quarta-feira, 11 de março de 2015

Faces de Deus: Carta A Um Irmão II




Explicação sobre o Livro de Mateus

Graça e Paz, querido irmão! O evangelho de Mateus é assim ordenado: “Mateus discute a linhagem, nascimento e início da vida de Cristo nos dois primeiros capítulos. Daí, o livro discute o ministério de Jesus. As descrições dos ensinamentos de Cristo estão organizadas na forma de "discursos", como o Sermão da Montanha nos capítulos 5 a 7. Capítulo 10 envolve a missão e propósito dos discípulos; capítulo 13 é uma coleção de parábolas, capítulo 18 discute a igreja, capítulo 23, começa um discurso sobre hipocrisia e o futuro. Os capítulos 21 a 27 discutem a prisão, tortura e execução de Jesus. O capítulo final descreve a ressurreição e a Grande Comissão”. Leia mais clicando aqui.


O livro de Mateus é, por isso, mais que a descrição do Reino, é a descrição da postura do cristão, de ser igual a Cristo, da mensagem do amor e, portanto, da salvação. Reforço estas palavras com o site dos capuchinhos: “Assim, os textos da Escritura neste Evangelho confirmam a fidelidade aos desígnios divinos e, simultaneamente, a novidade da Aliança em Cristo”.




A Graça se manifesta e pede o agir em amor

Obrigado por citar Efésios. IBAB: “A graça de Deus é a oportunidade, chance, concessão, permissão, autorização que Deus concede à humanidade para que experimente sua bondade e participe de seus atos bondosos. [Isaías 55.6; 2Coríntios 8.1]”, ou seja, está em conformidade com meu texto e pensamento, pois mostra a graça como sendo um dom que deve ser exercitado. Deus quer participação! A graça não é de graça. Ela foi paga por Cristo na cruz, mas é desejo de Deus que façamos parte dessa mudança, por isso, Ele nos dá mais informações sobre esse processo. Informações que podem ser achadas aqui: “Os crentes são exortados a crescer “na graça” (2 Pe 3.18); na busca desse crescimento, tornam-se recipientes do favor imerecido que procede do Senhor. O crescimento na graça não é obtido por meios naturais, mas se dá através do estudo da Palavra de Deus (2 Pe 1.2-3,5-6,8). À medida que um crente em Jesus cresce na graça, o fruto do Espírito se torna manifesto através da vida dele ou dela (Gl 5.22-23), levando a pessoa a uma conformidade com a imagem e semelhança de Cristo (Rm 8.29)



O parágrafo acima mostra o processo quase concluso da salvação pela graça. 1º- Aceitar a Cristo, 2º- Crescer na Graça pelo Estudo, 3º- O fruto do Espírito se tornar manifesto na vida da pessoa, ou seja, que ela comece a agir em amor e, por fim, 4º- Estar em conformidade com a imagem e semelhança de Cristo. Desta forma voltamos ao meu texto original, no qual cito que Deus é amor. Se a conversão da pessoa for verdadeira, ela se tornará uma pessoa capaz de amar ao próximo, de doar ao próximo, de dar valor ao próximo, ou seja, como afirmei: “O Cristo torna-se a necessidade do agir, a palavra em movimento que promove mudanças e cria. E qual seria essa palavra que Cristo promove? Nada mais lógico que o amor, como afirma o padre Robson de Oliveira, C.Ss.R.- Reitor da Basílica de Trindade- “Vale ressaltar que o movimento do Encarnado na história não foi uma aparição miraculosa ou fantástica, mas, sobretudo, a concretude do amor em carne. O amor do Pai torna-se carne (sarx). Por isso, Jesus é Sacramento do Pai Eterno. Não estamos defrontes a um Deus mágico, mas perante um Deus que teve que aprender a ser humano. Um Deus que “não responde, pergunta. Não soluciona, põe em conflito. Não facilita, dificulta. Um Deus que não gera meninos, mas faz adultos” (Inácio Larrañaga)”.




Salvação e Obras- Um relacionamento

E aqui entramos na fase da salvação de Deus. Se a pessoa entendeu a misericórdia de Deus, então, ela produzirá bons frutos, desde que sua fé seja verdadeira. Já desse modo, podemos dizer que existe causa e efeito na relação “salvação e obras”. Como em Tiago 2: 14 “Meus irmãos, que proveito há, se alguém disser que tem fé mas não tem obras? Pode semelhante fé salvá-lo?” Como afirmei em uma mensagem bem acima, não basta sentar em um banco de igreja e achar que está salvo. Você precisa agir em amor (vide meu texto anterior) para provar que é nova criatura em Deus. Em Mateus, novamente, vemos os frutos da salvação pelas boas obras: “E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda. Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo; Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me; Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e foste me ver”. (Mateus 25:33-36) Ou seja, para mostrar verdadeira salvação, o salvo mostrará obras e herdará o reino. Se ele mostra boas obras, a consequência é a salvação, pois já se faz nele a imagem e semelhança de Cristo.


Existe, então, um resumo interessante.

1º- Salvo pela Graça, apenas com obras que comprovem essa mudança e embasem sua fé;
2º-  Salvo pelas obras, significa que manifestou o amor de Deus tornando-se imagem e semelhança de Cristo, ou seja, manifestando-se a Graça. Uma pessoa que ama ao próximo.


Encerro essa parte com o texto de Marcos Vinícius: “Não está, por acaso, no âmago da confissão da fé de um convertido o confessar Jesus como Senhor (Romanos 10:9)? E se dissemos que Jesus é Senhor, não quer dizer que somos escravos, para praticar obras de obediência? Devemos escolher entre a confissão sem as obras (Lucas 6:46), somente pela fé (Tiago 2:19) ou a obediência de coração ao ensino do Senhor (Romanos 6:17), certos de que cada um de nós comparecerá perante o tribunal de Cristo para sermos julgados de acordo com nossas obras (2 Coríntios 5:10)”.


E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras”. (Apocalipse 20:12)




Concluindo e pedindo perdão

Eu fiquei cansado de tanto escrever, por isso vou resumir a resposta para a segunda mensagem. A salvação de Deus vai da escolha e do entendimento de cada um, sendo que há escolhas e justificativas para cada ato, de cada religião. Fiquei um pouco desmotivado agora, pois o que você escreve já foi respondido por outras pessoas, em comentários anteriores. Peço que me perdoe. Dá para ler acima, outros usuários, se preferir. Como afirmei, se a religião religar Deus e o Homem, através do crescimento em amor, ele demonstrará boas obras e, portanto, manifestará nele a graça da salvação. E cada igreja possui suas formas de louvar e adorar a Deus, fazendo com que a pessoa cresça. Eu tive a presença firme do milagre do amor de Deus em muitas igrejas, provando que a misericórdia do senhor abraça a todas.



Fique na Paz e um forte abraço!


segunda-feira, 9 de março de 2015

Faces de Deus: Carta A Um Irmão I



Saudações! Na verdade, somente Deus sabe quem sobe. Ninguém mais e eu afirmo isso na humildade, pois muitos acreditam que estão salvos e não estão. Aqui temos o exemplo disso: “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade”. (Mateus 7:20-23)


Nesse trecho temos crentes que faziam a obra, mas que não subiram por causa de atitudes erradas, como a de ofender a crença de outro, considerando que apenas uma religião (latim: religio.onis) possui a verdade. Entre outros erros mais graves. Eu tenho segurança e fé em quem tenho crido e sei que Ele é justo, por isso mesmo deixo a Ele o encargo do julgamento. É um erro comum julgar-se salvo e essa é uma segurança que pode levar o homem ao erro, e como não quero cair nesse erro, afirmo que somente Deus sabe quem sobe. Dessa forma, faço o meu melhor e com mais tranquilidade, sempre me esforçando. Principalmente, porque sei que o ego atrapalha no julgamento de si mesmo.


Sobre a sua verdade de que Deus está unicamente em uma religião, eu a considero errada, por isso, não compartilho dessa ideia. Eu compreendo esse erro, mas a figura de Jesus é mais que messiânica e Ele dá pistas do que Ele quer dizer com o “único caminho”. Eu explano sobre isso, nesse texto (Faces de Deus).



Leia atentamente e verá que Jesus é o caminho do agir em amor e misericórdia. A figura d’Ele não é de apenas um messias, mas de um exemplo (símbolo) a ser seguido, pois Ele é o Verbo e todo verbo traz uma ação consigo, portanto, toda a religião que ligue o humano ao divino é uma forma de relacionamento, por isso, o Cristianismo, o Budismo, o Xintoísmo são religiões e relacionamentos. Se houver o agir em amor em alguma religião, ela ligará você a Deus. No link que deixei, assim escrevi: “O Caminho, então, é o Verbo que age (amar), criando o fenômeno (salvação), através da ocorrência (nascer novamente), para o desejo (ajudar, amar, salvar). E aqui está o segredo: "Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor é de Deus, e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor"- (I João 4:7,8).


Desse modo, a pessoa é julgada por suas obras, como afirma esse trecho: “E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras”. (Apocalipse 20:12)


E a obra que Deus deseja é resumida pelos atos de misericórdia. Alimentar o pobre, vestir o que está nu, não deixar seu irmão chorando sozinho no quarto, compartilhar e ouvir a dor do próximo, enfim, que nos portemos como Jesus se portou ao repartir o pão e o peixe. Agir em amor.


Sobre minha experiência de vida, eu deixo o meu novo livro como leitura, pois eu presenciei o amor de Deus em várias religiões e isso me fez acreditar que todas as religiões que preguem o amor são provenientes de Deus e, portanto, religam o homem a Deus (salvação).


Fique na Paz!