Pular para o conteúdo principal

A vida é um elo entre razão e fé!




[caption id="attachment_180" align="alignleft" width="300" caption="pintado com grande sensibilidade por Rita"][/caption]

 


A vida é um elo constante de escolhas. Estas escolhas constroem o nosso alcance, ou seja, são as nossas únicas limitações para esta vida. Escolher ter fé, aliada a razão, foi a escolha que fiz. A fé sem razão é louca, mas a razão sem fé é como um carro sem rodas. Porém, aliá-las não é fácil. É um constante jogo de equilíbrio, que precisamos sempre nivelar. Antes de continuar, vou dizer o que entendo por cada uma destas palavras.


 


Fé não é apenas uma crença religiosa para mim, mas uma convicção, uma atitude mental, embasada em conhecimento prévio, e que provoca uma revolução interna, que te dá o sentimento de que algo tem fundamento. Este algo, embasado pelo fundamento da fé, não é necessariamente uma convicção religiosa. Pode ser uma convicção ética, profissional, política ou familiar. Já a razão é a luz do conhecimento lógico que te dá, através de procedimentos mentais, a certeza de que algo tem fundamento. Ambas são próximas. Uma reage aos sentimentos (instinto) e a outra reage à mentalização racional.


 


“Uma visão da natureza humana que ignore o poder das emoções é lamentavelmente míope. (...) Para o bem ou para o mal, quando são as emoções que dominam, o intelecto não pode nos conduzir a lugar nenhum” (Daniel Goleman, Phd, 18:1995).


 


E, de fato, acredito que deve haver essa simbiose para que fé e razão te guiem por caminhos certos. Se, em teu coração, há a certeza lógica que algo deve ser feito, sobre determinado assunto, mas lhe falta a fé de que pode realizar este algo, é como um carro sem rodas, pois não consegue chegar a lugar nenhum. Mas a fé, sem a razão, é como um cego que se joga em um precipício, crendo que há um jardim amplo à sua espera. É necessário aliar ambas para se ter um elo forte de decisões. A fé representa as rodas do carro, orientado pelo motorista racional, que vão aderindo ao caminho/destino que te levará às suas escolhas.


 


Mas a fé e a razão podem se iludir. Ambas podem ser enganadas. Daí o perigo de não alimentar direito a mente, que equilibra estes dois pratos (fé e razão). É necessário um estudo constante para alimentar a razão e uma vivência constante, em seu caminho escolhido, para alimentar a fé. Então teremos uma corrente forte e elos sadios que te levarão a um caminho de luz intelectual, familiar e social.


 


“A verdadeira salvação consiste em descobrir o homem verdadeiro, perfeito e livre, através do conhecimento da verdade” (texto de Masaharu Taniguchi compilado por Kamino Kusumoto, 68:2010).


 


E a salvação pregada por este texto acima é a iluminação interior do homem racional, através do conhecimento (estudo), que o leva a um estado pleno e sereno. É uma salvação no agora, no aqui, e não em uma posterior vida. “O Paraíso é aqui”, já dizia um preletor da Seicho-No-Ie, aliando sua fé ao conhecimento que adquiriu. É uma salvação que começa aqui, através do ensino, da ética, da leitura, do amor, da cordialidade, da pesquisa e, enfim, de todo processo racional humano que é convertido em prática diária saudável. Difere-se um pouco do pensamento iluminista, pois, como escrevi antes, a razão e a emoção são faces da mesma moeda e devem ser aliadas para o perfeito conhecimento do “Eu” que regerá a vida. Tenhamos, então, um longo alcance ao associar estas convicções. 

Comentários

  1. Muito bom, meu caro! Falou muito bem!
    ...
    Até!

    ResponderExcluir
  2. Olá! Muito obrigado! :) Esse texto veio realmente de uma crença que possuo! :)

    ResponderExcluir
  3. [...] como a luta entre o Negi e o Naruto em Naruto (série clássica). Como escrevi, em meu texto sobre Fé e Razão, tento sempre nutrir a ambas e equilibrá-las, mas é um processo difícil. Quando minha avó [...]

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Olá! Comentários com ofensas não serão permitidos. Todos os comentários serão moderados.

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…