Pular para o conteúdo principal

II Bienal Brasil do Livro e da Leitura


 Aconteceu em Brasília, entre os dias 11 a 21 de abril de 2014, a segunda edição da Bienal Brasil do Livro e da Leitura. O evento foi sediado no gramado central da Esplanada dos Ministérios. O primeiro evento obteve uma visitação de 250 mil leitores e venda de 300 mil publicações. Já foi noticiado que o evento, até sexta-feira 18, já havia marcado a presença de 110 mil visitantes.




Como todo grande evento, a Bienal não fugiu do estigma de ser comparada às suas irmãs, como a Bienal do Livro de São Paulo e a do Rio de Janeiro. Com um espírito parecido, decidi verificar três aspectos desta bienal: Programação, Estrutura e Visitação.


A Programação:


Este segundo evento não deixou nada a dever, em relação às suas irmãs, neste quesito. A programação foi bastante diversificada e, posso dizer, equilibrada. O que eu entendo por equilíbrio é um evento que possa discutir elementos adultos, como na palestra “Os conflitos políticos, as guerras e a intolerância religiosa”, mas, também, possa entreter os jovens como no espaço Teatro de Estórias para Jovens. O equilíbrio é a união entre o tema maduro e o tema jovial, com espaço para ambos. Muitas crianças visitaram o evento com os pais.





Na questão musical, o evento também foi diversificado. A abertura do evento foi de responsabilidade da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional (11/04/2014 às 22h00), mas também contou com Plebe Rude, Quarteto em CY e Edu Lobo. Música de variados estilos abrilhantaram o evento, mostrando, também, sua qualidade.


Os temas dos debates foram bem polêmicos, ora voltados para a produção literária e a internet, ora voltados para a ditadura, mas sempre trazidos ao público com informações atuais e relevantes. Vários convidados internacionais, e vários lançamento de livros, com muitos autores de Brasília, provaram que a produção cultural da capital é grande e o interesse pela leitura é permanente. Com isso, acredito que esta bienal não tenha ficado devendo nada aos outros eventos de outras capitais.


Eduardo Galeano



A Estrutura:


A palavra que pode definir a estrutura do evento é: Improviso. Como já escrevi, o evento se deu na área verde da Esplanada dos Ministérios, então, toda a estrutura de palcos, banheiros, estandes, enfim, tudo teve que ser montado do zero. A arquitetura estava bela, como se vê no vídeo ao fim do texto, mas carecia de melhor infraestrutura. Isso causou muitos desconfortos que explico à seguir.


O estacionamento foi feito em um terreno lateral ao espaço da bienal. Um terreno de grama, que se foi com a roda dos carros, e terra. Quem estacionava nos ministérios teria uma caminhada mais longa. Decidi parar no estacionamento de um dos ministérios e andar um pouco mais, do que deixar o carro em chão de solo batido. Imaginem, então, como ficou o evento, em dias de trabalho, com os estacionamentos lotados.





Como a imagem mostra, o chão foi feito de madeira e não estava todo nivelado. conseguia andar e sentir ondulações no chão e eu andei por toda a bienal sentindo o desnível do piso, bem como tropecei três ou quatro vezes. Espero que se possa notar na foto a diferença de nível nesta passarela, e que define bem a sensação de se andar por lá.





Além disso, os banheiros usados na bienal eram banheiro químicos. Cada unidade colada à unidade vizinha. Se vocês achavam, meus leitores, desconfortáveis os banheiros do Anime Friends, posso afirmar que aqui a coisa não estava diferente.





Todos estes problemas seriam resolvidos se houvesse um lugar fixo, um centro de convenções, que pudesse abraçar este evento e dar-lhe as condições que lhe fossem dignas. Afinal, é um evento literário e, portanto, deveria ser preenchido de toda a honra possível.



A Visitação:


Fui ao evento tirar fotos no dia 19/04, ou seja, entre a Sexta-Feira da Paixão e a Páscoa, para ver se a bienal estava atraindo público. Pela experiência que pretendi mostrar com as fotos, posso dizer que sim. O evento estava lotado. Isso foi confirmado pela EBC. Na matéria de Carolina Gonçalves, em 17/04, a informação de que o evento já havia atraído 110 mil pessoas foi veiculada. Na data de ontem (21/04/2014) o Correio informou os números finais de público. Foram 200 mil pessoas visitando o evento. Um pouco menos que a anterior, mas, ainda assim, muito forte e digna de suas irmãs.






Conclusão:



O evento é um brilho da literatura em nosso céu candango e não deixou nada a desejar, nos quesitos Programação e Visitação, à Bienal de SP e RJ, entretanto, deveria ter um centro de convenções que melhor o abrigasse e evitasse o desconforto. Também senti falta de muitas grandes editoras e de editoras tradicionais do DF que não compareceram. Se valeu a visita? Claro que sim! E espero pela próxima bienal, torcendo para que ela melhore sempre. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…