei se minha mãe não poderia ficar comigo e me foi respondido que não. Decidi juntar forças e sair. Fui tratado em casa, por um vizinho maravilhoso que é médico e, tomado por grande espírito humanitário, tratou de mim. Ainda bem, deu tudo certo. Depois disso, resolvi assinar um sistema de urgência em domicílio para evitar ao máximo ter que usar as emergências em Porto Alegre, que estão superlotadas e que infringem portarias e desrespeitam paciente e acompanhante.   Em Brasília, o atendimento em urgência/emergência permite a entrada do acompanhante junto com o paciente e isso é o certo.

Cremesp- GUIA DA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE - 2001:
“Acompanhante
O paciente tem o direito de ser acompanhado por pessoa por ele indicada, se assim desejar, nas consultas, internações, exames pré-natais e no momento do parto; receber do profissional adequado, presente no local, auxílio imediato e oportuno para a melhoria do conforto e bem-estar.”

Até o presente momento, hospitais com os quais entrei em contato não responderam às minhas perguntas. Deixo aqui vídeo útil do Einstein (SP) que é relacionado com o tema aqui abordado.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…