Pular para o conteúdo principal

Símbolos, os Animês e Mangás

Como Compreender Símbolos




Este é um guia rápido da Editora Senac, de São Paulo, sobre a simbologia nas artes, escrito por Clare Gibson, que é especialista na área. Comprei este livro, pois ele contêm explicações para diversos simbolismos que vemos em animações japonesas e nos quadrinhos também, além de outros símbolos de diferentes culturas. Segundo a sinopse:

O essencial para desvendar imagens e sinais na arte, em um livro pequeno no formato e amplo no conteúdo:
- A linguagem do simbolismo: as pistas e mensagens que artistas e anônimos, desde os tempos remotos, codificaram em seu trabalho.
- Os tipos de símbolos: os sagrados, os pertencentes a um sistema específico, os indicadores de uma identidade e os alegóricos.
- As diferenças e as semelhanças: comparações reveladoras entre símbolos de culturas e povos de todas as partes do mundo. (Site da Saraiva)

O livro explica os simbolismos e eu os inseri dentro do contexto com exemplos advindos de um animê e de um mangá, mas antes de entrar no conteúdo do livro, uma pequena explicação sobre símbolos. Segundo António Fidalgo- Semiótica Geral (1999: 18), “Símbolos são signos em que, não havendo uma relação de semelhança ou de contiguidade, há uma relação convencional entre representante e representado. Os emblemas, as insígnias, os estigmas são símbolos. A relação simbólica é intencional, isto é, o simbolizado é uma classe de objetos definida por propriedades idênticas”.  Em outras palavras, é um jogo de significados. Um autor projeta um símbolo cultural, em um personagem, e incorpora ao mesmo a definição que tal símbolo traz consigo. Um exemplo prático: ao desenhar uma policial, usando-se do símbolo da polícia, o autor dá a personagem todo o significado que aquela entidade possui. Ela coloca na personagem o significado do que venha a ser uma policial, através dos símbolos que representem a entidade na sociedade.

You're Under Arrest


Isso pode ficar muito complexo, quando o autor usar símbolos milenares em suas obras. Em se tratando de animês, isso é frequente, então, a leitura deste guia prático é importante para desvendar o que o autor deixou subentendido através de algum símbolo que o personagem venha a ter. Vou explicar com dois quadros. Cliquem para ampliar e desculpem a qualidade, fiz no paint, no sábado à noite. E domingo apliquei alguns efeitos na imagem, com um programa gratuito. Desculpem!


A arma usada por Shurato, na verdade, segundo o livro, é um Varja que simboliza as qualidades de suprema autoridade, irredutibilidade e iluminação da lei budista. Como devem lembrar, Shurato representava tudo isso. É o símbolo religioso determinando significados para o personagem. Ao compreender o significado do símbolo, fica evidente todos os demais aspectos relacionados ao "Poder de Shuuraaaaa!"


Shurato e "Como Compreender Símbolos"- pg 111




Até mesmo um simples ideograma é fonte de um significado poderoso. Como sabem, ao atacar, ou defender-se, o Cavaleiro de Ouro de Virgem (Lost Canvas) evoca o poder de um simples ideograma que verbalizado determina o som de "OHM". Um som que, segundo Clare Gibson, possui ressonância divina nas tradições sagradas da Índia e representa os poderes combinados de Brahma (criação), Vishnu (preservação) e Shiva (destruição).  



Capa de Lost Canvas 8 e "Como Compreender Símbolos"- pg 123




O conhecimento do significados destes símbolos é importante para ampliar nossos horizontes e nos fazer entender melhor o que está acontecendo, ou seja, o que o autor, em seu enredo, tenta transmitir com o uso destes signos, destes símbolos. Ao saber o que eles significam, tenho certeza, a história melhora, o interesse aumenta e o poder da cultura é entendido em sua totalidade. Vai dizer que, agora que conhece o significado de "OHM" (Lost Canvas), o impacto deste golpe não aumenta? Claro que sim! 




Se quiser ter este maravilhoso guia, encontre-o aqui (clique para ir até a Saraiva)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…