quarta-feira, 16 de julho de 2014

O Rei

Faz tempo que não coloco um poema gótico no blog. Vou matar a saudade com este pequeno poema que fiz após ver o ataque de um leão em um canal por assinatura. É meio pesado, então, leia com cuidado. Coloquei um vídeo complementar, mas de forma a retirar um pouco o peso das palavras do poema. Vocês irão entender, assim que o vídeo começar. 





Olhos vermelhos de ódio, fúria escarlate;
Vislumbram pela penumbra;
A vítima sequer sabe de seu abate;
Que a morte espreita em uma tundra.


A vida é frágil como vidro;
Esvai-se como álcool anidro;
Quando em fogo;
Desaparece rápido, logo.


O predador ataca sem pestanejar;
De sua vítima, o fôlego está a retirar;
Na selva esta é a lei;
Vence o sortudo, atento, forte e capaz: o Rei!