sábado, 4 de fevereiro de 2012

Poema: Espada e Integridade





Homem íntegro que com sua espada avança,

Inquieto coração que pulsa por justiça.

Momentos, segundos, tornam-se eternos,

Uma eterna luta consigo mesmo,

Rasgando a brutalidade com lampejos do metal de sua espada,

A espada que outrora matava, agora resgata!



Katana com fio invertido, lâmina incapaz de matar,

Estado de espírito com belo lema,

Na justiça desta espada há de se confiar,

Sempre protegendo os que sua vista alcança,

Homem íntegro que com sua espada avança,

Inquieto coração que pulsa por justiça,

Nesta justiça podemos confiar!





COTIDIANO



Já fazia algum tempo que não construía um acróstico e já faz algum tempo que não faço isso inspirado em um personagem de animê e mangá. Este personagem tem uma lição muito forte, uma crítica social ácida, um lema que promove realmente mudanças e um passado muito bem construído. O lema dele só perde para o lema de outro assassino: Aku Soku Zan (O Mal Imediatamente Eliminado).



Semana que vem vai ter menos animês no blog. Vou me concentrar em outros tipos de textos. Dos 15 textos mais lidos do blog, de todos os tempos, apenas 2 eram, ou citavam, animês e mangás. Então, semana que vem vai ter crítica a livro, reflexões, quadrinho (comipo) e poema. Então, esse poema é uma despedida. Quem sabe, após duas semanas,  se houver algo interessante, eu volte a falar do tema!

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Brave 10- análise dos 4 primeiros capítulos

Brave 10



Análise dos 4 primeiros episódios






Entendendo o enredo e corrigindo algumas informações



     Antes de iniciar, vamos a uma pequena explicação de termos. Segundo o pessoal do Nipop, shounen “é o nome dado às séries de mangás/animes com temáticas voltadas ao público jovem masculino. Geralmente são histórias cheias de ação, com lutas, esportes e coisas do tipo”. Já Seinen, segundo a Wikipedia, “significa "homem jovem" no Japão, é a definição dada aos mangás e animês voltados para o público masculino entre os 20 a 40 anos”.  Uma diferença entre estes gêneros é que o Seinen utiliza-se de uma linguagem universitária em seus diálogos, enquanto o shounen usa uma linguagem mais simples. Segundo a Wikipedfia, outra diferença “está nos temas e no conteúdo maduro. Algumas histórias de Seinen possuem personagens em idade típica de Shonen, como personagens em idade escolar, mas os temas são mais maduros, geralmente contendo sexo e violência, que não são adequados em revistas infanto-juvenis”. Alguns sites creditam que Brave 10 seria um shounen, mas ele é um seinen.



A História:



    O seinen é baseado no mangá de Kairi Shimotsuki e conta a história da sacerdotisa Isanami que tem seu templo, em Izumo, destruído por causa de uma pérola que dizem ter o poder dos deuses (Kushimitama). O xogum Ieyasu Tokugawa deseja esta pérola para si. Ela foi instruída por um monge a procurar abrigo no castelo do senhor feudal Yukimura Sanada. Isanami acaba conhecendo o ninja sem mestre Saizou Kirigakure enquanto fugia para sobreviver. Sanada vê nisso a chance de juntar 10 bravos guerreiros para poder mudar a história.





O animê- o que é bom, regular e ruim.



    BOM: A animação tem um traço atraente, com cores fortes e cenários bem elaborados. A animação de movimentos é muito boa, dando às sequências de lutas o impacto visual que devem ter. As cenas de luta lembram muitos games de ninjas, com espetaculares golpes ao estilo Samurai Spirits. A escolha pelos trajes usados é interessante, pois mistura trajes de época com roupas mais modernas. Isso serviu até para um momento cômico, quando Kakei critica as roupas de Isanami, não considerando-as adequadas a uma sacerdotisa. Ela simplesmente o ignora. A dublagem de todos os personagens está bem feita, com exceção da voz do sádico Yuri.



    REGULAR: Já a música de abertura (Shōryō Hirai" (精霊飛来) de Daisuke Ono e Tetsuya Kakihara) quase chegou lá, não sendo uma escolha adequada. Se fosse um chute a gol, eu diria que o chute bateu na trave e no goleiro, mas não entrou! Foi quase bem sucedida.



     RUIM: Yuri que me dá nos nervos. A voz é distorcida. É irritante ouvir. Ele é uma mistura inadequada de Akabane (Get Backers) com o Shun (Cavaleiros). É um personagem que eu não sei para onde vai.  



Enredo



    É um seinen muito interessante. Ele mistura fatos que realmente aconteceram, isto é, fatos históricos, com a magia que um mangá deve ter. Algo que já aconteceu com Samurai X e Basilisk. Samurai X fez uma grande aula de história, nos contando elementos históricos do passado japonês e uma crítica social interessante. Espero algo semelhante para este animê.


    O enredo ainda nos leva a uma situação que não vemos muito hoje em dia: a donzela em perigo e o cavaleiro (mesmo que relutante) a salvá-la. Também conseguimos notar neste animê a luta entre os clãs de ninjas de Iga e Kouga (coisa que vimos bastante, e foi muito bem explicado, em Basilisk). Isanami parece ser inspirada na deusa Izanami e, como possui o poder dos deuses através da pedra Kushimitama, pode servir de peça interessante para o desenrolar da trama. Aliás, Isanami é uma personagem meio deslocada. Ela gruda no Saizou mais que velcro em tecido. Espero que expliquem melhor essa sensação que ela sente ao estar perto do ninja.




[caption id="attachment_501" align="aligncenter" width="300" caption="Cena de Brave 10- Isanami"]Isanami prestes a revelar um segredo de sua personalidade[/caption]


Por enquanto, Brave 10 é um seinen que vou continuar assistindo e ver aonde o enredo vai parar. Até agora, nota 7,5 para o animê.







quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Conheçam a ABRACE

Quando o Caridade Ágape nasceu, eu tive a intenção de divulgar informações que pudessem ajudar organizações sem fins lucrativos. Usando este espaço para informar. Este ano, somei o Caridade Ágape ao Outros Papos e tornei tudo um blog só. Fica melhor para organizar e posso somar tudo em uma única conta, com um único link.

 


Conheçam a ABRACE:



Quem é a Abrace: "em 1986, um grupo de pais, cujos filhos faziam tratamento de câncer no Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF), se uniu para ajudar outros pais de crianças que estavam passando pelas mesmas dificuldades com um agravante: a exclusão social que lhes roubava a esperança de combater a doença. Assim nasceu a Abrace, Associação Brasileira de Assistência às Famílias de Crianças Portadora de Câncer e Hemopatias. Instituição filantrópica, declarada de Utilidade Pública, a Abrace, por meio do reconhecimento e do apoio da comunidade, tem conseguido cumprir seu principal objetivo: garantir o tratamento e os subsídios necessários para as crianças e adolescentes com câncer e hemopatias, visando a cura e a qualidade de vida desses pacientes"

 

A ABRACE inaugurou recentemente o Hospital da Criança de Brasília e deixo aqui o link para conhecerem esta obra que está beneficiando inúmeras crianças da capital que não tinham recursos e, nem mesmo, um hospital especializado para se tratarem. É muito interessante que as pessoas possam conhecer este projeto e ajudar no que for preciso e como puderem!

 

A Abrace em números: “em 2011, foram 3.046 atendimentos e 161 novos cadastros, além de 268 visitas e 18 eventos, dentre eles o Projeto Encontro, a festa de Dia das Crianças, de Natal e passeios. 23.210 auxílios foram concedidos às famílias assistidas pela Abrace, como cestas básicas, óculos, medicamentos, exames complexos, hospedagem e transporte. No consultório odontológico foram 187 familiares atendidos, o que gerou 964 atendimentos entre consultas e procedimentos.”

 

ABRACE (Clique aqui para conhecer melhor)!

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Poema: Vai-te ver o mundo!

Vai ver o mundo,

Percorre o mundo,

Mundo belo, cheio de riquezas,

Mundo contemporâneo inspirador da arte!

 

Vai ver o mundo,

Respira estes ares,

Respira a arte, as paisagens, os livros.

Deste mundo belo!

 

Vai ver o mundo,

Não te acanhe, pois o mundo te convida,

Vai conhecê-lo: países, culturas, inspirações e amores.

Amores, sabores, cores, flores.

 

Vai ver o mundo,

Como belo Deus o criou,

Cuidado com o que a Humanidade faz,

mas vai ver o mundo sem receio!

 

Mundo de praias, cidades, igrejas, arte, sabores...

Mundo maravilhoso!

 







 

COTIDIANO

 

Sempre fui muito retraído e tímido. Na minha juventude, passei horas no fliperama, ou no quarto lendo quadrinhos. Ainda fazia esportes, como judô, Kung-Fu e musculação, porém sempre fui uma pessoa solitária. Minha paixão era viajar e conhecer praias novas. E conheci um monte de praias lindas! Desde o ano de 2009 que eu não viajo por diversão. Acordei, hoje, querendo viajar hehehe! Por isso, vai um conselho de um amigo viajado, vai tirar férias. Viaje com a família para conhecer novos lugares, novas comidas e novas sensações. Isso é tão bom!

domingo, 29 de janeiro de 2012

Heróis

Heróis


 




    Depois de traçar, rapidamente, elementos em animês de horror, elementos da cultura japonesa e religiosidade (com especial atenção ao cristianismo), agora vou inserir noções sobre a construção de heróis em animês. Sim, uso noções porque acredito que não cabe a um blog escrever teses completas. Blogs são para leitura rápida. Se um texto excede 3 páginas já não atrai a atenção dos visitantes que buscam informação rápida e concisa. Ao escrever sobre a crise do mercado de animês e mangás recebi um comentário no blog de uma pessoa que não o leu e se achou no direito de ofender. Acredito que se o texto possuir mais de três páginas, muitas pessoas simplesmente vão atrás de outro blog com informações mais resumidas.


 


    Um enredo de ação deve possuir um herói que guie a ação e seja responsável pelo desenrolar da narrativa com suas ações e diálogos. A figura do herói pode ser substituída pela figura do anti-herói ou do vilão. Exemplos de enredos, em comédia, que substituem os heróis pelos vilões: Megamente e Meu Malvado Favorito. Eles começam como vilões e vão sendo humanizados aos poucos, até que no final eles se tornam o protótipo do herói. Também existem histórias que se voltam aos vilões de maneira a não descaracterizar o personagem, como em Thor e Loki: Blood Brothers, entretanto, em vias de regra, heróis sempre vão conduzir a história e eles podem ser dos seguintes tipos:


 


Idealistas: Possui um bom coração e o poder de mudar as situações. Idealistas não precisam de uma motivação maior para entrar em ação, pois eles simplesmente agem porque é o certo. Deste tipo temos, no ocidente, o Super-Homem. Não há nele um trauma que o motiva, mas uma ideia de que o homem pode evoluir e ele será o guardião da humanidade até não ser mais necessário. O Batman até o chama de “escoteiro” por causa desse tipo de conduta. Na Ásia temos Astro Boy. Os Cavaleiros do Zodíaco possuem um ideal também, que é o de proteger Athena e o Santuário. Embora alguns comecem como o tipo vingador, ou meramente profissional (veja abaixo), todos acabam aceitando um ideal movido pela Saori/Sasha e começam a agir porque é o certo.


 


Vingadores: estes só se mexeram porque foram provocados a isso por um trauma. São os tipos mais comuns. Como Peter Parker que teve o tio assassinado durante um assalto, ou Frank Castle que teve a família morta, assim como o Bruce Wayne. Eles só começam a agir após algo traumático acontecer a eles. Em animês e mangás temos um monte destes e cito apenas um: Kenshin Himura que se envolveu em uma guerra civil após as pessoas que cuidavam dele serem mortas na sua frente.


 


Profissionais: estes estão meramente cumprindo sua obrigação. São imbuídos a uma tarefa e a cumprem da melhor forma possível. Spectreman é um exemplo de profissional que veio apenas cumprir uma missão. Não veio por vontade própria, e nem foi movido por um trauma, ele simplesmente veio até a Terra para exercer sua função e aceitar as ordens dos Dominantes.


 


Mercenários: sim, heróis mercenários são aqueles que só fazem o bem se receberem algo em troca. O Gladiador Dourado, do desenho da Liga da Justiça, viajou do futuro, ao nosso tempo, apenas para lucrar um dinheiro combatendo o crime e se tornando famoso.  Desse tipo temos também Lupin the Third que só aceita fazer o bem se ganhar algo em troca. Como exemplo, em Castelo de Cagliostro, Lupin só ajuda uma garota em fuga porque a achou bonita e quis casar com ela.


 


    Com estas pequenas descrições, já podemos caracterizar a maioria dos heróis criados. Os heróis podem migrar de uma classificação a outra de maneira livre, isto é, um profissional pode se tornar um vingador (Black Cat)  e assim por diante.  Mas há um processo interessante na construção da personalidade dos heróis do tipo vingador: o trauma. Eu ia falar sobre isso, quando mencionasse o capítulo 25 de Sket Dance, mas vou resumir tudo e colocar aqui para não ter que criar um outro texto sobre isso.


 


Contêm SPOILERS de Sket Dance 25, então não leia o texto abaixo.


 


Trauma


 


     O personagem passa por uma situação traumática, ele introjeta esta situação ambiente e, em casos extremos, como o do Switch, o personagem acaba reprimindo a sua própria personalidade e assumindo a personalidade da pessoa querida que morrera de forma violenta. Um transtorno violento de personalidade. O interessante no Switch é ver que ele assume a identidade do personagem de forma idealizada, ou seja, aquela imagem representada pelo Switch não é a representação real do irmão morto, mas como ele via o irmão. O irmão não era um otaku retraído que adorava animês, mas um colegial normal que adorava sistemas da informação. É interessante ver como o Switch percebia o irmão e como ele lidou de forma traumática com a morte do mesmo.