sábado, 29 de outubro de 2011

The Idolm@ster!

THE IDOLM@STER


Análise dos 4 primeiros capítulos- escrito em 22/08/2011 para a versão UOL do Outros Papos. 





 



Escrevi isso após assistir os 4 primeiros capítulos de The Idolm@ster e resgato, porque o wordpress parece ter mais visibilidade nos mecanismos de busca que o Zip.net. Muita coisa mudou e percebi que a história não seria como eu estava esperando que fosse. Mesmo assim, é um programa divertido e a análise vai ser usada posteriormente, quando for escrever sobre as impressões finais da série.  



 


Resumo: A série é baseada em um joguinho da Namco, em que o jogador é um produtor que deve ajudar e acompanhar a carreira a aspirantes a ídolos de uma agência chamada 765 Production. A série criada pelo estúdio A1- Picture segue esse mesmo roteiro.




Vou direto ao ponto! Eu adoro enredos em que um personagem aparece para ajudar outros personagens da trama. Gosto de ver, em histórias, a presença do personagem cujo o único objetivo é transformar vidas. Pelo que observei, nestes primeiros 4 capítulos, The Idolm@ster é justamente sobre isso: transformação de vidas através do esforço de um personagem que aqui chamarei de personagem transformador. Por que gosto desse tipo de construção de enredo? É porque ela abre portas para tramas paralelas, aprofunda personagens e torna-os mais sensíveis, mais humanos, como a personagem com medo de cães, a cantora solitária que possui problemas em casa, ou a garota que tem que alimentar seus irmãos, com seu trabalho, pois a família é pobre. Estes são elementos que poderão ser explorados, inevitavelmente, pelo personagem transformador. Isso gera uma rede de inter-relações. Percebi que as inter-relações dos personagens estão contribuindo para a criação do elo “personagem transformador-personagem arrebatado” de uma maneira única, pois cada personagem da trama parece ser tanto transformador como arrebatado pela ação do transformador mais próximo. Exemplo: uma garota pode ser o personagem transformador em um episódio e o arrebatado no episódio seguinte. Um exemplo de personagem transformador é o Kenshin Himura (Samurai X) que, através de suas ações na trama da história, transformou a vida de outros personagens, arrebatando-os de sua condição inicial. Os personagens arrebatados pela ação do Kenshin foram, por exemplo, Aoshi, Misao e Sanosuke. Isso enriquece a trama principal através da inclusão de dramas paralelos que tornam os personagens mais humanos e carismáticos. Pela inclusão dessa estrutura, que parece estar forte no enredo, The Idolm@ster já ganhou minha curiosidade.


 


A animação em si é bem fluida e o traço é simples, mas muito bonito. A expressão no olhar transmite bondade, determinação, vida e beleza. Existem garotas com diversas idades, de diferentes personalidades, com passados diversos, e biótipos para todos os gostos. Isso foi pensado para atrair o público e fisga-los pela diversidade. A fluidez, a palheta de cores e o character design colaboram com este objetivo. A dublagem permite diferenciar as idades de quase todas as personagens, mas há aquelas personagens mais velhas com voz de criança. Realmente isso não ficou bom. A música e a abertura iniciais não chegam a empolgar pela melodia, mas pela movimentação. Além das inter-relações que podem acontecer em uma rede de relacionamentos, o roteiro pode aprofundar a psiquê, e a motivação, das personagens, ou deixá-las neste exato estado mental, já mostrado nestes 4 capítulos. Acho que assim está perfeito para a proposta do animê, não necessitando aprofundar mais do que isso que já foi mostrado, pois correria o risco de sair do tema comédia leve, para o drama individual. Entretanto, se o diretor assim o fizer, vou observar para ver se não feriu a proposta incial. Gostei da animação e como o diretor a executou até aqui. Vou continuar acompanhando e ver como esta série termina. Alguns podem achar as piadas dos primeiros capítulos um tanto quanto estranhas, mas caíram como uma luva para dar dicas sobre postura, idade e carisma.


 




Glossário


Personagem Transformador é aquele que é capaz, por diálogo ou ação, de transformar o ambiente e mudar a trama para um final positivo ou negativo e, por consequência, mudar o destino de outros personagens.


 


Personagem Arrebatado é aquele que tem o seu enredo e narrativa alterados de maneira violenta, ou repentina, pelo personagem transformador. Esta ação se dará ou para a solução de um problema, ou para a sua eliminação.




 


Obs: vendo pelo lado mercadológico, uma animação que trata sobre aspirantes a ídolos faz todo o sentido, uma vez que um dos maiores programas, atualmente, se chama Ídolos e vocês conhecem as suas diferentes versões. Pegar esta onda e faturar em cima disso é realmente uma boa estratégia.