segunda-feira, 28 de abril de 2014

Capitães da Areia



Para se entender o contexto do texto de amanhã, a recomendação de leitura de hoje é de um livro conhecido de todos. Também é essencial para entender o problema da exclusão que nos afeta hoje em dia. Se ainda não leu, eu quero recomendar este livro. A sinopse da Livraria Saraiva não poderia ser melhor: “Capitães da Areia, a história crua e comovente de meninos pobres que moram num trapiche em Salvador e clássico absoluto dos livros sobre a infância abandonada, assombrou e encantou várias gerações de leitores e permanece hoje tão atual quanto na época em que foi escrito”.




O problema da criança abandonada é o centro deste livro. Escrito em 1937, por Jorge Amado, ele nos traz crianças que anseiam pela família, por um lar, pela amizade e pela sobrevivência em uma sociedade que não lhes quer, que as abandonou. Uma sociedade que fecha os olhos para este problema e finge não saber de nada, até que a violência lhe bata a porta. Um problema social ainda não debelado. Acusado por nichos da sociedade, mas que parece um problema longe de solução.


A Unicef já deixou registrado em seu site: “as crianças são especialmente vulneráveis às violações de direitos, à pobreza e à iniquidade no País. Por exemplo, 29% da população vive em famílias pobres, mas, entre as crianças, esse número chega a 45,6%. As crianças negras, por exemplo, têm quase 70% mais chance de viver na pobreza do que as brancas; o mesmo pode ser observado para as crianças que vivem em áreas rurais. Na região do Semiárido, onde vivem 13 milhões de crianças, mais de 70% das crianças e dos adolescentes são classificados como pobres. Essas iniquidades são o maior obstáculo para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) por parte do País.



Capitães da Areia, então, é uma denúncia atual. E porque esse livro será importante para o texto de amanhã? Porque a análise de amanhã depende do conhecimento que vocês tem do livro, para poderem visualizar mentalmente toda a problemática que vou apresentar. Se conhecerem este livro, entenderão melhor o contexto de amanhã, pois uma comparação se faz necessária.