sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Fotos- Feira do Livro de Brasília 2011

Inicia-se, hoje, a Feira do Livro de Brasília. Pensei em fazer algo diferente e não apenas uma matéria. Utilizarei as fotos para contar um pouco da qualidade da Feira, sem a necessidade de muitas palavras. Saliento que retirei estas imagens antes da abertura da Feira ao público. Alguns estandes ainda estavam em construção. Todas as fotos foram retiradas por mim. Por favor, podem usar, mas deem os devidos créditos!

[caption id="attachment_242" align="aligncenter" width="545" caption="Texto de Cecília Meireles"][/caption]

Neste espaço, em que as palavras escritas predominam com força, deixo também minhas palavras escritas, neste santuário!

[caption id="attachment_243" align="aligncenter" width="545" caption="Eu e meus livros no estande do Sindescritores"][/caption]

As palavras necessitam de uma voz, um autor, para serem alcançadas. A Feira do Livro, então, preparou lugares para que o autor as pronuncie!

[caption id="attachment_244" align="aligncenter" width="545" caption="Interior do Café Literário"][/caption]

Muitos espaços para o debate, para o aperfeiçoamento da experiência de escrever, ler e ser lido!

Espaço para eventos!

E por estes corredores, de tapetes vermelhos, passarão os leitores e admiradores do mundo do livro!

Um dos corredores da Feira

E, neste evento, deixo meus livros à espera de todos vocês!

[caption id="attachment_250" align="aligncenter" width="545" caption="Outros Papos e Suas Memórias & Sob a Luz dos Ensinamentos Bíblicos"][/caption]

Agradecimentos ao pessoal do estande do Sindescritores e um muito obrigado, também, ao Cine Foto JM por ter me entregue o filme revelado em 15 minutos, enquanto a maioria dos outros pontos de revelação só poderiam me entregar em 6 dias. Eficiência é carinho apreciado pelo consumidor! Obrigado!

Cine Foto JM
SCLS 202 Bloco A loja 08
Fone: 61 3226-9856

Quadrinho: Na aula de Química!

[caption id="attachment_239" align="aligncenter" width="545" caption="Por: Patrick Raymundo de Moraes"][/caption]

Essa piada é do tempo do colegial. Um amigo meu soltou essa piada. Foi gargalhada certa!

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

A Janela

A janela

 


Janelas são permissões,

Para se conhecer e enlouquecer,

Com sedução, erotismo e prazer,

Janelas são permissões,

Cortinas liberadas para os olhares,

Instigando instintos, procurando a paixão,

Janelas são permissões,

Para se conhecer e enlouquecer.

 

 

Cotidiano

 

Eu usava o subtópico “cotidiano”, no UOL, para explicar a inspiração do poema. Quando mudei para o wordpress, não achei necessário continuar com ele, mas mudei de ideia e o trouxe de volta. Esse triolé (oito versos na sequência A-B-C-A-D-E-A-B) nos fala de uma experiência muito legal que tive. Em Brasília, alguns templos religiosos ficam em entrequadras e perto de prédios residenciais.  Enquanto levava minha mãe para um destes templos (não direi qual, embora algumas pessoas do facebook já saibam do que se trata), eu ficava conversando com um amigo meu que cuida do templo. Ele me mostrou, à noite, algo incrível. Em um dos apartamentos, de um destes prédios colados ao templo (segundo andar), tem uma mulher que se veste sem fechar as cortinas ou a janela. Expondo todos os seus dotes (e belíssimos dotes), essa mulher nos apresentava um show muito interessante. Daí surgiu este triolé!

 

Nota 10 (Idolm@ster e Young Justice) e Nota ZERO (Manifestação)!!

Nota 10 e Nota ZERO

Nota 10 e Nota Zero era um espaço do meu blog (UOL) com o qual expunha minhas críticas de maneira mais ácida e rápida. Como o nome revela, eram duas situações: em uma eu aplaudia de pé alguma coisa realmente interessante e, na outra, eu literalmente tacava ovos em algo que não achava certo! Resgatei para o wordpress! Vamos lá!

NOTA 10

 

Idolm@ster 15 e Young Justice (1 e 2). Idolm@ster mostrou, neste capítulo, como fazer humor de maneira serena e agradável. As garotas apresentaram um programa ao vivo e foi a chance de apresentar todos os erros que correm o risco de acontecer em uma apresentação assim. Ainda teve um momento “mecha”, com propaganda de uma série com robôs pilotados por algumas idols! Genial! Já Young Justice nos mostrou, nestes dois capítulos, uma série séria, com enredo realmente interessante e boa animação. Gostei muito e espero que os próximos capítulos assim permaneçam. Já o capítulo 3 teve uma leve queda e não gostei da dublagem da sobrinha do caçador de Marte, está meio forçado, mas acho que ela tem potencial para evoluir junto com a personagem.

Nota ZERO

 

Pessoal, fazer manifestações é legal e direito de todos, mas depredar a reitoria, invadir prédio de universidade e sujar patrimônio já é um pouco além. E ainda tem um agravante, o objetivo da manifestação (cancelar o convênio da USP com a polícia), é algo que eu não concordo, pois tem que se ter policiamento em qualquer parte deste país para garantir a segurança.  E os números provam que a polícia está sendo muito benéfica para a segurança dos alunos. Por isso, aqui vai um zero para toda essa bagunça na USP!  Vejam a bagunça aqui!

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

The Walking Dead- análise dos 4 primeiros capítulos da 2ª temporada!

THE WALKING DEAD- 2ª TEMPORADA

O texto possui spoilers, deixe de ler aqui se desejar!



Estreou, cerca de 4 semanas atrás, na Fox (SD e HD) a segunda temporada de The Walking Dead. Para quem não acompanhou a primeira temporada, aqui está um esboço do que a série apresentou: o policial Rick Grimes, após um acidente que o deixou em coma, acorda no fim de uma guerra entre zumbis e seres vivos. Adivinhem quem ganhou? Pois neste mundo apocalíptico, Grimes, sua esposa e filho, além de alguns colegas, tentam sobreviver ao caos, aos zumbis e aos vivos. Uma verdadeira terra de ninguém. O enredo desta primeira temporada passa do sensacional, ao mediano, em simples capítulos. Inicia-se com a tentativa de sobrevivência do personagem principal, seguido de sua união aos colegas e familiares, mas os capítulos finais beiram a enredo de novela, com direito a triângulo amoroso. Passa do suspense/terror ao drama em poucos capítulos. Não é uma mistura bem feita, mesmo assim, a série é um marco, pois foi a primeira vez que uma série de televisão apresentou uma proposta séria ao tema e tornou o mundo de The Walking Dead muito crédulo aos nossos olhos.

 

Já a segunda temporada dá sequência a esta trama com enfoque no suspense e ótimos diálogos. Eu tinha medo que o drama fosse reinar no enredo de forma a obscurecer o que de fato queríamos assistir- zumbis- mas estes 4 primeiros capítulos mostram uma ótima mistura. Antes de comentar o enredo, comento brevemente que a parte técnica está muito bem trabalhada. Os zumbis estão muito bem caracterizados com suas feridas, sangue e membros faltantes. Tem direito até a zumbi enforcado em árvores e ainda querendo morder para saciar sua fome. A música ainda segura o clima de suspense e a direção está escolhendo sequências diferentes das que estamos acostumados, tanto em câmera como em enredo e, falando em enredo, o parágrafo seguinte inicia minha análise.

 

[caption id="attachment_218" align="alignleft" width="268" caption="Zumbi mal educado mostrando a língua!"][/caption]

O enredo começa quando a viagem de Grimes e Shane, e os outros, é interrompida com um ataque de zumbis que separam o grupo, deixa um membro desaparecido e outros 4 impossibilitados de prosseguir. Bom, não necessariamente o ataque inicial, mas a sequência de fatos que são gerados com isso, em um ótimo efeito cascata. O suspense não deixa o ar e nem o enredo perde-se em dramas desnecessários. Tudo é tenso, muito bem dosado e a atuação convence bem. A noite parece eterna, constante e nos dá a noção de obscuridade que os diálogos necessitam. Um dos membros precisa de uma cirurgia, provocando um diálogo sensacional sobre sobreviver ou deixar-se abater. Tema que é abordado por outros personagens da trama, dando sequência ao último capítulo da primeira temporada de forma a deixar tudo bem definido. Eles querem sobreviver, ou não? Vão deixar-se abater? Por incrível que pareça, foi justamente o personagem que necessita de cirurgia que define todas as respostas necessárias a estas perguntas, com um simples apelo de sua inocência juvenil, em um diálogo simples sobre um cervo.

 

[caption id="attachment_219" align="alignright" width="275" caption="O clímax até aqui!"][/caption]

Aliás, foi este personagem que, com uma simples atuação, me provocou o maior susto até agora, ao ter uma convulsão. Parecia o fim de todas as respostas e uma sensação de que tudo, até aquele momento, havia sido inútil. E isso com uma atuação bem simples. Até parece brincadeira minha, ao escrever isso sobre uma série de televisão sobre zumbis, mas tudo na tela parece real, tanto da parte técnica, quanto da narrativa. As escolhas são provocativas e instigantes e não nos deixam esquecer de que aquela terra apocalíptica não possui regras, a não ser a regra de preservar seu grupo e as pessoas que se ama. Que se faz tudo pelo grupo e que atitudes, que antes poderiam parecer condenáveis, nesta realidade são até aceitáveis se levarmos em conta que a sociedade já não existe e que o grupo passou a ser o elemento essencial da sobrevivência, assim como era no passado, antes das tribos se unirem em cidades. É o grupo que deve sobreviver e isso ainda vai causar, espero realmente, muitos conflitos.

 

Enquanto a primeira temporada deu o passo inicial e foi importante para definir toda essa realidade que se apresenta agora, a segunda temporada vai além e mostra uma realidade ainda mais assustadora, tensa e dramática. Se a primeira temporada foi 3 estrelas, a segunda é, de fato, 4 estrelas! Não dou 5 porque faltam muitos capítulos ainda para assistir.





domingo, 6 de novembro de 2011

Congresso Brasileiro de Escritores- 2011- debaterá a profissão!

CONGRESSO BRASILEIRO DE ESCRITORES



A União Brasileira de Escritores (UBE), com o apoio da Fundação Biblioteca Nacional e Orquestra Sinfônica de Ribeirão preto, promoverá, entre os dias 12 a 15 de novembro, o Congresso Brasileiro de Escritores, na cidade de Ribeirão Preto. Com o lema “a escrita é um ato isolado, mas o escritor não precisa estar isolado”, a UBE debaterá questões importantes referentes ao trabalho do escritor.

 

O Congresso realizará palestras, mesa redonda, oficinas, debates, conferências e atividades culturais importantes para difundir a arte da escrita em nosso país, além de tentar fomentar uma discussão sobre a regulamentação da profissão de escritor. Também teremos a entrega do prestigiado troféu Juca Pato- o intelectual do ano.

 

Com palestrantes de peso, como Frei Betto que versará sobre o tema “os escritores e as ditaduras”; Betty Milan, escritora e colunista da revista Veja; Gabriel Chalita (Deputado Federal, escritor e professor) que comandará a palestra sobre “a regulamentação da profissão de escritor”; além de Antonieta Cunha, secretária-executiva do Plano Nacional de Livro e Leitura (PNLL), entre outros, o evento trará uma contribuição ao processo social da escrita e a inserção do escritor como peça fundamental da criação de livros e ideias.

 

Como escreveu Luis Avelima, sobre o segundo Congresso de Escritores, “o compromisso era, além de defender as liberdades democráticas e a manifestação do pensamento, exigir a elaboração de uma nova política cultural, democrática e aberta, pela qual o estado incentive e apoie a criação”, acredito, então, que este novo congresso, além de fortalecer as bandeiras já clamadas, terá, como novo brado, a missão de iniciar a concretização de um sonho de todo escritor: tornar a paixão pela escrita uma profissão regulamentada.

 

Para conhecer mais sobre o Congresso (inclusive os escritores de peso que não citei na matéria), acesse a página aqui!

Congresso Nacional de Escritores

UniSEB - Centro Universitário - Unidade I

Rua Abrahão Issa Halack, 980 - Ribeirânia

CEP 14096-160

Ribeirão Preto / SP

*************************************************************************************************************************

OFF: Enviei minhas respostas ao questionário da UBE sobre a regulamentação da profissão de escritores e deixo-as aqui de maneira a incentivar o debate sobre esta questão.

 

1.            Quem deve ser considerado escritor, pela lei?

 

R: Todo aquele que exerce a função comprovada de produção de textos, para qualquer meio. Autor, publicado ou não, é escritor. Jornalista é escritor. Ou seja, todos que promovem, de maneira frequente, a produção de textos, impressos ou on-line, devem ser caracterizados como “escritor”.

 

2.            Quais critérios deveriam ser adotados para considerar uma pessoa como escritor?

 

R:  Produção de textos de maneira periódica e comprovada por documentação legítima, quer seja contrato com editora, carta de registro de direito autoral pela Biblioteca Nacional, ou equivalente, ou registro virtual. Não se deve diferenciar escritor por número de livros, ou páginas publicadas, mas se o autor possui produção frequente de textos e de maneira comprovada.

 

3.            Quanto tempo seria necessário alguém estar na atividade para que fosse considerado escritor, pela lei?

 

R: Creio que comprovação por tempo, para início de carreira, não se faça necessária, basta documentação legítima que comprove que o autor é um escritor. Após ser reconhecido como escritor, creio que deve-se ter uma produção frequente de textos.

 

4.            Só deveriam valer publicações em livro ou poderiam ser consideradas publicações eletrônicas, para efeito de comprovação da atividade de escritor?

 

R: Todos os meios devem ser aprovados, bastando comprovação legítima. No caso de um livro, ou publicação impressa em geral, há o contrato com a editora, o ISBN, o ISNN e os documentos emitidos pelo Escritório de Direitos Autorias da Biblioteca Nacional (EDA). Para o caso de produção em mídia on-line (virtual), que se faça necessária comprovação de que o texto é legítimo, que a produção é frequente e que o autor é o escritor fidedigno.

 

5.            Como tratar o escritor inédito, ainda não publicado? O contrato com a editora não pode ser o único instrumento comprobatório da atividade. Qual outra comprovação seria plausível?

 

R: Pode-se usar os documentos do EDA. Há de se criar, também, um meio para emitir declaração de autoria para documentos (textos) criados para a mídia on-line.