Pular para o conteúdo principal

Dragon Ball Z: Battle of Gods


 Dragon Ball Z: Battle of Gods



    Sinopse: Alguns anos após a batalha de Majin Buu, os deuses da criação, Wiss, e da destruição, Bills, se reúnem para buscar um equilíbrio no universo. Ao acordar de um longo período de sono e descobrir que o lorde galático Frieza foi derrotado por Son Goku, Bills desafia o Super Sayajin, que termina sendo facilmente derrotado. Cabe agora aos heróis descobrir uma maneira de parar o deus da destruição. Com argumento original do criador de Dragon Ball Z, Akira Toriyama, A batalha dos deuses é o primeiro longa-metragem da série em 17 anos e o primeiro filme (Retirado do site Ingresso). 

    O filme é uma grande homenagem ao universo de Dragon Ball. Akira Toriyama inseriu, neste filme, todas as características que fizeram dele um mestre do mangá, ou seja, humor, ação, conduta moral e enredo equilibrado. Inseriu características e elementos tanto de Dragon Ball, quanto de Dragon Ball Z, por isso, o tom do filme assemelha-se mais ao do início da saga, afinal, trata-se de um prelúdio para algo maior. Embora haja essa necessidade de contar o prelúdio, isso não deixa de lado as grandes batalhas que fizeram a fama da fase Z. Toriyama, então, conduz este filme com as tonalidades certas, brinca com o humor de sempre, e quebra paradigmas.


    Um dos principais paradigmas da série, principalmente da série Z, é o orgulho saiyajin. Neste filme, ele é retratado de uma forma diferente e esta diferença de tratamento, para este paradigma, insere na trama infinitas possibilidades e diversos novos caminhos. Existem outros dois paradigmas que foram quebrados, mas inserir análises sobre eles deixaria esta resenha imprópria para aqueles que almejam assistir, por isso, paro por aqui.


    O humor da série permanece sutil, simples e ingênuo. Talvez o grande erro deste filme foi ter errado em algumas piadas, que tornaram este filme mais infantil que os demais. Isso pode desagradar aos fãs da série, acostumados com a tensão de batalhas gigantescas que definiriam destinos de planetas e universos, mas não esqueçam que Dragon Ball sempre possuiu este tom ingênuo das piadas do mestre Akira. Aliás, estas piadas sempre estiveram presentes, basta ver o Sr. Satã na saga Cell e, mais adiante, na saga Majin Boo.


    O erro foi a edição do filme ter sido feita de forma a deixar o filme mais arrastado. Sobre a dublagem, ela continua sendo uma das melhores formas de acompanhar esta série e este filme. Uma qualidade muito boa, com boa tradução e ótimas atuações. Os personagens principais continuam com excelente tratamento e isso faz a diferença para a versão lançada no Brasil. Mais adiante, eu farei uma análise mais profunda sobre o filme.



Cotação: 3 Esferas do Dragão, pois é divertido, humano, abre novos caminhos para a série e possui todos os elementos clássicos, sendo que alguns foram revistos.  




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…