segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Escrita: Estratégia do Sapo em Água Quente


Uma irritante estratégia de escrita que se perpetua até hoje



Existe um procedimento científico cruel que coloca um sapo em água e vai esquentando a água aos poucos, até o sapo morrer pelas condições próprias da água fervente. Se colocassem água quente direto no sapo, ele pularia para fora do balde. Existe, na escrita, alguns autores que nos colocam na situação do sapo e isso me irrita.

O sistema na escrita funciona de maneira semelhante. O sapo (nós) somos colocados de encontro a personagens carismáticos e um cenário com muita comédia nos primeiros capítulos. Tudo bem leve e agradável, isto é, sapo em agua fria. Aos poucos, com o passar dos capítulos, a trama se desenvolve de maneira a revelar tragédias e dramas, até o terrível último capítulo (sapo em água quente). Os autores que recorrem a este tipo de estratégia acreditam que o público iria cair fora da audiência se eles revelassem a tragédia nos capítulos iniciais. Ao apresentar a comédia, e ir desenvolvendo aos poucos a tragédia, eles esperam que o sapo não pule fora da panela e fique até o fim da história a ser contada.

Isso é uma das coisas que eu mais odeio, pois eu sinto-me enganado. Eu já vi isso aos montes em animação japonesa.  Eu não consigo gostar disso! Eu gosto de enredos estabilizados e que mantenham o tema. Quando sinto que o enredo se encaminha para o esquema da água quente, eu, como um bom sapo esperto, pulo fora! Se, por algum motivo, me engano, eu retorno à série e assisto em maratona.

Gosto de autores que já colocam as cartas na mesa já nos primeiros capítulos, como nas séries Re:Zero , One Punch Man, March Come In Like a Lion, entre outras! Eles dizem ao público: “É isso que temos a oferecer. Se não gostou, pule fora!” Eles são escritores fortes, que confiam no enredo estabelecido por eles e não ficam enganado a audiência. O sapo aqui gosta! E o sapo aqui recomenda estas séries, principalmente a da abertura abaixo!