quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Capítulo inicial- Fé de mais, ou fé de menos?



Passo inicial do Fé de mais, ou fé de menos?

-----------------------------------------------------------

PASSO INICIAL - NÃO ACEITE O SOFRIMENTO



Algumas religiões podem induzi-lo a erros, por acreditarem que o sofrimento seja benéfico, já que levará a pessoa a um autoconhecimento e a um nível maior de esclarecimento. Não acredito nisso! É como se nos comparassem a personagens como o Goku (Dragon Ball Z) que, no calor de uma batalha perdida, emanam a energia necessária para vencer o problema, tornando-se seres maiores e melhores. Não somos assim. Eis algumas formas de enganação comuns:


Comparam nossa vida com algum metal.

Essa metáfora é uma das mais comuns. O metal necessita de ser forjado através de um intenso calor para ganhar forma, assim como a pessoa necessita das lutas diárias para forjar a sua alma e a sua personalidade. Não somos metal, embora o tenhamos na nossa constituição física; e a nossa personalidade não tem propriedades sequer parecidas com a dos metais. Essa metáfora é enganosa, pois muitas lutas diárias, de tão intensas, acabam por ceifar vidas, que não resistem à dor e ao sofrimento. Não devemos aceitar o sofrimento como algo que vai nos polir. Nunca vi o sofrimento me fazer algum bem. O que vai polir o caráter e a alma são o conhecimento e a sabedoria, que vêm da educação. É saber como proceder, fixando os ensinamentos através do coração.


Dizem que o sofrimento é um carma a ser levado, e que não há outro jeito.

Sim e não. Como toda falácia, começa com uma verdade, mas termina com uma enganação. O sofrimento, se for de caráter físico, como uma doença crônica, deve ser levado como carma, mas sempre há um jeito de reduzir seus efeitos. Assim é com o carma. Eu tenho Tireoidite de Hashimoto e não possui cura, mas tratamento. Quando a dosagem do remédio é eficaz, eu nem sinto o problema. O mesmo com o sofrimento. Não o aceite como uma cruz que deve carregar pela vida. Sempre haverá um modo de eliminá-lo, reduzi-lo ou contorná-lo. Como o remédio que faz efeito, eu reduzo o sofrimento causado pela tireoidite. Sempre tente eliminar ou reduzir o sofrimento, de maneira consciente e benéfica. Não se acomode com o que é dito, mas lute pelo seu bem-estar.


Que nossos inimigos são, na verdade, nossos aliados que enxergam nossos defeitos e nos ajudam a superar erros através do sofrimento.

Mais uma tentativa de distorcer uma realidade. Nossos inimigos nunca serão aliados, porque a visão deles nem sempre é correta. Nem sempre nos enxergam como realmente somos. E as palavras deles, com a visão distorcida, causam um sofrimento que não tem desculpa. Fui bancário e minha gerente executiva me perguntou se eu era doente. É claro que ela não se referia à Tireoidite de Hashimoto, a intenção era um ataque ao meu equilíbrio psíquico. O motivo: um atendimento errado, por parte de outros funcionários, que recaiu sobre meus ombros. Não sou doente, e nunca fui. Por ter uma visão distorcida a meu respeito, ela me causou muito mal. Portanto, não aceite o sofrimento que vem com as palavras de seus inimigos. Isso não faz bem algum. Nunca me senti bem depois de sofrimentos e perseguições.


O sofrimento é fruto do pecado.

Um mestre a quem respeito muito já afirmou: “Somos Filhos de Deus Perfeito”. Ora, se somos Filhos de Deus Perfeito, não aceite o sofrimento, que nunca expiará seus pecados através da dor. Ele, sendo Perfeito, sabe perdoar e amar. Se Ele ama e perdoa, o pecado não possui força para subjugar os filhos d’Ele. Então, novamente, não aceite o sofrimento, seja ele qual for.

Escrevo para motivar a todos. Não deixem de lutar contra o sofrimento, somente porque alguém acha que o sofrimento é bom. O sofrimento não é bom. O sofrimento nunca foi bom e nunca será. Dependendo da intensidade, o sofrimento pode, inclusive, deformar o caráter e prejudicar o desenvolvimento, por isso, levante e lute sempre. Estes são os passos que me levaram a inúmeras vitórias. Levante e lute também!   

________________________________________________________________________

Para saber aonde comprar, clique aqui.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma



Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela primeira vez.” (Norman Doidge)


O livro não se prende unicamente aos relatos de pacientes, mas faz um breve, e muito competente, resumo da história da pesquisa científica do cérebro e suas funções, bem como explicações sobre procedimentos terapêuticos e suas alterações na função cerebral. “Quando Schwartz e sua equipe fizeram exames de neuroimagem em pacientes que haviam melhorado, descobriram que as três partes ‘travadas’ em conjunto e ativadas simultaneamente de forma hiperativa haviam começado a se ativar separadamente, de forma normal. O travamento cerebral estava sendo aliviado” (Doidge:189p:2011)


É uma leitura interessante, pois podemos colocar em nossas mentes que nada nos é impossível, pois nosso cérebro se transforma de acordo com nossas atividades e exercícios. É como eu afirmei no capítulo 11 de meu livro: “Supere barreiras e vença seus medos! Tenha em mente que nada é impossível ao que crê! Tenha fé de que pode ser um bom nadador? Esforce-se, treine, estabeleça metas e as vença! Não desanime se os resultados não forem imediatos, pois muito do que tenho pedido e me esforçado a realizar, tem-me custado anos de luta. Vamos ser pacientes, esforçados e lógicos. Tenha equilíbrio em tudo que for estabelecer para fazer"!


Acho que a principal alegria que tive ao ler este livro é saber que o cérebro pode ser alterado, que nada está estagnado, que não existem barreiras intransponíveis, desde que se treine bastante, e que podemos superar diversos desafios. Que se alguém consegue reaprender a falar, ou a andar, indica que nossa mente se adapta e a adaptação é a principal esperança para se superar obstáculos. Por isso indico esta leitura.


“O cérebro se modifica. Ele é um órgão plástico, vivo e pode de fato transformar as suas próprias estruturas e funções, mesmo em idades avançadas. A neuroplasticidade — uma das descobertas mais revolucionárias desde que os cientistas desvendaram os primeiros esboços da anatomia básica do cérebro — promete derrubar a noção ultrapassada de que o cérebro adulto é rígido e imutável. A neuroplasticidade não apenas dá esperança àqueles com limitações mentais, ou com lesões neurológicas consideradas incuráveis, mas também expande nosso entendimento da saúde do cérebro. (...)  Aprendemos como nossos pensamentos podem ativar ou desativar nossos genes, alterando a anatomia do cérebro”. (Apresentação do livro na livraria Amazon)


Para comprar o livro clique aqui!

Para comprar o meu livro (e-book) clique aqui!

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Atualização "Fé de mais, ou fé de menos?"



O meu novo trabalho “Fé de mais, ou fé de menos?” já está nas lojas virtuais Amazon, em formato de e-book (livro digital).  Com isso, ampliei em mais uma loja o serviço de vendas. Pelo sistema Livroscort, o livro impresso está sendo vendido na Asabeça e Cultura. Pelo meu sistema próprio de vendas, ele está sendo vendido em formato digital pelo Amazon em todo o mundo. Abaixo, os locais de venda:



















Com isso, vou dar início a uma fase diferente do trabalho de autor autônomo, que é o de divulgação do trabalho realizado até aqui. A Scortecci já me tem ajudado nisso, pois já divulgou uma entrevista que fizemos e que já está disponível no blog do Portal do Escritor Scortecci. Vou copiar a entrevista aqui, e você pode acessar a entrevista aqui.

Nome literário - Paraymun Radoesde Motrick. - Jornalista formado em Comunicação Social, é membro da Real Academia de Letras do Brasil, da Ordem da Confraria dos Poetas do Brasil, do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF e trabalhou como escriturário concursado no Banco do Brasil por um breve período de tempo. Blogueiro por paixão, Patrick já escreveu os títulos:
– Mangá Tropical – Um Estudo de Caso;
– Manual do Escritor Independente e Outros Textos;
– Sob a Luz dos Ensinamentos Bíblicos;
– Apocalipse: Brasília;
– Outros Papos e suas memórias;
– Joias de Brasília – Roteiros de Cinema da Capital;
– Amanhecer na Juventude e o Entardecer na Maturidade;
– Sete.
Além desses títulos, colaborou em mais de trinta antologias de diversos grupos e associações. Recebeu por diversas vezes a comenda e o título do Prêmio Cultura Nacional, que é oferecido todo ano pela Real Academia de Letras do Brasil. Atualmente, escreve textos para o blog Outros Papos.
Fé de mais ou Fé de menos?
Em 2003, lancei meu primeiro trabalho pela Thesaurus Editora. O título era Sob a Luz dos Ensinamentos Bíblicos, uma manifestação da minha fé em texto. O tempo foi passando e fui conhecendo teses e estudos científicos que foram reforçando as palavras deste livro e, portanto, fui reescrevendo o seu miolo. Atualmente, em suas páginas, podemos encontrar manifestações de fé embasadas em estudos, além de experiências próprias que foram renovando e amadurecendo a minha pessoa. Eu o lanço novamente, com outro título, na intenção de ajudar outras pessoas. É um livro que tem como objetivo ser uma fonte de reflexão sobre a vida, a bíblia e, acima de tudo, sobre a fé. Sobre a mudança de título, ele não poderia mais ser chamado da forma antiga, pois abraça outras fontes de fé além da bíblia. O título cacofônico é um trocadilho que sempre ouvia da minha avó. Ela sempre me falava isso com um sorriso no rosto, por isso, faço do título uma homenagem ao trocadilho cacofônico que minha avó sempre gostava. Em memória.

Olá Patrick Raymundo. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?Um livro que versa sobre minha fé e experiência de vida. A primeira edição desse livro foi lançada em 2003, com o título de "Sob a Luz dos Ensinamentos Bíblicos". Naquela época, eu frequentava muitos fóruns online e sempre pegava uma conversa triste, com algum usuário desabafando sobre algum problema. Em um determinado ponto, eu percebi que tinha passado por problemas semelhantes e comecei a entrar na conversa para estimular o outro a tentar superar isso. Em uma madrugada, decidi que queria deixar por escrito o que eu tinha passado e aprendido, para que pudesse servir a outras pessoas. Assim, em 2003, surgiu a primeira edição desse livro. O público é definido por qualquer pessoa que tenha interesse em ler um pouco sobre a fé de outra pessoa, seja religiosa ou não.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?Jornalista com formação em Comunicação Social, sou membro da Real Academia de Letras do Brasil, da Ordem da Confraria dos Poetas do Brasil, do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF e trabalhei como escriturário concursado no Banco do Brasil por um breve período de tempo. Blogueiro por paixão, já escrevi os títulos:
– Mangá Tropical – Um Estudo de Caso;
– Manual do Escritor Independente e Outros Textos;
– Sob a Luz dos Ensinamentos Bíblicos;
– Apocalipse: Brasília;
– Outros Papos e suas memórias;
– Joias de Brasília – Roteiros de Cinema da Capital;
– Amanhecer na Juventude e o Entardecer na Maturidade;
– Sete.
Além desses títulos, colaborei em mais de trinta antologias de diversos grupos e associações. Recebi por diversas vezes a comenda e o título do Prêmio Cultura Nacional, que é oferecido todo ano pela Real Academia de Letras do Brasil. Atualmente, escrevo textos para o blog Outros Papos.
http://www.outrospapos.com/.


O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?Ledo Ivo já havia dito, em entrevista para a Globo News, que um escritor que vendesse 3 mil exemplares seria um best-seller. Considerando-se o tamanho do Brasil, é muito frustrante. E isso é uma realidade para quase todos os autores, por isso, a vida de escritor no Brasil é árdua. Escrevo por amor, pela necessidade de externar meus pensamentos e para tentar alterar uma realidade, mínima que seja, com minhas palavras.


 Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?Fiquei sabendo da Scortecci cerca de uma década atrás, quando soube de diversas antologias que a editora lança para bienais e eventos. Participei, se não me falha a memória, em 2004, da antologia Livre Pensador. Gostei da qualidade do trabalho. No ano de 2014, decidi por editar um trabalho solo, então, comecei o projeto do livro "Fé de mais, ou fé de menos?" com a Scortecci.


O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?Sim. Muito do que escrevi, em 2003, está sendo confirmado por algumas pesquisas, então, o que está contido no livro possui fundamento. Por exemplo, o estudo de mestrado do doutor Ricardo Monezi que verificou, em cobaias, os benefícios da imposição de mãos. No livro, falo muito de oração. Entretanto, o livro não se reduz a um apanhado de artigos, ele fala de minha experiência de vida, da minha fé, de sentimentos como o de perdão e o amor, então, o livro merece ser lido por estas mensagens.

Para os meus leitores, eu deixo como mensagem que possamos crescer em fé, ciência e amor, pois a fé nos move, a ciência nos ilumina e o amor nos dignifica.

Obrigado pela sua participação.

Serviço:
Fé de Mais ou Fé de Menos?
Paraymun Radoesde Motrick
Scortecci Editora
Vida Cristã
ISBN 978-85-366-4045-7
Formato 14 x 21 cm
68 páginas
1ª edição - 2014




Aos meus caros amigos, eu venho informar que o blog terá atualizações normalmente, mas somente no fim de fevereiro, ou no período de março, pois estou com diversos afazeres e estou estudando algumas alterações que, com certeza, darão errado! Obrigado por continuarem visitando!