sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

TOP Aberturas e Encerramentos II (Quase retrô)

Obrigado a todos! A recepção a este material foi ótima, por isso, vou continuar explorando esse conceito mais um pouco! Mais algumas aberturas que foram importantes para mim, todavia, como no texto passado, sem uma ordem definida de importância, ou seja, vou lembrando e colocando aqui. Simples!

A abertura de Cavaleiros do Zodíaco também foi um marco. Foi o primeiro rock japonês com o qual tive contato e tive um choque positivo, pois vi, pela primeira vez, que a abertura tinha uma grande importância na cultura pop. Eletrizante, empolgante e dinâmica! O hino de uma geração!

  
Deixo aqui uma abertura para homenagear uma dubladora. Eu guardo muito respeito e admiração por ela. Megumi Hayashibara fez excelentes trabalhos. Também, esta série era minha companheira pela madrugada, quando a assistia pelo canal Locomotion.



Vocês não sabem como era difícil ser otaku na era da internet discada, via telefone. Para baixar um arquivo, hoje considerado pequeno 50mb, demorava uma note inteira. E ainda tinha o risco do download não ser completado pela queda na transmissão. Era nessa época que conheci uma série que me inspírou demais. Depois de algum tempo, essa série teve uma nova temporada criada e nos trouxe a mais serena abertura que eu conheço, além de um encerramento extremamente calmo. Animação linda, canção harmônica e paz de espirito são temas desta abertura e encerramento. 



No Game, No Life deu um tapa na cara dos roteiristas dramáticos e trágicos, pois mostrou que a humanidade poderia ser medíocre, mas tinha potencial para a grandeza. Era esse potencial que deveria ser protegido. O potencial do nascimento de um Einstein, de um Mozart e de muitos outros gênios. Quando eu escuto essa música, eu já a relaciono com esta mensagem e isso já me arrepia a alma. 



E, para finalizar, essa aqui é legal, pois foi tanto encerramento como abertura de série. Sim, o encerramento desta série foi abertura quando o episódio focou na ação deste grupo em específico. Gostei, pois mostrou que dentro da série existia uma outra equipe com personalidade própria e que deveria ser tratada como tal. Uma equipe bem radical!