Pular para o conteúdo principal

Fé de mais, ou fé de menos?


Em 2003, lancei meu primeiro trabalho pela Thesaurus Editora. O título era Sob a Luz dos Ensinamentos Bíblicos, uma manifestação da minha fé em texto. O tempo foi passando e fui conhecendo teses e estudos científicos que foram reforçando as palavras deste livro e, portanto, fui reescrevendo o seu miolo. Atualmente, em suas páginas, podemos encontrar manifestações de fé embasadas em estudos, além de experiências próprias que foram renovando e amadurecendo a minha pessoa. Eu o lanço novamente, com outro título, na intenção de ajudar outras pessoas. É um livro que tem como objetivo ser uma fonte de reflexão sobre a vida, a bíblia e, acima de tudo, sobre a fé. Sobre a mudança de título, ele não poderia mais ser chamado da forma antiga, pois abraça outras fontes de fé além da bíblia. O título cacofônico é um trocadilho que sempre ouvia da minha avó. Ela sempre me falava isso com um sorriso no rosto, por isso, faço do título uma homenagem ao trocadilho cacofônico que minha avó sempre gostava. Em memória.

Patrick Raymundo de Moraes  - RP: 03241JP – DF - Jornalista formado em Comunicação Social, é membro da Real Academia de Letras do Brasil, da Ordem da Confraria dos Poetas do Brasil, do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF e trabalhou como escriturário concursado no Banco do Brasil por um breve período de tempo. Blogueiro por paixão, Patrick já escreveu os títulos:
– Mangá Tropical – Um Estudo de Caso;
– Manual do Escritor Independente e Outros Textos;
– Sob a Luz dos Ensinamentos Bíblicos;
– Apocalipse: Brasília;
– Outros Papos e suas memórias;
– Joias de Brasília – Roteiros de Cinema da Capital;
– Amanhecer na Juventude e o Entardecer na Maturidade;
– Sete.
Além desses títulos, colaborou em mais de trinta antologias de diversos grupos e associações. Recebeu por diversas vezes a comenda e o título do Prêmio Cultura Nacional, que é oferecido todo ano pela Real Academia de Letras do Brasil. Atualmente, escreve textos para o blog Outros Papos.

Serviço:
Fé de Mais ou Fé de Menos?
Paraymun Radoesde Motrick

Scortecci Editora
Vida Cristã
ISBN 978-85-366-4045-7
Formato 14 x 21 cm
68 páginas
1ª edição - 2014

Mais informações:
EM BREVE: Para comprar este livro verifique na Livraria e Loja Virtual Asabeça se a obra está disponível para comercialização.

Notícia no site Scortecci!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…