terça-feira, 31 de março de 2015

Seiken Tsukai no World Break 12 e o Espiritismo





As duas introduções são importantes para o entendimento desse texto, bem como explicações sobre o espiritismo, segundo a religião no Brasil. Série atualmente em exibição pelo Crunchyroll (CR). Imagens retiradas do site Anime Planet.


Sinopse da série, via CR: “Baseada na série de light novels Seiken Tsukai no World Break, de Akamitsu Awamura, a história se passa numa escola particular que reúne os "Salvadores" — estudantes que tem despertas as lembranças de suas vidas passadas em forma de Shirogane ou Kuroma. Shirogane usa armas adquiridas a partir do Puraana do próprio corpo para lutar contra inimigos, enquanto Kuroma usa magia de manipulação de Maana para banir os inimigos. Moroha Haimura acabou de se matricular na escola particular e é o primeiro Salvador da história a ter despertas as lembranças tanto de Shirogane quanto de Kuroma”.


Sinopse em especial do capítulo 12, via CR: “Moroha precisa enfrentar seu maior inimigo, o Ancient Dragon, que durante várias vidas passadas atacou as pessoas que Moroha mais amava”.


Essa série não entrou na minha lista de favoritos da temporada, mas esse último capítulo merece destaque. É uma série que não ficou muito bem trabalhada, pois a animação pareceu-me simples, alguns capítulos são muito fracos e algumas piadas são tão constrangedoras (como a cena da espiga de milho) que faria qualquer um desligar o computador, entretanto, existe uma mensagem poderosa nesse último capítulo. Vamos lá!



Reencarnação

O que me chamou a atenção nessa série é a premissa na qual os personagens conseguem se lembrar de suas vidas passadas, apontando para um foco espiritualista. A Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas determina a reencarnação como: “O processo pelo qual o espírito, estruturando um corpo físico, retorna, periodicamente, ao polissistema material. Esse processo tem como objetivo, ao propiciar vivência de conhecimentos, auxiliar o espírito reencarnante a evoluir”.


Dentro da estrutura do enredo, existe a possibilidade de se lembrar da última vida passada, e Moroha consegue se lembrar das duas últimas vidas passadas, sendo, então, apto a utilizar suas habilidades anteriores. Eu acredito que essa seria a melhor forma de reencarnar, pois aumenta as chances de uma melhor vivência e de uma maior e mais rápida evolução. Nesse ponto, o enredo pareceu-me dar um “up” no espiritismo.


O processo de reencarnação possui 4 elementos básicos e, ao entrar nesses pontos, entrarei também no enredo do capítulo 12, pois costurar os dois textos me parece adequado para o entendimento desse capítulo. O texto foi retirado da Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas, que será representada aqui pela sigla SBEE. Os 4 pontos estão presentes no processo reencarnatório de todos, segundo o SBEE.


Moroha- Fonte: Anime Planet




Missão

SBEE: “Missão é a situação na qual o espírito reencarnante aplica conhecimentos internalizados a favor de uma pessoa ou do grupo de sua convivência.” Nesse capítulo, vemos que existe um Dragão com ódio especial pelo Moroha e que, nas duas últimas reencarnações, matou pessoas que o Moroha amou.


Dentro da missão desses dois personagens, fica claro que o Dragão reencarna simbolizando o carma do ódio, enquanto o Moroha reencarna simbolizando o processo de evolução para a vencer o ódio. Nesse sentido, a missão de Moroha é ajudar a todos e compreender o sentido de sua vida, para conseguir completar sua missão.


 Carma

SBEE: “Carma ainda é um conceito útil dentro da concepção da Doutrina, desde que se esteja atento para o seu significado, diverso do de outras Doutrinas. Para o Espiritismo, carma caracteriza a situação na qual o espírito está enfrentando as conseqüências de atos seus que lhe provocaram um desequilíbrio muito intenso, tanto em qualidade como em quantidade, e que, pela sua intensidade, o espírito poderá levar toda uma encarnação, ou mais de uma, para recuperar seu equilíbrio.” A origem do ódio não fica clara, mas o Dragão simboliza o carma de Moroha também. Por duas vidas, Moroha tem perdido pessoas amadas, mortas pelo Dragão que reencarna assim que o Moroha reencarna também. A dor da perda é o desequilíbrio intenso vivido pelo personagem, sendo seu carma conduzido pelo Dragão. Ser perseguido pelo Dragão, por várias reencarnações, é a provação e o carma do Moroha.


Satsuki- a irmã. Anime Planet



Provação

SBEE: “Provação é a situação na qual o conhecimento em processo de acomodação e internalização deve ser vivenciado; é a situação na qual o espírito é desafiado ao limite de seu conhecimento”. Em um determinado momento do capítulo 12, o Dragão torna em pedra as duas pessoas mais importantes para o Moroha, que são sua esposa e sua irmã em reencarnações passadas. O processo de provação torna-se intenso, pois a dor de perder entes queridos é multiplicada ao se lembrar das mortes em vidas passadas. Essa provação e interiorização causam dor intensa no personagem e provoca o desequilíbrio cármico pela não aceitação de seus limites que o impedem de conseguir salvar a quem ele ama. Ele perde a habilidade de controlar seus poderes.


Nesse sentido, quando sua irmã e esposa tornam-se pedras, ele interioriza o ódio, tornando-se semelhante ao Dragão. Atacando o Dragão sem medir as consequências de seu ato. Ele coloca toda a cidade em risco, com a execução de uma magia que destruiria o Dragão e a cidade.


Urushibara- a esposa. Anime Planet



Expiação

SBEE: “Expiação não se refere à aplicação de conhecimento, mas, sim, a uma conseqüência de um conhecimento aplicado, que provocou conseqüências difíceis, desagradáveis, muitas vezes dolorosas, que o seu responsável deverá enfrentar.” Com esse ponto, podemos considerar que o Dragão é uma expiação do Moroha também. Talvez uma ação no passado tenha desencadado a fúria do Dragão. Entretanto, podemos observar que a expiação é a consequência esperada pelo Dragão. Ao perder o controle, Moroha pretendia aniquilar o Dragão, mesmo matando diversos inocentes no processo. Moroha estaria preso a um ciclo de reencarnação cármica se prosseguisse com sua conduta.

 

Capítulo 12

Até aquele ponto, Moroha estava conduzido ao processo cármico, pelo ódio. Ele perderia qualquer condição de ajuda. Estava em desequilíbrio. Nesse ponto, o enredo volta-se para sua mulher e irmã. Tornadas em pedra, elas recebem a visita de suas reencarnações anteriores, em um processo de autoconsciência e iluminação. Elas lembram-se de suas vidas passadas plenamente e o ciclo de carma parece se romper. Libertadas pelo próprio conhecimento, elas são capazes de resgatar Moroha. SBEE: “A pessoa em desequilíbrio estará sempre em recuperação tanto pela sua reação própria como pela ajuda de outras pessoas (curar, aliviar, consolar; conhecimento técnico, moral e afetivo). O que varia é apenas o tempo necessário para que o equilíbrio seja novamente retomado”.


Como o processo de desequilíbrio fora interrompido pela ação, intervenção, de sua esposa e irmã, Moroha consegue centralizar suas emoções e se controlar. Novamente equilibrado, ele encontra forças em suas vidas passadas. Ele une-se nessa reencarnação aos seus ciclos anteriores, fundindo sua existência em uma única linha reencarnatória, alcançando assim o Nirvana. Plenamente iluminado, com o apoio de sua irmã e esposa, Moroha consegue eliminar o Dragão. A esse processo dá-se o fim do carma e do sofrimento que ele carregava consigo.



Conclusão

A mensagem final é bem profunda, pois mostra o carma negativo, que conduziria Moroha a um processo de ódio e expiação, quebrado pela ajuda de seres iluminados (esposa e irmã) e pela condição própria de conhecer a sua vida, limite e passado. A iluminação que uniu os ciclos de vida, colaborando para o Nirvana, foi o caminho para a eliminação do Dragão, isto é, do ódio e do carma. Plenamente livre, Moroha e suas mulheres estão capazes de traçarem novos caminhos para reencarnações seguintes. Essa mensagem é realmente bela, quer você acredite ou não no espiritismo.  


Sobre o Nirvana:
Mundo estranho (Editora Abril): “Os budistas também acreditam que quando uma pessoa chega ao fim do samsara - existência cíclica de renascimentos e sofrimentos a que todos os seres estão sujeitos - ela alcança o nirvana.

Para chegar a esse estado de total paz interior, os praticantes da religião se dedicam à meditação e buscam seguir no dia-a-dia vários ensinamentos que se caracterizam pela correção do modo de vida, como ser ético, paciente e generoso”.