Pular para o conteúdo principal

Feira do Livro de Brasília



Está acontecendo, no Complexo Cultural da República (Biblioteca Nacional), até o dia 1º de dezembro, a 31ª Feira do Livro de Brasília. Ao lado da recente Bienal do Livro de Brasília, que ocorreu ano passado, forma uma frente literária importante para a nossa cidade. O evento, este ano, conta com R$ 1,3 milhão de investimento do GDF, valor maior que o destinado para a feira em 2011.


“Investir na formação de cidadãos leitores como estratégia de transformação representa investir no patrimônio mais importante de uma nação, seu capital humano. Nesse sentido, a Feira do Livro de Brasília, que ao longo dos últimos 30 anos agrega e valoriza várias formas de expressões e saberes, indo do oral ao escrito, do popular ao erudito e de Brasília para o Brasil se justifica como espaço privilegiado para a realização de investimento tão necessário”. (Site do evento)


O espírito desta celebração à leitura é abraçado por todas as editoras ali presentes, bem como pelas entidades participativas e representantes de classe. Uma feira para o estímulo da leitura e da paixão pelo livro, que forma o cidadão do presente e do futuro, é simbolizada por diversos lançamentos. Para a reflexão sobre a história, para bem defender o futuro, temos como representante o livro “As Duas Guerras de Vlado Herzog-Da Perseguição Nazista na Europa à Morte Sob Tortura no Brasil” (Civilização Brasileira). Este livro em questão foi o vencedor do Prêmio Jabuti 2013, e será autografado no evento.


A conscientização é fruto do estudo e celebra a formação do cidadão de maneira a investir no capital humano. Com este pensamento, a escritora Gacy Simas lança seu livro em formato de DVD, formando o jovem leitor e informando sobre a necessidade da preservação ambiental. O livro traz a história em slide e arquivo de jogos para os jovens.

O Monstro do Mar de autoria de Gacy Simas



A fase atual é de investigação e debate, por isso, a feira reúne dois trabalhos interessantes sobre estes temas. O primeiro, segundo o próprio site, é “Vicente Vilardaga (DF) – autor de “À Queima-Roupa – o Caso Pimenta Neves”, que trabalhou com os dois protagonistas na Gazeta Mercantil e acompanhou de perto essa história. Vilardaga também entrevistou o assassino com exclusividade – participará no sábado (30), das 17h30 às 18h30, com Maria Stela Grossi Porto(DF – autora do livro Sociologia da Violência: do conceito às representações sociais), da mesa sobre Literatura policial”. Já o segundo é um debate sobre biografias:


“Na quarta-feira (27), das 19h às 20h30, será realizado o primeiro bate-papo sobre BIOGRAFIAS E DIREITOS AUTORAIS, com a filha de João Cabral de Melo Neto, Inez Cabral de Melo, e Toninho Vaz (Biógrafo dos Poetas Paulo Leminski e Torquato Neto)”.


Para quem gosta de futebol, a feira nos presenteará com a presença do jornalista Juca Kfouri e Afonso Oliveira de Almeida. Segundo o release do evento: “Na sexta-feira (29), da 19h às 20h, pela programação Literatura e Pensamento, teremos Literatura e futebol, o esporte mais amado do Brasil como motor da ficção, com Juca Kfouri (SP- autor de “Porque não desisto- Futebol, Poder e Política) e Afonso Oliveira de Almeida (DF) – autor de “A Copa do mundo é nossa ficção”.


Eu também participo do evento com dois trabalhos bem conhecidos. O “Papos que Ficaram na Memória”, ed. Litteris, que versa sobre os melhores papos deste humilde e pequeno blog, bem como, “Mangá Tropical- Um Estudo de Caso”, ed. Perse, que pesquisa e analisa a influência do tema japonês (narrativa e argumentação) dos mangás em nossos autores, para responder a uma pergunta polêmica: No Brasil fazemos mangá? Minha participação está no estande do Sindicato de Escritores do DF (Sindescritores), ao lado do estande da editora Vozes.  Também fico orgulhoso, pois o Dicionário de Escritores do DF, realizado pelo autor Napoleão Valadares, em exibição no estande da ANE, possui minha participação também. Uma grande honra para mim!

Eu e a autora Gacy Simas


  SERVIÇO

31ª Feira do Livro de Brasília

Data: 23 a 01 de dezembro

Abertura oficial: 23 de novembro (sábado), às 17h.

Horário de visitação: 10h às 22h

Local: Biblioteca Nacional de Brasília, Complexo Cultural da República.

Mais informações: www.feiradolivrodebrasilia2013.com.br

O Comitê Organizador da 31ª edição da Feira do Livro de Brasília se coloca à disposição para prestar os esclarecimentos que se façam necessários ao bom andamento de nossa parceria.

Ivan Valério,
Diretor Presidente

Telefone
(61) – 9988-2285

CÂMARA DO LIVRO DO DISTRITO FEDERAL
SIG. Quadra 08, Lote 2356, sala 301
(61) 3028-1054



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…