Pular para o conteúdo principal

Curso Para Escritores

O processo autodidata

Desanuviou-se a questão principal que necessitava responder. Graciliano Ramos obteve inspiração e influência em diversos setores de sua vida, não sendo um ser solitário, mas uma peça em um conjunto histórico e social brasileiro. Agora a questão é outra e estou apreensivo, pois, se eu responder, vou parecer querer ser dono da verdade. Faço-o com temores e ressalvas de ser mal compreendido. Estes temores me fazem parar aqui. Não continuarei após estas linhas.  


Essa questão foi levantada, pois, para ele, autores não necessitariam de uma sala de aula, citando exemplos de Graciliano Ramos e Monteiro Lobato. A questão envolve o processo de autodidatismo.


 Diz-se de ou pessoa que foi instruída por si mesma; que ou quem não teve a ajuda de um mentor. (Dicionário Online)


Eu não costumo acreditar em um processo autodidata puro, porque o conhecimento tem sempre que partir de um ponto, seja de um livro ou de um mentor, para se chegar ao sujeito que o está querendo aprender. Diz-se de alguém autodidata que ele não frequenta uma sala de aula, mas o autodidata possui professores, bem como uma sala de aula também. Para que eles aprendam, existe a necessidade da busca pela informação e a descoberta desta informação através das palavras de outrem. Este outrem torna-se seu professor. Sua sala de aula, mesmo não sendo aquela definição clássica, ainda existe, seja ela a biblioteca de Jerônimo Barreto (texto abaixo) ou a vida.  Para cada aprendizado existe um professor e uma sala de aula (ambiente).


Então, existe o indivíduo que não teve ajuda de um mentor? Não. Existe uma pessoa que é instruída por si mesma? Sim, todos nós. Somente com nossa anuência é que assimilamos informação. O processo autodidata torna-se, assim, nebuloso, porque sempre existirá um mentor e todos nós somos capazes de aprender, segundo nossa constituição física e psicológica.


Então, porque a resistência em acreditar que um ensino para autores funcione? Existiria alguma diferença? Nenhuma! Acredito que ambas funcionem, e o grau de eficiência dependerá de o quanto o estudante estará disposto a aprender segundo seu esforço. Eu acredito que a mente brilhante necessite apenas despertar, não importando qual processo de despertar seja usado. O processo de aprendizado vai de acordo com o estudante e o despertar vem com a informação.


Graciliano Ramos teve grandes professores que falavam com ele através das linhas de seus livros, como Eça de Queiroz. Considerando-o como um ser incluído em uma sociedade, a mesma o formou, sendo sua professora e sua sala de aula. Não são imagens clássicas de "professor" e "sala de aula", mas servem ao propósito educacional como as imagens referidas aqui. 


Já outros escritores formaram-se em salas de aula convencionais e são grandes romancistas. Acredito que o aprendizado em sala contribuiu para o sucesso de muitos. Cito aqui apenas três autores que tenho certeza que a formação acadêmica contribuiu para se sucesso:  Stephen King estudou Letras e Inglês, formando-se em 1970. Alexandre de Moraes é escritor especializado em livros jurídicos. Seu aprendizado foi clássico, em sala de aula, e ele tornou-se um verdadeiro ícone dos estudos jurídicos no país e um escritor renomado. Assim como Sônia Bibe Luyten que nos iluminou com textos brilhantes em Comunicação Social. Podem não ser todos romancistas, mas são escritores.



A escrita é um ofício como outro qualquer e necessita de conhecimento. Não importa de onde vem este conhecimento, mas ele há de existir para que o ofício seja realizado da melhor maneira possível. A sala de aula é uma questão relativa, o aprendizado é uma questão subjetiva, e acredito que estes cursos possam formar ótimos escritores ao despertar o interesse, aguçar a curiosidade e instruir.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…