sábado, 14 de maio de 2016

Análise Ministerial- Acertos e Polêmicas

Eu não gosto de analisar discursos, pois, muitas vezes, o discurso não enfrenta a realidade com eficiência. Eu vejo ações. Por esta razão, eu ainda não me manifestei quanto ao trabalho do governo que tomou posse ontem. Prefiro dar um tempo, para que eles possam trabalhar. Eles estão ainda realizando auditorias e checando dados, pois, literalmente, “caíram de paraquedas” na situação. E a situação é muito mais grave do que se imaginava, com um rombo e saldos a pagar que tornam a situação sufocante.


Posso avaliar a montagem de ministérios. Aqui, temos controvérsias e elogios. O centro do governo está nas personalidades de Meirelles, Ilan, Jucá e Serra que formarão o centro econômico do governo. São nomes de economistas e articuladores que precisarão "cortar na carne" e fazer o que o PT não teve coragem de realizar. O presidente Temer os orientou sobre como proceder e não retirar direitos adquiridos dos trabalhadores. Como provavelmente não extinguirão os serviços sociais, além dos direitos sociais, acredito que Meirelles terá prioridade no ajuste fiscal e nas privatizações. Acredito que a equipe aqui esteja bem montada, embora a missão seja quase impossível. Graças aos erros e crimes do PT, as contas públicas fecharão com um rombo histórico que ainda não chegou a ser plenamente apurado. Obrigado, PT!


Estadão em 13/05/2016



Polêmicas

Duas polêmicas surgiram ontem: não existem mulheres e negros nas pastas; E fundiram o Ministério da Cultura com o da Educação. Estava pensando em escrever textos criticando isso, mas parece que o atual governo já começou a apagar o fogo da ira dos brasileiros.


Para o primeiro caso, o Ministro da Casa Civil explicou hoje (13/05/2016) que as indicações foram feitas pelos partidos e que muitas foram convidadas, mas, por motivos pessoais, rejeitaram o convite. Sei que eles sondaram, por exemplo, a ex-ministra do STF- Ellen Gracie. Ele salientou que, de agora em diante, o governo tem interesse em ocupar cargos em pastas com poder de ministérios com o maior número possível de pessoas (homens e mulheres) e impedir essa desigualdade.Então, teremos secretarias com força de ministérios ocupadas por mulheres, segundo a entrevista. 


O segundo caso causou indignação. Após o choque, fui atrás de informações e percebi uma coisa interessante, que pode ser positiva. O Ministério da Cultura, fundido com o da Educação, terá um orçamento melhor e, se bem trabalhado, poderá ampliar a sua atuação, uma vez que não perdeu o status de ministério. O minstro Mendonça Filho em entrevista para a EBC- Marcelo Brandão- disse: “A Cultura será cada vez mais fortalecida, esse é o nosso propósito. Você pode ter dois ministérios com pouca força e também pode ter duas áreas fundamentais como cultura e educação andando mais fortalecidas. E é esse o nosso objetivo, que será buscado ao longo dos próximos anos”. Que seja realmente assim, ou muitos ficarão indignados! Existe o risco do contrário ocorrer, ou seja, vamos vigiar para evitar isso.


Investigação e TSE

Um grande erro. No ministério de Temer existem 3 membros que estão às voltas com a Polícia Federal. Dois são citados na Lava Jato e um é investigado por desvios e corrupção (leia aqui). Como Lula não poderia assumir por ser investigado, ao menos, um deles não deveria ser também pelo mesmo motivo. Lembrando que a coligação PT-PMDB será julgada, em 2017, pelo TSE.  


Conclusão- Superando a Crise


O primeiro passo seria montar uma equipe ministerial eficiente e o presidente Temer conseguiu agregar bons nomes para a equipe, apesar da polêmica e dos investigados. O segundo passo seria o corte de despesas e, infelizmente, essa ação necessária começou com a auditoria das contas públicas e a previsão de corte de 4 mil cargos comissionados. Lembrando que o PT anunciou que iria cortar cargos, mas não o fez e isso agravou a crise.  O terceiro passo seria o ajuste fiscal. Analisando somente a criação da equipe ministerial, eu posso dizer que Temer conseguiu reunir bons nomes, cortou pastas e fundiu ministérios. Entre erros e acertos, esta equipe parece-me mais promissora e relevante que a antiga equipe da Dilma.


Deixo um vídeo com opinião diferente, para polarizar melhor esta análise.




Alguém teria 300 bilhões de reais para emprestar ao Brasil? 


Leia também para saber como a economia ficou neste estado