Pular para o conteúdo principal

Timor- Memórias De Um Soldado (Em Poesia)



Este livro foi publicado originalmente em 1987, sendo reeditado em 2012 pela Tipografia Lousanense (Portugal).  É um trabalho de um grande poeta chamado Antônio Neves Rodrigues. Neste livro, Antônio versa sobre sua experiência no serviço militar, quando o mesmo foi designado para uma missão em Timor Leste.


O livro é uma entidade multifacetada, ou seja, possui diversas faces, e todas estas faces nos apresentam ao escritor de maneira singela e inteligente. Quando descreve seu alistamento, em poesia, o livro nos traz belos versos, com rimas genuínas e verdadeiro sentimento. Podemos observar o amor à Pátria e cada passo dele como soldado.


“No dia 18 de Dezembro jurei bandeira
No campo do Beira-Mar
E prometi p’rá vida inteira
A Pátria defender e amar”


Cada experiência de Antônio aqui fica registrada em palavras, desde sua função como maqueiro a ajudar os doentes no hospital, como seu descontentamento com um superior, ou sua aflição ao ver a morte em um acidente de carro. Tudo datado de maneira honesta, com belos versos rimados. Por dois anos serviu no Timor Leste e transformou estas experiência em uma escrita maravilhosa. Ao seu regresso para Portugal, assim escreve:


“A viagem decorreu animada
E é razoável a alimentação
Porque além de variada
Temos fruta, vinho e pão.”

...

“Naveguei em três oceanos
Para meus pais abraçar
Depois de dois longos anos
Que tardavam em findar”.


Entretanto, não somente de versos o miolo do livro se faz. Como disse, o livro é multifacetado e ele nos apresenta uma face divertida com anedotas que o autor gosta. São piadas simples e com ótimo humor. Piadas de todos os tipos e gêneros. Lembrei-me de uma que minha avó sempre me contava e que achei semelhante no livro. A sensação de saudade bateu-me.


“O doutor ausculta o doente
Diga trinta e três, três vezes
--- Noventa e nove”


Além de piadas e anedotas, o livro nos traz provérbios e lendas de Timor Leste. Em contos curtos, o autor nos faz entrar na cultura do país ao retratar suas lendas, como em “As imagens ocultas de Laline” e seu “missionário de superstições”. 

Olá! Eu sou uma G 3!



Encantei-me com a história fictícia  na qual ele conversa com um rifle de assalto “G 3”, como se o mesmo fosse uma senhora gentil, mas meio maluca: “Nessa altura apareceu o homem dela. Era um rapagão simpático e desenvolto. Deitou-lhe as mãos com ternura, encostou-a ao peito, saltou para o jipão e lá foram sabe Deus para onde... Estas ‘G 3’ são umas malucas: não querem senão andar metidas com a tropa!" (Entrevista com uma G 3) Isso me lembrou diversos animês como La Espada Sagrada, que transformam armas em lindas garotas. Prova que o poeta possui um espírito jovem e criativo.






O livro é uma agradável leitura e torço para que o poeta Antônio Neves possa novamente disponibilizar este livro para a venda, pois merece ser lido por muitos. Veja La Espada Sagrada em português (legendado) via Crunchyroll- clique.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…