quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Conheçam estas organizações

Ajude estas organizações

Para mim, ajudar a cultura e investir em trabalhos que eu sei que podem contribuir para o crescimento do público (antologias e financiamento coletivo) não é suficiente. Eu me angustio com o pouco que realizo, por isso, eu também ajudo instituições que sei que são sérias e que fazem um trabalho eficiente. São pequenas contribuições minhas que, talvez, não ajudem em nada, mas é o melhor que posso fazer com o pouco eu tenho. Por este motivo, eu as divulgo aqui, na intenção de conseguir que outras pessoas também ajudem e, deste modo, ajudar ainda mais.



Do site: “A organização foi criada em 1971, na França, por jovens médicos e jornalistas, que atuaram como voluntários no fim dos anos 60 em Biafra, na Nigéria. Enquanto socorriam vítimas em meio a uma guerra civil brutal, os profissionais perceberam as limitações da ajuda humanitária internacional: a dificuldade de acesso ao local e os entraves burocráticos e políticos, que faziam com que muitos se calassem, ainda que diante de situações gritantes. MSF surge, então, como uma organização humanitária que associa ajuda médica e sensibilização do público sobre o sofrimento de seus pacientes, dando visibilidade a realidades que não podem permanecer negligenciadas. Em 1999, MSF recebeu o prêmio Nobel da Paz.”



Do site: “As Nações Unidas atribuíram ao ACNUR o mandato de conduzir e coordenar ações internacionais para proteção dos refugiados e a busca por soluções duradouras para seus problemas. A principal missão do ACNUR é assegurar os direitos e o bem-estar dos refugiados. Nos esforços para cumprir seu objetivo, o ACNUR empenha-se em garantir que qualquer pessoa possa exercer o direito de buscar e gozar de refúgio seguro em outro país e, caso assim deseje, regressar ao seu país de origem”.



Do site: “A SITAWI foi criada com o objetivo de viabilizar projetos de alto impacto social com dificuldades de financiamento no setor financeiro tradicional, trazendo o conceito de empréstimo social para o Brasil. Nosso nome foi escolhido por isso, pelo que somos capazes de fazer: SITAWI significa desenvolver e florescer em Swahili, uma língua do leste da África. Em 2011, este mecanismo inovador de financiamento social foi reconhecido pelo prêmio beyondBanking pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) como melhor investimento socialmente responsável da América Latina”.



Aqui eu entro com um texto antes de copiar e colar do site. A Seicho-no-ie ajudou minha mãe. Com diagnóstico de osteíte por depósito de hidroxiapatita, ela perdeu o movimento do braço. Foi através de atividades na Seicho-no-ie, que ela se recuperou. Por isso, eu prezo muito por esta instituição.

Do site: “É um ensinamento de amor que prega que o ser humano é filho de Deus, que o mundo da matéria é projeção da mente e, também, nos revela qual é a nossa verdadeira natureza. É uma filosofia que transcende o sectarismo religioso, pois acredita que todas as religiões são luzes de salvação que emanam de um único Deus. Fundada por Masaharu Taniguchi, em 1° de março de 1930, no Japão”.

.................

Não conheciam alguma delas? Gostariam de ajudar a missão de alguma delas? Cliquem no nome que serão enviados para o site respectivo.



segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Financiamento Coletivo

Além do trabalho em antologia, que divulga palavras mediante o trabalho em conjunto de autores, eu também ajudei a divulgar/financiar obras em outros meios. Escrevo sobre o financiamento coletivo para obras diversas. O trabalho em antologia torna-se importante na medida que distribui mensagens de muitos escritores a um público, através da edição colaborativa de obras literárias. Da mesma forma, o financiamento coletivo nos propõe estender a mão para um artista que necessite de financiamento para produzir sua obra. O trabalho em antologia literária e o financiamento coletivo de obras artísticas tocam-se neste ponto: estender a mão a um artista, para que sua obra alcance um novo nível, ou um novo público. É com esta perspectiva que, atualmente, acredito na importância do financiamento.





Desta forma, eu ajudei, como tantos outros, a trazer para o ocidente obras concluídas, mas que necessitavam de tradução, e que tinham uma proposta e uma visão interessantes. Ajudei, assim, The Little Witch Academia, The Fruit Of Grisaia, The Time Of Eve e Coluboccoro.






Não apenas isso. Eu tive o orgulho de ajudar a criar obras como Under The Dog (filme a ser lançado), The Little Witch Academia 2 e For the Love of Spock. Isso significa que as obras em questão estavam no seu início e que conseguimos juntos dar uma forma a elas, sendo e foram inúmeras as motivações, como ajudar um filho a homenagear seu pai, ou dar continuidade a um sonho antigo de um autor. De qualquer modo, através do financiamento, estou ajudando a dar vida a mensagens e sonhos.





Tanto o financiamento coletivo, como as antologias, não foram feitos por mim na intenção de engrandecer minha pessoa, mas para dar significado à minha existência, para ajudar a outros, e para sempre divulgar mensagens interessantes. Engana-se quem pensa que faço o que faço para me tornar famoso. Faço pela mensagem, pelo objetivo de ver algo bom se espalhando.