quarta-feira, 8 de abril de 2015

TOP 3- Mundos Incríveis!

TOP 3 de Mundos Incríveis

Para que esse blog não fique muito tempo parado, pensei em um breve TOP 3. Faz tempo que não faço um. Escolhi esse tema, pois percebi que os autores estão criando realidades fictícias tão atraentes, que estão me fazendo desejar migrar para outros mundos (brincadeira).  :D E achei excelentes AMVs que ajudam demais na visualização dessas palavras, então, por favor assistam e deixem um like para os autores deles, através do youtube.  


É fato que a alma humana sempre almeja por alcançar o que não se pode alcançar. Esse “não conformismo” com a realidade nos trouxe grandes benefícios ao longo de milênios. O homem desejava conquistar os mares e assim criou navios, acelerando o processo de globalização. Ao se almejar os céus, o homem criou asas e alçou voos em aviões. Desejando uma melhor comunicação, o homem criou ferramentas que auxiliam no envio de mensagens. Essa é a alma humana que almeja e não se conforma com a realidade e, com esse espírito, os autores criam universos maravilhosos, almejando, mesmo em fantasia e sonhos, um mundo melhor para se viver. E esse é o TOP 3 de realidades na ficção que são incríveis! Ao clicar nos nomes, você será redirecionado para a página do Crunchyroll e poderá verificar cada mundo.


3º Lugar





Cr: “Baseada na série de light novels Seiken Tsukai no World Break, de Akamitsu Awamura, a história se passa numa escola particular que reúne os "Salvadores" — estudantes que tem despertas as lembranças de suas vidas passadas em forma de Shirogane ou Kuroma. Shirogane usa armas adquiridas a partir do Puraana do próprio corpo para lutar contra inimigos, enquanto Kuroma usa magia de manipulação de Maana para banir os inimigos. Moroha Haimura acabou de se matricular na escola particular e é o primeiro Salvador da história a ter despertas as lembranças tanto de Shirogane quanto de Kuroma.”


Nessa realidade, os personagens tem acesso às memórias anteriores, de vidas passadas. Não é algo fruto de treinamento, eles simplesmente já nascem sabendo quem eles foram em vidas passadas. Eles simplesmente se lembram. Isso é genial, pois auxilia na evolução da pessoa, fazendo com que ela perceba erros do passado e aumente assim a probabilidade de sucesso. Sem contar que, com isso, a morte torna-se um pouco insignificante, pois a força da vida que a transcende é certa. Eles sabem que existe uma vida contínua e que a morte não é um fim, mas apenas um trajeto dessa evolução. A diferença para o nosso mundo é que aqui temos que ter fé de que exista uma vida pós-morte, entretanto, lá isso não é necessário, pois é algo comum como o amanhecer. Não precisamos ter fé de que vai amanhecer, assim como nessa realidade não se precisa ter fé de que existe vida após a morte.


Obviamente, a dor da separação existe e fica mais dolorosa quando lembramos de vidas passadas, mas ter a absoluta certeza de que a morte é apenas um passo, e não um fim, já traz mais consolo do que simplesmente afirmar por fé de que a morte não existe. Por isso, esse mundo fictício me encantou.


Saiba mais sobre a série clicando aqui:





2º Lugar





CR: “Baseado na light novel de mesmo nome escrita por Fujino Omori e ilustrada por Suzuhito Yasuda, Dungeon ni Deai o Motomeru no wa Machigatteiru Darou ka se passa no mundo de Orario, onde aventureiros se unem para caçar tesouros em labirintos subterrâneos conhecidos como Dungeon. No entanto, para Bell Cranel, fama e dinheiro estão em segundo plano; o que ele mais quer encontrar, na verdade, são garotas!”


Provavelmente eu vá me arrepender de colocar essa série aqui tão prematuramente, afinal, eu vi apenas um único capítulo, mas foi um capítulo que já me fez desejar visitar essa realidade, através da ajuda de Morpheus, ou seja, sonhar com esse mundo.  No parágrafo seguinte, explico o que me encantou no mundo dessa série.


Aqui, os deuses visitaram o mundo e desejaram viver como nós. Eles abandonaram o mundo celestial e decidiram viver ao lado dos humanos, como nós. Com isso, eles decidiram abençoar os humanos, fazendo-os de servos, ou mais precisamente, familiares. Eles formam famílias e guildas com os humanos. Dessa forma, quando Bell Cranel foi abençoado pela deusa Héstia, ele passou a ser membro da Família Héstia.  Imagine você, ter uma deusa em sua família?


Imagine você não precisar ir a uma igreja para ter comunhão com um Deus em espírito, mas, ao invés disso, poder ter uma comunhão diária com um deus que optou por morar com você. Abrir os olhos pela manhã e ver que um deus está lá para te suportar e confortar. Deve ser incrível ter uma comunhão dessas, que, se você leitor acredita, faz parte de uma promessa ainda não cumprida no Apocalipse bíblico. Nesse mundo já podemos ter um gostinho disso.


Aliás, a condição dos humanos aqui se assemelha a condição dos anjos. Os anjos não precisam ter fé em Deus, pois eles o veem constantemente. Os humanos nessa série estão em situação semelhante. Então, se existe o mal, mas tenho um deus em casa, que mal temerei? É nessa pergunta que espero não morder a língua, pois só vi um capítulo da série.  XD







1º lugar



O Mundo de No Game, No Life 


CR: “Baseado na light novel de Yuu Kamiya, No Game, No Life gira em torno dos irmãos hikikomori (isolados em casa) que têm gerado de forma notável lendas urbanas na internet sobre suas habilidades nos jogos. Certo dia, eles encontram um menino chamado "Deus" que os chama para um mundo alternativo. Nesse mundo onde a guerra é proibida, dezesseis diferentes raças lutam pelo controle, mas suas batalhas são através de vários tipos de jogos. A humanidade foi resumida a uma cidade final. Os irmãos Sora e Shiro poderão salvar a humanidade da extinção?”


Nesse mundo existem regras, mandamentos, incríveis e que eu cito abaixo, segundo o que escreve Almir David:


1 - Todos os assassinatos e guerras são proibidos neste mundo;
2 - Todos os conflitos neste mundo serão resolvidos através de jogos;
3 - Cada jogador deverá apostar algo que ambos julguem ser de igual valor;
4 - Contanto que não vá contra o 3º mandamento, as apostas e regras não deverão ser questionadas;
5 - O desafiado tem o direito de escolher o jogo e as regras;
6 - Qualquer aposta feita sobre juramento deve ser mantida;
7 - Conflitos entre grupos serão resolvidos entre jogadores representantes designados com autoridade absoluta;
8 - Ser pego trapaceando durante um jogo causará derrota instantânea;
9 - Pelo nome de Deus, as regras anteriores nunca devem ser alteradas;
10 - Vamos nos divertir todos juntos!


Esses mandamentos foram criados após Tet ter sido o único deus a restar, após uma batalha intensa pelo domínio do mundo, por outros deuses. Decepcionado com todas as raças que quase se exterminaram, ele lança esses mandamentos com força de lei. Não existe morte nesse mundo. Não existem guerras nesse mundo. Deus é outra presença evidente que mantêm tudo sob controle. Às vezes não basta dizer “Amem a Deus sob todas as coisas e ao teu próximo como a ti mesmo”, se esse mandamento não possuir força de lei pela presença física do Deus que a rege. Aqui, todos conhecem Tet. Ele é um deus com presença física, ele está ao alcance do conhecimento e dos olhos de todos.


Dessa forma, esse mundo encanta pela não existência de guerras, de assassinatos, pela possibilidade de resolver qualquer questão com um simples jogo de um “cara ou coroa”, e de ter uma divindade que controla a tudo de maneira evidente e aos olhos de todos. E ainda existe a possibilidade de se jogar contra o Tet. Imaginem poder desafiar um deus para um jogo?








Conclusão

Os três mundos tem uma coisa em comum, que é a presença mais evidente do mundo espiritual. Noto nessas linhas escritas, que o meu mundo ideal seria um mundo no qual Deus está presente de maneira física, impedindo catástrofes, confortando, salvando o ferido, ou seja, colocando a mão na massa, como Jesus o fez antigamente (caso creia nisso). E isso tudo com presença física, isto é, em corpo-matéria presente. Seria falta de fé minha? Não! É apenas uma maneira que eu percebo que o mundo seria melhor dessa forma e, portanto, esses mundos fictícios me atraem e encantam.


E você? Qual mundo fictício você queria que fosse real?  Escreva abaixo, nos comentários.



segunda-feira, 6 de abril de 2015

Brasília Poema II




O Verde


Brasília tem muito verde, rosas e flores,
Um ótimo lugar para se escrever o Bucolismo,
Não tem lugar igual nos arredores,
E isso não é achismo!


É a certeza de um coração,
Que cresceu aqui admirando,
O cenário digno do Deus da Criação,

Um coração que aqui foi ficando.



Antologia dos Cônsules
Real Academia de Letras
Porto Alegre- 2013