Pular para o conteúdo principal

Estratégias para a crise- Concursos com exigência de nível médio





Continuando a sequência de textos para superar a crise, pois, como sabem, eu aponto o problema e tento achar a solução para o mesmo, venho a escrever sobre concursos. Antes de mais nada, tenham em mente que o que escreverei aqui não serve para todos. Somos indivíduos com capacidades únicas e especiais em nossa maneira de ser, por isso, o que serve a uma pessoa pode não servir para outra. O interessante em manifestar a nossa experiência é trazer a outros elementos que podem servir ou podem ser adaptados para a realidade do leitor.

Com o desemprego em alta, os concursos públicos estão servindo como ponte de entrada e sonho de consumo de muitas pessoas, todavia, passar em um concurso demanda muito tempo e esforço, além da espera até ser chamado ao serviço. Não acredito que seja uma boa solução para a crise imediata, mas é uma solução para pós-crise, e para garantir estabilidade em crises vindouras. Eu fiz concursos até perceber que não era o meu caminho. Fui aprovado em seleção do MPU, décadas atrás, ficando 0,5 ponto atrás do último candidato aprovado que foi realmente chamado ao serviço. Além disso, também fui aprovado em concurso do Banco do Brasil, em 2001, tomando posse em 2005.  O que eu aprendi com minha experiência em concursos é o que eu quero repassar.


Área de interesse- O Planejamento

É fundamental que você não fique apenas estudando em cursinhos. Mesmo que o edital seja para o ensino médio, as matérias cobradas no mesmo estão, quase sempre, na grade curricular de cursos superiores. Como exemplo, para o concurso do Banco do Brasil tínhamos matérias exigidas em edital que estavam em grades curriculares de ensino superior (Contabilidade e Administração). Desta forma, o primeiro ponto a se fixar é realizar qual é o seu concurso dos sonhos, para fixar uma meta de estudos para ele.

Escrevendo sobre concursos que exigem ensino médio, deve-se fixar para qual concurso quer estudar.  O correto é partir para um vestibular e se fixar em um curso superior que lhe dê instrumentos para passar naquele certame. Ao fazer apenas 4 semestres em um curso de Administração, isso me ajudou a passar na seleção externa do BB. Estudando Direito, suas chances de aprovação em concursos de ensino médio, para tribunais, crescerá de maneira intensa.

O primeiro passo, então, é este. Fixar-se em um curso superior que lhe dê chances de aprender as matérias que serão cobradas em seu concurso dos sonhos. Não fique achando que estudando apenas em cursinhos você ficará apto a passar. Um concorrente que já estudou 2 anos em faculdade tem mais chances de passar do que aquele que só ficou em cursinhos. Ao tomar posse e começar a estudar no BB, percebi que na minha seleção todos estavam fazendo, ou já tinham terminado uma faculdade. Apenas um colega não tinha nível superior.


Cronograma de estudo

Estudar para concursos exige tempo e paciência. É sempre necessário ler e reler a matéria. Chega a ser uma tortura quando você lê, relê, relê e relê! Entretanto, não há nenhuma outra forma de se fixar uma matéria. É leitura, exercícios e leitura novamente.   Então, o cronograma de estudos deve ter uma meta (pelo amor de Deus, não deixem a meta aberta, para depois dobrá-la. Brincadeira.) que permita fixar o estudo. Serão, então, dois cronogramas distintos. Um cronograma para o estudo de um concurso mais próximo e um cronograma de estudo para um concurso mais distante. Não passando no concurso mais próximo, ainda terá a meta do concurso mais distante.

Como será exaustivo, coloque no cronograma o descanso também. Saia, veja filmes, durma, pois o descanso ajuda a mente a fixar o que foi aprendido. É um erro passar estudando sem descanso. Este é um fator limitador do aprendizado. Não permita que isso aconteça e descanse também. A mente fixará melhor o que foi apreendido pelo estudo.


Conclusão


Passar em um concurso público é meta a ser realizada em anos de estudo. Não será fácil, por isso, o que eu deixo aqui como resumo é fazer cursos superiores em áreas que deseja ter conhecimento para concursos em nível médio, estudar marcando dois cronogramas (concurso próximo e concurso mais distante) e descansar bastante, tendo equilíbrio em suas atividades. Ler, reler, fazer exercício e reler novamente é apenas o básico.   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…