Pular para o conteúdo principal

Sou um verbete em dicionário!




Uma curiosidade sobre mim, que talvez vocês não saibam, é que eu sou um verbete em dicionário. Foi um trabalho realizado pelo nobre escritor Napoleão Valadares. Ele assim descreve, em uma introdução, a origem e finalidade deste trabalho:

 "AO LEITOR
A falta de uma obra de consulta sobre a literatura de Brasília vinha
dificultando as atividades de estudantes e pesquisadores. Daí, termo-nos
atirado à empreitada da elaboração deste dicionário, visando a oferecer aos
interessados um livro sobre o assunto.
Clemente Luz, que escreveu no período da construção de Brasília,
foi o primeiro a publicar crônicas em jornais na Cidade Livre, mas essas
crônicas só vieram a ser reunidas em livros muito depois: Invenção da cidade
em 1968 e Minivida em 1972. Também no início, José Marques da Silva
escreveu Diário de um candango, mas só publicou esse livro em 1963, no
Rio de Janeiro. Garcia de Paiva foi, conforme afirma Fábio Lucas, o primeiro
ficcionista a fazer de Brasília cenário de ação romanesca, com a novela
Luana, aqui escrita em 1960 e publicada em 1962, em São Paulo. De sorte
que a primeira obra literária editada na Nova Capital foi a antologia Poetas
de Brasília, 1962, Editora Dom Bosco, organizada por Joanyr de Oliveira.
Mas não vamos contar a história da literatura de Brasília. O nosso
objetivo não é esse, nem somos a pessoa mais indicada para fazê-lo. Que-
remos apenas entregar ao leitor um dicionário de escritores que residam
ou tenham residido nesta Capital e que aqui tenham desempenhado suas
atividades intelectuais.
Definir o que vem a ser escritor é algo difícil. Será escritor apenas
o que escreve literatura? Sê-lo-á também o que escreve sobre literatura? o
que escreve trabalhos técnicos? o que escreve um livro qualquer e o publi-
ca? o que bem escreve, mesmo não publicando? o que tem o dom e ainda
não escreveu? Como tivemos que adotar um critério quanto à inclusão dos
autores, optamos pelo de incluir os publicados em livro.
Não apresentamos biografias, mas sínteses biográficas, para ter-se
um perfil profissional e intelectual de cada autor, para ter-se uma informação,
ainda que elementar, sobre sua obra. Os verbetes mostram-se sucintos, sem
opinião pessoal, sem crítica. A nossa preocupação não é fornecer o maior
número possível de dados, mas apresentar dados precisos, tanto quanto pos-
sível.
Trabalhamos com a intenção de servir, com a intenção de passar às
os do estudante desarmado um instrumento de que se possa valer em sua
luta. Se este trabalho puder dar ao consulente uma ajuda, por pequena que
seja, estará cumprido o nosso propósito.
Napoleão Valadares"






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…