quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Feliz ano-novo!!!

OBRIGADO 2011 POR TUDO! SEJA BEM-VINDO 2012!

 

Este ano de 2011 foi um marco importante na minha vida e, para que vocês possam me entender, vou citar brevemente como terminou 2010. Ao apagar das luzes daquele ano, minha mãe estava paralítica do ombro e braço esquerdos, eu não tinha editora, não tinha família (por causa de brigas que aconteceram durante o período de internação de minha avó- 2008) e estava lutando contra uma doença que parecia que acabaria com a minha vida. Então, em resumo, o ano de 2010 terminou assim: obscuro e incerto.

 

A única coisa que mantive foi a fé. Mas tudo começou a mudar em 2011! De acordo com o que já foi relatado no meu blog e que está escrito em meu livro “Sob a Luz dos Ensinamentos Bíblicos”, conseguimos a cura para o ombro e braço de minha mãe. A questão de minha doença foi esclarecida e, após reverter um erro médico de 4 anos, comecei a melhorar. Estava com tireoidite de Hashimoto e tratei, por 4 anos, de maneira errada, os sintomas por causa de um diagnóstico errado. Foram 4 anos tomando medicação errada!

 

Consegui editar vários livros por várias editoras amigas e, nestas editoras, encontrei amigos que somaram valorosos esforços na edição de meus livros. Reafirmei amizades antigas com editores com os quais trabalhei. Enfim, publiquei livros como nunca, em um tufão de lançamentos! Reatei o relacionamento com minha família e isso me agradou demais. Com isso, reeditei “Sob a Luz dos Ensinamentos Bíblicos”, editei “Outros Papos e Suas Memórias”, editei “Mangá Tropical- Um estudo de Caso” e editei o “XI Prêmio Cultura Nacional”. Para 2012 já tenho programado o lançamento de uma antologia: “Nossa História, Nossos Autores” uma antologia comemorativa da Editora Scortecci com lançamento especial na Bienal do Livro de São Paulo 2012.

 

Mas não parou por aí, pois neste maravilhoso ano de 2011, através do Facebook, eu conheci minha maravilhosa irmã e meu querido irmão. Pessoas tão gentis e carinhosas. E, através de meu irmão, pude ser tio de uma garotinha linda e muito amada. Minha mãe e meu pai se separaram quando eu tinha 4 anos e meu pai casou novamente. Deste casamento posterior nasceram meus amados irmãos, que conheci este ano, após 32 anos. Eles acrescentaram tanto à minha vida, que somente a presença deles iluminou, como dia perfeito, este ano de 2011. E, nesse ano, nasceu o filho de uma querida prima! Que ano lindo!!!! XD

Porém, pairou sobre nós, este ano, uma nuvem negra com uma doença grave na família. Com muita determinação da pessoa acometida da doença, muitas orações de minha mãe e minha reflexão interna, esse problema, que poderia ter eliminado um membro querido e amado de minha família, foi resolvido da melhor forma e o ente querido recuperou-se de maneira incrível. Com isso, o ano de 2011 revelou-se como um ano forte e brilhante!

 

Para 2012, já tenho algumas vitórias alcançadas E eu agradeço a duas grandes forças espirituais: Nossa Senhora que jogou luz sobre a minha doença e me mostrou o caminho certo para a verdadeira cura (pois, antes de orar a ela, tudo estava confuso e incerto)  e os ensinamentos da Seicho-no-ie, que me mostraram que os espíritos familiares estão prontos a nos ajudar e que Deus é um ser de tanto amor que Ele cuida de todos nós de maneira suave e generosa. Agradeço à minha Igreja Católica e aos ensinamentos da Seicho-no-ie e a todos os espíritos de luz, pois ao abrir meu coração para estas verdades, tudo se fez novo e as coisas velhas passaram. Obrigado! Obrigado! Obrigado!

 

Então, antecipadamente, FELIZ ANO-NOVO!!!!!!!!

 

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Férias

Estarei de férias até o dia 02/01/2012! O blog tem muitas mensagens interessantes, análises de conteúdo em animê e cartoon e quadrinhos, além de poemas, então, divirta-se com o conteúdo e eu retornarei na data anunciada! Desejo um feliz Natal e um Próspero Ano Novo a todos! :)

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Está chegando o Natal!

Está chegando o Natal!


 


O Natal está chegando e, com ele, uma sensação diferente. É o dia em que escolhemos coroar o nascimento de Jesus. Citando texto de Guilherme Lieven (pastor Luterano):


 


 “O Filho de Deus, Jesus de Nazaré, nasceu em Belém, como uma criança humilde e marginalizada e encontrou todos e todas neste mundo, oferecendo-lhes a presença e a reconciliação de Deus. Em torno deste acontecimento há muitas decisões e tradições herdadas do passado”.


 


O Papa Bento XVI assim discursou:


 


“A celebração do Natal recorda-nos que, aquele menino nascido em Belém, Deus aproximou-se de todos (...) que nestes dias santos, a caridade cristã se mostre singularmente ativa para com os mais necessitados.” O texto completo também exalta a humildade do eterno em se fazer terreno.


 


O mesmo disse Emmanuel, ao permitir a psicografia de suas palavras pelo médium Chico Xavier:


“As comemorações do Natal conduzem-nos o entendimento à eterna lição de humildade de Jesus, no momento preciso em que a sua mensagem de amor felicitou o coração das criaturas, fazendo-nos sentir, ainda, o sabor de atualidade dos seus divinos ensinamentos.


A Manjedoura foi o Caminho.


A exemplificação era a Verdade.


O Calvário constituía a Vida”


 


Nestas palavras podemos perceber a necessidade iminente de humildade e caridade. Sentimentos sinceros que já foram alvo de pensamentos como os do ator e diretor Charles Chaplin :


“Pensamos demasiadamente


Sentimos muito pouco


Necessitamos mais de humildade


Que de máquinas.


Mais de bondade e ternura


Que de inteligência.


Sem isso,


A vida se tornará violenta e


Tudo se perderá”.


 


Então, pelas palavras destes sábios corações, façamos deste Natal uma data ainda mais especial, compreendendo e praticando a humildade e a caridade. E que não seja apenas na ocasião do Natal, mas que o Natal seja o primeiro dia de uma determinação pessoal de cada um, de que há de se querer fazer o bem e praticar a caridade sempre que possível. Pois o bem, um dia, retorna! 


Que o Natal não seja apenas presentes, mas doações múltiplas de amor e caridade!






terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Poema: Guarda-me!

[caption id="attachment_366" align="aligncenter" width="450" caption="Excalibur"][/caption]

Guarda-me os caminhos por onde passarei! Passarei por trevas e escuridão, pois este é o caminho que escolhi trilhar. Guarda-me, pois com tuas orações! De nada vale a espada, se o espírito não acompanhar, com fé, o fio da lâmina. É tal qual espada de madeira, ou ferro enferrujado. Guarda-me para que meu espírito não se abata! Guarda-me com tuas orações para que, de noite, eu lembre de teu perfume e sinta-te perto de mim. Meu consolo é teu abraço e teus lábios a me esperar! Meu consolo é saber que este caminho tortuoso, e tenebroso, me levará rapidamente aos teus lençóis. Guarda-me assim como já guardei teu castelo e tua mocidade! Ansioso por ti estou, então, guarda-me!


 


Cotidiano


 


Aqui estou eu para explicar este poema! Ele faz parte da coleção “Poemas do Cavaleiro” que comecei a escrever algum tempo atrás. Eu adoro a época medieval e os textos românticos que de lá germinaram. Adoro histórias de cavaleiros, ao estilo capa e espada, e as relações entre o cavaleiro e a dama. Curiosamente, comecei a escrever nesse tema após acompanhar a série clássica de Sailor Moon quando esta passou na extinta Rede Manchete. O relacionamento do Darien e da Serena acabou por ressuscitar, em mim, este tipo de paixão.  Aqui embaixo está outro texto meu nessa mesma linha:


 


DIA DE VITÓRIA! (Poema-Conto do Cavaleiro. Laureado.)


 


    Caminhas em minha direção? Olha-me nos olhos e sorri? Será que, finalmente, percebestes que eu existo? Aproxima-te de mim com tanta leveza, que minha espada treme com tua presença. Abraça-me e chora em meu ombro. Gentilmente, eu a aceito.


 


— Por que choras?— Pergunto vacilante.


 


— Descobri teu amor. Vencida fui por tua determinação. Tua espada a me defender, tua habilidade a me proteger e tua honra a me preservar. Tu foste, para mim, um escudo, uma foice e um amigo.


 


— És gentil, princesa!  Mas sou vassalo e guerreiro. Tu és a mais bela do reino...


 


— Não te atrevas a desistir, ou recuar. Abri-te o meu coração e confessei-te o meu desejo. Não me recuses.


 


     Teus olhos firmes... não... há medo em teus olhos!  Medo que eu te rejeites? Pois devo, agora, confessar-te:


 


— Princesa! Em teus olhos vejo a convicção da nobreza e a beleza de tua natureza. Vejo além, pois vejo a insegurança de tua juventude e o medo de tua alma. Não te recusarias. Eu te aceito, mesmo que perca, com isso, o privilégio de cavaleiro.


 


    Os olhos dela se alegram. O toque de suas mãos me dá segurança e o meu toque lhe dá proteção. Esse dia foi o dia de vitória e, hoje, sei que tudo posso.


 




SETE, 1ª EDIÇÃO- Editora Litteris- RIO DE JANEIRO- 2005.


ISBN- 85-7640-070-7


CDD- 869.91


CDU- 821.134.3(81)-1



domingo, 18 de dezembro de 2011

CHIHAYA E O ROUXINOL!

CHIHAYA E O ROUXINOL


 


**Cuidado texto com muitos spoilers**


 


Há um conto de um rouxinol que cantava nos jardins do palácio de um grande imperador chinês. Um canto tão lindo que fazia as flores mais belas, as cores mais ricas e o dia mais claro. O imperador descobriu este rouxinol e o prendeu em uma gaiola para o ouvir sempre. Este rouxinol não cantou mais, mesmo com todos os esforços do rei. Conta a parábola que o rouxinol conseguiu fugir de sua gaiola dourada, repleta de joias e petiscos saborosos. O rei, muito furioso, acabou adoecendo com muita mágoa. Há muitas versões desta parábola, e ouso dizer que o enredo de “The Idolm@ster 20” é uma releitura desta fábula de maneira intensa e criativa.


 


Chihaya acaba sendo fotografada no túmulo de seu irmão e o presidente da produtora rival, por intermédio de contatos em revistas, acaba por divulgar matérias caluniosas à respeito da Chihaya e seu relacionamento com o irmão, a morte dele, e o divórcio subsequente de seus pais. O trauma de ser exposta daquela maneira confere a cantora um trauma psicológico que a impede de cantar. No fundo, ela se sente culpada pela morte do irmão e as lembranças dele acabam por afetar a voz. Ela não consegue cantar, tal qual o rouxinol engaiolado. 


 


Apesar de toda a ajuda que ela recebe de suas amigas e do produtor, que pode ser comparada aos petiscos que o rei conferia ao rouxinol, ela desiste de cantar. Ela foge por não conseguir vencer o bloqueio que lhe impede de cantar. O bloqueio são as grades douradas da gaiola que impedem o rouxinol de cantar. Em um momento tenso, e realmente sério, nós vemos a tentativa das outras garotas em ajudar a amiga a vencer este obstáculo.


 


O grande ponto de retorno, que nos retira das sombras da depressão da personagem, é a aparição da mãe de Chihaya que entrega um livro, com os desenhos do irmão dela, a Haruka. É a resposta necessária para dar uma virada no roteiro. Haruka consegue convencer a abatida amiga a voltar a cantar, pois era o desejo de seu irmão que ficava feliz ao vê-la cantar, pois ela sorria ao fazê-lo.


 


O clímax aproxima-se, Chihaya aparece para o concerto e sobe ao palco. De súbito, o trauma retorna, imagens de seu irmão morto assombram-na, e a voz falha. Parece o fim para a carreira dela, mas eis que surge o “Personagem Transformador” que, neste caso, não é apenas um, mas todas as garotas. Com tamanho apoio de suas colegas, uma reviravolta interna começa a acontecer. Chihaya vê o espírito de seu irmão sorrindo novamente, pedindo para ela cantar, e ela percebe seu inconsciente se manifestando na forma do seu “eu infantil”, ou seja, aquela garotinha que cantava alegremente para o irmão. E esta garotinha ergue sua mão para convidar o seu “eu adulto” a voltar a cantar. No ímpeto deste momento, ela canta de maneira esplêndida. O Rouxinol voltara a cantar!  


 




[caption id="attachment_360" align="aligncenter" width="300" caption="Quando unimos mente, corpo e espírito podemos tudo!"][/caption]

“Entretanto retorno, agora que precisas de mim. E apenas te peço que não tentes prender-me, ou o amor se perderia na revolta. É certo que não estarei contigo todo o tempo que quiseres, mas hás de ouvir-me sempre que me for possível. Deixa-me cantar para ti porque te amo, não porque assim o desejas!” (Releitura da fábula no momento em que o Rouxinol retorna para cantar no leito de morte do rei, por Rejane de Fátima Pedrosa Ramos).


 


“Deixa-me cantar para ti porque te amo, não porque assim o desejas” é a Chihaya e sua reconstrução interna que definem a ela uma nova motivação para cantar. Com esta descoberta, ela cai em lágrimas em um dos capítulos mais lindos que vi em 2011. Palmas para o diretor Takahiro Harada por conduzir esta orquestra de enredo com docilidade e com uma grandiosa animação!  E definir como cinco estrelas seria pouco, eu quero dar é 10 estrelas a este capítulo!!!!


 


 




Assista de graça e oficialmente no Chrunchyroll


 


 

sábado, 17 de dezembro de 2011

Tezuka Day e as homenagens!

TEZUKA DAY


 




[caption id="attachment_351" align="alignleft" width="179" caption="O mestre!"][/caption]

Muitos blogs, sites e vlogs escolheram o dia de hoje, 17/12/2011, para homenagear o magnífico mestre Osamu Tezuka. Tezuka foi o visionário autor que promoveu uma revolução na estética e narrativa de quadrinhos em sua época. Um desenhista tão competente e iluminado que foi merecedor destas palavras do editorial do jornal Asahi: “Por que os japoneses apreciam tanto os mangás? Parece que os estrangeiros estranham essa mania. Por que os estrangeiros passaram tanto tempo sem ler mangás? Um dos motivos é que eles não tinham um Osamu Tezuka no país deles” (10/02/1989).


 


Confesso que são muitos sites para visitar e não consegui ler todos. Alguns não abriram aqui. Como estou em um blog pessoal, posso confessar isso sem descrédito. É um alívio poder falar isso abertamente! J Porém, aqui está uma lista dos sites que visitei e um resuminho do que eles estão divulgando do mestre Tezuka:


 


Maximum Cosmo nos leva a conhecer de perto a criação do mangá Kimba, o Leão Branco, além de detalhar outras obras e peculiaridades do autor Tezuka. Textos riquíssimos em detalhes e com profundidade de conhecimento!


 


O Troca Equivalente nos leva a conhecer um pouco da trajetória do mangaká, sua formação e sua contribuição para o mundo dos mangás e animês.


 


Netoin nos analisa uma das obras de Tezuka chamada Fushigi wa Melmo. Análise do enredo e do traço do mestre nesta obra em especial.


 


O blog Graveheart nos analisa uma das obras primas de Osamu, que foi Buda. Não tinha como passar o Tezuka Day sem falar sobre Buda e Kimba, então este texto é fundamental para se compreender a paixão, carinho e talento que o mestre possuía.


 


Chuva de Nanquim, por sua vez, faz uma comparação excelente do mangá Pluto (Naoki Urasawa) e sua ligação com outra obra prima do mestre Osamu- Astro Boy.


 


O site JBOX nos traz ótimas notícias de trabalhos do mestre Osamu que serão publicados no Brasil em 2012, pela NewPop (a mesma que nos trouxe K-ON entre outros).


 


(Atualização: 15h40 do dia 17/12/2011)



Maurício de Souza também homenageia o mestre Tezuka com um desenho de ambos! Uma amizade muito bacana!





[caption id="attachment_355" align="aligncenter" width="450" caption="Desenho do Maurício em homenagem ao mestre Tezuka!"][/caption]

 


 

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

O Top 10 virou Top 05!

As aberturas de animês abusam de muitos clichês, como aves voando, gente correndo, gente dançando, muito verde e árvores, cenas estáticas dos personagens, entre outras cenas comuns e, às vezes, misturam tudo isso. É o que eu identifico como ponto comum em todas as aberturas. As aberturas que fugiram dessa rotina comum, ou tornaram-na menos estressante aos olhos, ganharam destaque aqui e digo o porquê. Este, então, será meu TOP 05 com as melhores aberturas, na minha opinião, de animês. Só vale produções feitas para a televisão.

 

1- Death Note abertura 1- Abertura genial, pois usou as cenas estáticas para demonstrar, relacionando-as com pinturas clássicas, a motivação interna que impulsiona os personagens. Exemplo, a Pietá divinamente copiada para exibir a verdadeira motivação da Naomi em conseguir prender o Kira.

 







 

2- Usagi Drop- outra abertura original.  Como o animê trata do mundo infantil, nada melhor do que representar toda a ingenuidade de uma criança através de um desenho que represente o desenho feito por uma criança. Então, nada melhor do que usar coelhinhos hehehe!

 







 

3- Idolm@ster- a primeira abertura  usa do clichê do pessoal dançando, mas o faz dentro do enredo do animê, pois elas estão se preparando para um show que farão. Apesar de usar o clichê, este é justificado pelo propósito do animê que trata de "idols". E tudo muito ágil e com uma movimentação bem realizade.

 







 

4- Macross é um cult e esta abertura lembra aqueles filmes americanos ao estilo Top Gun.  Caças se transformando em robôs de ataque, rolando como soldados e destruindo inimigos. E, considerando-se como eram feitas as animações na época, esta abertura é muito movimentanda! É clássico!

 







 

5-  Conde de Monte Cristo (Gankutsuou) mostra cenas que remetem a lembranças, como se fosse feito com papel antigo. Sim, possui as aves voando, gente correndo e cenas que lembram a abertura de Neon Gêneses Evangelion, mas possui aspectos da época medieval, como a musa no gazebo (tal qual o meu poema anterior). Vale estar aqui no Top 05!

 







 

 

 

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Foi uma musa que me inspirou!

Fui Inspirado por doce musa angelical!


Bucólicos são os poemas românticos que enaltecem o verde,

Verde para valorizar o jardim,

Jardim que no horizonte se perde,

Perde-se de vista os floridos campos protegidos por colunas de marfim.

 

Minha imaginação vai longe ao escrever sobre estas formas poéticas,

Poéticas de fato, com colunas de marfim, flores, rosas e setim,

Setim que oculta uma princesa, contra tentações maquiavélicas,

Maquiavélicas são as intenções, creia em mim.

 

Uma princesa imaculada vestida de seda,

Seda que lhe recobre o corpo divino,

Divino!  Deitada em um gazebo, neste jardim, atraindo o olhar felino,

Felino, pois são olhos de caçador que brilham como uma labareda.

 

E aqueles cabelos caindo por sobre uma almofada,

Almofada que exala perfumes, mas você se contêm,

Contêm este ímpeto da carne, e se mantêm,

Mantêm longe, apreciando esta sua amada.

 

A poesia romântica é assim: platônica, bucólica e instigante,

Instigante, pois saber que uma princesa está ali deitada,

Deitada à espera de seus desejos, naquele instante,

Instante em que esta imaginação é por mim apreciada.

 

Ah, é um amor difícil, puro e esquecido,

Esquecido, pois hoje vamos sempre às vias de fato,

Fato! Não tem como contestar, o romantismo está vencido,

Vencido pelo prazer carnal, imediato.

 

Ainda nem entrei na questão da religiosidade,

Religiosidade é outro ponto do romantismo,

Romantismo medieval, que versava sobre uma divindade,

Divindade que poderia ser qualquer uma, sem pragmatismo.

 

Estes sãos os principais pontos do romantismo,

Romantismo como forma poética, construção da realidade,

Realidade que deu lugar ao Humanismo,

Humanismo que interpretou o amor de outra forma. E isso é verdade!

 

COTIDIANO

 

Bom, vamos entrar no subtópico cotidiano que, como sabem, uso para explicar a origem do texto poético acima. Que coisa bizarra! Quando digo que as palavras possuem vida própria, e o coração humano apenas as transmitem, eu não estou brincando. Acreditem, eu ia escrever sobre praias. Sim, era para sair um texto sobre praias e a ligação com o bucolismo. Ao invés disso, saiu um texto sobre as características da poesia romântica que são: bucolismo, amor platônico, musa inspiradora e religiosidade. O texto não fluía. Eu inventei de criar um poema em que a última palavra, de cada verso, repete como primeira palavra do verso seguinte, com exceção da última palavra, do último verso, de cada estrofe. Isso me amarrou demais e não deixou o texto fluir como eu queria. Todavia, acho que saiu um bom texto e espero que gostem do resultado, afinal, acho que foi minha musa inspiradora que recitou para mim. E, antes que perguntem, minha musa inspiradora, para este texto, foi uma pessoa muito querida que já faleceu. Estou quase acreditando em psicografia hehehe.

 





terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Quadrinho: Na cantina!

Esse quadrinho foi inspirado, em parte, na minha reação ao ouvir o preço do pacotinho de suspiros em uma confeitaria aqui de Brasília. Tudo está tão caro! Daí surgiu este quadrinho. Coloquei um elemento cômico para finalizar a piada de uma maneira melhor. Espero que gostem!

[caption id="attachment_340" align="aligncenter" width="414" caption="Por: Patrick Raymundo de Moraes"][/caption]

 

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Liberdade e a Classificação Indicativa!

LIBERDADE E A CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA!

[caption id="attachment_336" align="alignleft" width="225" caption="A decisão está certa na questão psicológica? Não sei!"][/caption]

Para quem está acompanhando o julgamento da classificação indicativa, no STF, essa foi a palavra chave de todos os votos ali expressos- até o momento- Liberdade. Quando pensei em assistir ao julgamento, e tentar resumir os votos aqui, temi não conseguir absorver tamanho conteúdo. Mas foi mais fácil do que imaginei e posso afirmar que a palavra que resume tudo é justamente essa. Com este julgamento, torna-se claro, para mim, o posicionamento do Supremo Tribunal Federal quanto a esta questão.

“É livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença.” (Constituição Federal- artigo 5°, IX) .

E este artigo, aliado ao artigo 220, da CF, promoveu mudanças radicais em nossas vidas. A Imprensa perdeu sua lei e a obrigatoriedade do diploma de Comunicador Social- Jornalista para o exercício da profissão. Além disso, a classificação indicativa parece, até o presente momento, estar em eminente risco de mudança, embora ainda não haja resultado, pois o Ministro Joaquim pedira vista.

O Ministro Ayres Britto defendeu, em seu voto, uma ligação entre a liberdade de imprensa com a liberdade dos veículos de comunicação. Para ele, a liberdade é plena. Ele voltou a repetir esta crença durante a abertura do “Painel RBS”, em Porto Alegre, na última sexta-feira (09), ao afirmar que “em uma democracia, os excessos de liberdade se corrigem com mais liberdade. Se você não absolutizar a liberdade de imprensa, você vai absolutizar a censura prévia. Ainda estamos desacostumados com esta ideia de plenitude jornalística. A liberdade de imprensa está passando por um período transicional”.

O Ministro-Relator Dias Toffoli, brilhantemente, em um voto muito interessante, salientou que a classificação indicativa deveria ser, usando-se de hermenêutica gramatical (linguística), unicamente INDICATIVA, e não repressora, como está no estatuto da criança e do adolescente. Daí, até o presente momento, o STF está se inclinando a modificar o estatuto da criança e do adolescente para manter o texto original da Constituição Federal (CF) nos artigos já citados.

Aliás, o orador da tribuna, que defendeu a mudança no estatuto, usou-se de inúmeras formas hermenêuticas (inclusive a gramatical) para defender seu ponto de vista. Ao ouvi-lo discursar, fui convencido de sua tese.

Já critiquei, neste blog, inúmeras decisões do tribunal, mas este julgamento, se for encerrado, assim como se iniciou, promoveu, em mim, uma nova ideia sobre o STF. Tenho que admitir que eles estão acertando com esta questão da Classificação Indicativa. Não me compreendam mal, pois existem inúmeras formas de se interpretar um texto e a interpretação jurídica do STF está absolutamente certa. Eles estão certos na questão sociológica ou psicológica (na construção do caráter e moral das crianças)? Não tenho a resposta, embora tenha medo do resultado final deste debate. Mas, juridicamente falando, o STF se mostra coerente com suas decisões anteriores (liberdade de imprensa, por exemplo).

 

Incoerência

 

Talvez a incoerência do STF, por enquanto, encontra-se na questão da liberdade de exercício profissional, pois o tribunal entende que, para certas profissões, não basta um diploma reconhecido por instituição de ensino superior credenciada e verificada pelo MEC, é necessário mais. E este “mais” (no caso um exame de ordem), divide os profissionais em três grupos: estudantes, bacharéis e advogados. Ou seja, aqui, não há LIBERDADE de exercício profissional por causa de um exame.

sábado, 10 de dezembro de 2011

A verdade costuma se apresentar fracionada em pequenos espelhos que refletem o todo!

A VERDADE



Não se enganem, não existe apenas uma verdade.

O coração é bondoso,

E aprende o caminho com sinceridade,

Caminho que pode ser duro, por um aprendizado doloroso.

 

Verdade, basta a sua devoção,

Creia nela, respeitando o coração de cada um,

Não se desvie desta orientação,

A sua verdade vale, e isso não é incomum.

 

Muitos tentam converter a outros de seus caminhos diferentes,

Caminhos diferentes de sua ideologia,

E isso é um erro. Cabe, a cada um, saber a sua vertente,

Cabe, a cada um, a sua filosofia.

 

Não há o temor do mal, tendo o coração escolhido o bem,

Ninguém, então, poderá condenar! Eu disse ninguém!

Pois as verdades convergem todas para uma finalidade,

A finalidade do bem comum. Corações unidos em bondade e caridade!

 

O coração sabe decidir pelo bem. Sinal de bom agouro!

E esta decisão é uma verdade,

Não se desvie do que lhe falo com sinceridade,

A verdade de um coração é seu tesouro!

 

COTIDIANO

 

Após cada poema, eu uso o subtópico “Cotidiano” para explicar a origem do pensamento exposto em forma de poema. A minha avó, na sua determinação de fé, e em seu leito de morte, ensinou-me que cada coração possui uma verdade valiosa e que não deve ser oprimida.  Se esta verdade for boa, e gerar sentimentos e decisões nobres, deve ser preservada. Por isso, não deixe que ninguém repreenda a verdade boa de seu coração. Não existe UMA verdade absoluta, mas pequenas percepções e interpretações de sua verdade cotidiana. E essa verdade, gerada pela sua vivência, é tão valiosa quanto o mais caro diamante. Essa verdade deve ser respeitada.

 

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Quadrinho: Conheçam a moça da cantina!


Esse trocadilho me lembrou os trocadilhos da minha avó. Eu lembrei dos trocadilhos dela, hoje, no twitter. Trocadilhos como "Se ninguém gaba, Zeca gaba!" E ela tinha vários como esse! :) Então, esse quadrinho foi uma homenagem aos trocadilhos dela!

Strike Witches- Crítica

STRIKE WITCHES



 

No blog “Mais de Oito Mil” vi uma crítica em versos,

Gostei tanto da ideia que resolvi copiar,

É uma ótima forma de analisar assuntos diversos,

Então, resolvi também tentar.

 

Está parecendo um repente, e isso me agrada,

Versos usados para escrever uma crítica,

Uma melodia crítica rimada,

Uma análise definitivamente apodítica.

 

Decidi Strike Witches analisar,

Um dos animês que salvou o estúdio Gonzo da falência,

Vou ver no que isso vai dar,

Quando no tema realmente entrar, com prudência.

 

A qualidade da produção é boa e nisso insisto,

Igual a outras produções do estúdio, sim senhor!

Samurai 7, Romeu X Julieta ou Conde de Monte Cristo,

Mas sinto saudades de produções com um roteiro melhor.

 

Tenho que ser prudente, pois o Gonzo exagerou,

Calcinhas de todos os tipos ele mostrou,

Garotas mágicas voando com auxílio de armas,

Armas que aumentam o poder destas damas.

 

“Damas” nem sei se é o termo correto,

Pois todas parecem tão infantis,

Que fica difícil achar o certo,

Para que vocês não fiquem hostis.

 

Strike Witches é como Vandread- outro animê,

Raça alienígena tenta com humanos acabar,

Mais do mesmo, por isso não se anime,

Garanto que original você não vai o achar.

 

Desenho parece que foi criado para marmanjo tarado,

Desenho que poderia vender calcinhas para lojas de moda íntima,

Então, o recado aqui está dado,

Leia os versos acima.

 

Saudades do tempo em que o Gonzo produzia animês com roteiro,

Como Last Exile ou Kaleido Star,

Mas foi a necessidade do dinheiro,

Que forçou o Gonzo a Strike Witches criar.

 

Vou terminando por aqui, então leia,

Strike Witches pelo menos rende uma boa risada,

Se você desligar o cérebro, até dá uma boa descansada,

Nada mais que isso, creia!





segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Exposição em Ilha Solteira homenageia Nagado

PROFISSÃO: DESENHISTA

 

Exposição em Ilha Solteira, São Paulo, homenageia o trabalho de Alexandre Nagado (40). Nagado é um profissional completo, atuando em diversas áreas como quadrinhista, escritor, pesquisador, palestrante, redator e roteirista. O evento ocorrerá entre os dias 10 a 15 de dezembro de 2011, no Museu e Sala de Convenções “Nara Lúcia Nonato”- Ilha Solteira. A abertura da exposição se dará no dia 09 de dezembro, sexta-feira, às 20h00.

 

Sobre a Exposição:

 

A exposição se dará por painéis, “Os painéis da exposição terão comentários sobre bastidores, materiais utilizados e várias amostras de rascunhos feitos antes da finalização, sendo a maioria de trabalhos publicados sob encomenda. Será uma exposição didática, inédita na cidade.

 

Especializado no uso de quadrinhos para fins educativos e de comunicação interna, é autor do mini-gibi institucional Acontece na Cultura, projeto que usa os quadrinhos para divulgar a intensa agitação cultural de Ilha Solteira. A publicação terá lançamento oficial na inauguração da exposição, que é parte da Virada Cultural Paulista” (Site do Nagado).

 

Sobre o autor:

 

Nagado, “além de quadrinhista, também desenvolve trabalhos como redator. Escrevendo sobre cultura pop japonesa, integrou a equipe da famosa revista Herói, marco na imprensa especializada, tendo colaborado também com o portal Omelete e diversos outros veículos.

 

Seus conhecimentos o levaram a palestrar sobre quadrinhos, desenhos e seriados japoneses em eventos variados. Treinado em oratória, canto e teatro, realiza palestras para universitários, adolescentes e adultos, com apresentações tanto para grupos fechados como em grandes auditórios, sendo paletrante prestador de serviços para escritórios do Consulado Geral do Japão”(Pop Mídia).

 

Alguns Trabalhos Publicados:

 

‘Cultura Pop Japonesa – Histórias e curiosidades’ (independente, 2011) – organizador e coautor (e-book)

‘Almanaque da Cultura Pop Japonesa’ (Via Lettera, 2007) – autor

‘Cultura Pop Japonesa: Mangá e Animê’ (Hedra, 2004) – coautor

‘Dicionário Anime-DO’ (Ed. Escala, 2000) – coautor

 

[caption id="attachment_315" align="alignleft" width="300" caption="Detalhes do evento no convite"][/caption]

 

sábado, 3 de dezembro de 2011

Clipes- Top 5

Olá! Hoje é sábado e, embora a minha outra atualização com clipes tenha sido um fracasso de visitas, eu ainda vou insistir no tema. :) Escolhi, para hoje, um Top 5 com os melhores clipes que já vi! Vamos lá!

1- Este é considerado o melhor clipe já feito para uma música. Peguei a primeira versão que vi no youtube. Foi esse clipe que me fez buscar filmes com zumbis!







2- Esse aqui possui diversos elementos subjetivos e possui uma qualidade musical invejável. Gostei das mensagens passadas por um clipe que lembra aqueles testes psicológicos das manchas no papel. Muito bem bolado!







3- Eu gosto do tema sobrenatural, como devem ter reparado por causa das inúmeras postagens sobre isso no blog :D , e esse é o clipe oficial de um dos melhores filmes de ficção feitos para o gênero comédia/sobrenatural.







4- Eu tinha que dar um jeitinho de colocar animês na lista, afinal o Top é meu KKKK! Eu gostei da edição deste clipe com a música My First Kiss. Eu digo que ficou melhor que o clipe original da música.







5- Eminem é muito bom e escolhi um clipe semelhante ao mostrado aqui em cima!





quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

O Corvo e a Mitologia!

CORVO E MITOLOGIA


 


“Abri então a vidraça, e eis que, com muita negaça,


Entrou grave e nobre um corvo dos bons tempos ancestrais.


Não fez nenhum cumprimento, não parou nem um momento,


Mas com ar solene e lento pousou sobre os meus umbrais,


Num alvo busto de Atena que há por sobre meus umbrais,”


 


(O Corvo de Edgar Allan Poe)


 


O corvo, em muitos países europeus, é sinônimo de tragédia e mau agouro. Para muitos é símbolo de poder e magia, assim como recitou Edgar Allan Poe. Em sites como Culto da Vida, assim ele é representado:


 


“O Corvo é prenúncio de mudança de consciência, que pode, inclusive, significar uma viagem pelo Grande Mistério ou por alguma senda situada à margem do tempo. A cor do Corvo é a cor do Vazio - o buraco negro do espaço sideral que congrega todas as energias criadoras. Significa que você conquistou por seus próprios méritos o direito de vislumbrar um pouco mais da magia da vida”.


 


E é um animal que carrega em si um mistério que influi, inclusive, em animês. Na mitologia japonesa, o poder desta ave é representado por dois seres mitológicos aqui citados:


 


TENGU


 


Tengu (Tien-Kou) ou “Cão Celestial” incialmente, eles eram considerados “demônios das montanhas” que matavam e perseguiam viajantes. A Sociedade Brasileira de Bugei assim os descreve:


 


“No Japão, ao invés do bicho-papão, são contadas às crianças estórias de tengu, que as perseguiriam. Estão presentes em várias manifestações culturais, como esculturas, máscaras, estórias infantis, lendas e, mais recentemente, nos mangás”.


 


E o site Shinobi assim complementa a descrição deste ser mitológico:


 


“Tengu é o nome dado no Japão a seres místicos semi-humanos com cabeças de aves que vivem nas montanhas isolados do resto do mundo. As lendas contam que os Tengu possuem muita sabedoria e grandes conhecimentos no manuseio da espada e outras técnicas de lutas”.


 


 


YATAGARASU


 


 


O outro ser mitológico, representado por um corvo de três patas, é o Yatagarasu. O site Japão Filia comenta sobre ele da seguinte maneira:


 


“No Leste Asiático, a mitologia da avê de três patas é o mais freqüentemente associado com sol. Na mitologia japonesa este corvo simboliza a ave do sol, mensageiro da deusa Amaterasu. O nome Yatagarasu consiste em duas palavras, sendo a primeira Yata que significa de grande tamanho e a segunda que vem de Karasu que por sua vez significa corvo em japonês. Segundo estudos, Yata é uma unidade que equivale aproximadamente a 1 metro e que era o tamanho estimado que alcançava esta lendária ave”.


 


De qualquer maneira, o corvo sempre apareceu em animações japonesas das mais diversas, pois, assim como no ocidente, na ásia ele é sinônimo de misticismo e poder. 


[youtube=http://www.youtube.com/watch?hl=en&v=ShzmzcJM7QI&gl=US]

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Quadrinho: Sabedoria do vô!



Neste quadrinho resolvi colocar em prática os ensinamentos do vô (Descanse em Paz)! Com exceção da imagem da tv, do último quadro, o resto ficou legal! :)

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Poema: Laços

Laços

 

Obs- texto possui descrição de um fetiche. Se você for de menor de idade NÃO LEIA!!! É sério!!!! Não leia!!!!!

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

 

Estes laços são azuis,

Cor de seus olhos,

Feitos para seu corpo dominar,

Estes laços são azuis,

Com delicadeza e sensualidade,

Apreendem pulsos, pernas e espírito

Estes laços são azuis,

Cor de seus olhos.

 

 

Cotidiano:

 

Leram apesar do aviso? Pelo menos tentei fazer o menos obsceno possível, tornando-o o mais sensual possível. Possui um esquema do triolé, como em “A Janela”. A paixão a dois é difícil de descrever de forma sensual. Muitos escritores possuem essa habilidade de tornar um momento carnal em uma bela poesia, ao invés de um texto podre. Espero ter chegado, ao menos, em 20% de competência dos grandes mestres. Essa foi uma leve descrição da minha primeira fez com o sadomasoquismo. Foi em 1996, com uma colega de faculdade de lindos olhos azuis. Ela me apresentou esse fetiche e eu gostei! **Risada malvada**

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Análise- Young Justice

Young Justice


Quando um enredo é levado a sério!


 


Eu não costumo realizar análises de materiais americanos, pois raramente estes materiais trazem algo de meu interesse. Entretanto, nos últimos anos a terra do Tio Sam nos tem brindado com produções sérias e enredos envolventes baseados, muitas vezes, em quadrinhos. Foi o caso de filmes em animação como “Hulk Vs.” ou Batman contra o Capuz Vermelho. Na maioria das vezes, as animações são bobas e beiram ao rabisco, mas há um material de ótima qualidade que chegou ao Brasil- Young Justice.  E analiso a série até onde consegui assistir. Nem preciso dizer que a parte técnica é um cartoon de ótima produção e não possui elementos significativos da animação japonesa, ou seja, posso afirmar que é cartoon puro! Como sempre, textos meus de análise possuem SPOILERS, então, se desejar, deixe de ler aqui. Caso contrário, seja bem-vindo e vamos juntos!


 


Sinopse e elementos da trama:


 


A premissa é muito simples e poderia levar a série a se tornar boba, ou cômica, como Teen Titans, mas foi conduzida de maneira a deixar a trama intrigante e os personagens carismáticos. Os ajudantes (leia-se Kid Flash, Robin, Aqualad e Ricardito) conseguiram sua admissão ao panteão da Liga da Justiça. Um imprevisto cancela a ocasião, levando os heróis integrantes da Liga a uma missão. Foi ordenado que os “ajudantes” ficassem na Sala da Justiça (depois eu explico), todavia eles não obedecem e partem em busca de respostas para uma pergunta lançada durante a admissão deles ao panteão. Com exceção de Ricardito, Robin, Kid Flash e Aqualad partem para o Cadmus e investigam a organização por dentro, descobrindo um plano de clonagem de seres e, em especial, do próprio Homem de Aço. O clone do Super-Homem acaba por se juntar ao grupo (SuperBoy), após a destruição parcial do complexo do Cadmus. A Liga da Justiça decide por treinar e monitorar a nova equipe chamada Young Justice. Mas há um mistério, pois Cadmus, assim como todos os vilões apresentados até agora, estão ligados a uma organização secreta que interfere inclusive no destino de nações inteiras. É, o pessoal é poderoso!


 


A trama segue mais a fundo, mostrando a interação dos personagens, uma paixão entre Miss Marte (sobrinha do Ajax que aparece nos episódios seguintes) e o Super-Boy, a atividade deste grupo misterioso e a interação do Young Justice com membros da Liga da Justiça, como a Canário Negro que os treina e o Batman que distribui as missões. Mostra, também, com muita habilidade, um possível traidor entre os membros da Young Justice e um interesse do misterioso grupo em um dos guardiões dos jovens heróis- Tornado Vermelho. E isso ainda não é suficiente para resumir a trama. Há ainda elementos de ajuste, isto é, os integrantes da equipe vão ganhando experiência, se conhecendo e mostrando receios e atitudes.


 


Personagens e suas interações:


 


O Super-Homem rejeita o seu clone (SuperBoy) que sofre muito por causa da rejeição. O personagem não sabe interagir socialmente, tornando-se o Wolverine da equipe, isto é, aquele elemento rebelde e com grande poder de destruição. Ele passou anos dentro de um tubo de clonagem, sem sequer ver a luz da lua, então, justifica-se a falta de habilidade social. O interesse da Miss Marte por ele é evidente no primeiro encontro de ambos. Incrivelmente, ambos acabam se atraindo rapidamente e, diferentemente de animês, que demoram anos para mostrar uma interação sentimental, ambos se enlaçam durante uma missão e isso gera conflitos posteriores.


 


Miss Marte é sobrinha do Caçador de Marte e é uma personagem que deveria ser meiga, algo como a mulher idealizada da década de 50 ou 60, inclusive nos trejeitos, falas e hábitos e isso causa um certo choque em mim (afinal, ainda existem mulheres assim?) Eu a achei destoante do resto do grupo, mas após estudar a interação dela com o clone do Super, comecei a entender porque ela foi feita assim. Deixo que vocês mesmos retirem suas conclusões.


   


Robin ainda não possui a experiência para ser líder de equipe, fracassando na primeira missão como líder e passando a tocha para o Aqualad. Ele é recomendado pelo Batman a não revelar sua identidade aos outros. Um habilidoso hacker que não revela muito de si. Péssimo piadista, com trocadilhos estranhos, o garoto é frio na hora do quebra pau. A falta de experiência dele arruína alguns planos que ele elabora, mas no geral ele se dá bem.  


 


Aqualad (Kaldur) está dividido entre a superfície e seu papel como líder da Young Justice. Muito calmo e cordial, foi eleito como líder! Possui receios de não dar conta da posição dele no grupo, mas é firme em cada decisão que toma. Sim, este Aqualad não é o Garth. É um personagem tão sereno e sincero em suas emoções, sempre aberto, que passa a impressão que foi criado na época de ouro dos heróis DC, uma época em que heróis eram heróis e vilões eram vilões, ou seja, uma era em que os personagens não cruzavam esta linha que separava a ambas as classes. 


 


Kid Flash é um personagem que achei estranho. Porque não usar o Impulso? Quando foi revelado que ele era o Wally West, eu me indaguei quem poderia ser o Flash? Um cientista de primeira, Wally rejeita a Fé e acredita apenas na interação e comprovação científica. Um verdadeiro ateu que, mesmo colocado sob pressão, não rejeitou suas convicções. Consegue ser cabeça-dura. Um geek de primeira!


 


E o Ricardito? Ele se recusa a fazer parte da equipe e abandona inclusive seu mentor- Arqueiro Verde. Se fosse um animê, ele seria algo como o Ikki de Fênix- muito revoltado. Um personagem com muita ira e esta raiva o afasta de todos. Não faz parte da equipe, mas sempre aparece para dar uma mão. 


 


Artemis- desta personagem prefiro não escrever muito, afinal ela é um mistério e gostaria de deixar assim. Não me crucifiquem! J


 


Cronologia:


 


Acredito que Young Justice se passa em uma realidade alternativa pré “Crise nas Infinitas Terras”. Eu explico esse raciocínio. Personagens que estavam mortos retornam em seus papéis originais, como Barry (Flash original), além do Wally West ainda ser um adolescente e do Dick Grayson ser o Robin original, com a idade adequada para esta cronologia. Como o Garth não é o Aqualad, presumo que seja realmente uma realidade alternativa e anterior a Crise nas Infinitas Terras. Bruce Wayne ainda não é um herói atormentado e sisudo, sendo um pai bacana para o seu protegido. E ainda tem a Sala da Justiça (Super-Amigos) como uma sede fictícia para o grupo, com direito a referências ao Monte da Justiça que foi sede da primeira Liga da Justiça. Young Justice faz homenagens a toda a cronologia dos heróis da DC Comics.








 


  

terça-feira, 22 de novembro de 2011

A Flexibilidade do cérebro e a felicidade!

Ao assistir uma entrevista, semana passada, na Record News, com um neurocirurgião, pude verificar que a ciência e a filosofia começam a andar lado a lado nas questões da percepção do funcionamento cerebral. Foi dito, por este neurologista, que há diferença no conceito de mente e cérebro. Foi a primeira vez que vi um cientista admitir algo que já faz parte da filosofia oriental há milênios. Como não encontrei o vídeo no portal, passo a descrever a ligação entre mente e cérebro, para a ciência e para a filosofia, através da entrevista que a jornalista Sharon Begley (50) deu à revista Época para a divulgação do lançamento de seu livro: Train Your Mind, Change Your Brain. Sharon é jornalista especializada em neurociência e trabalha para a Newsweek.


 


Para orientar este texto irei resumir o que assisti pela Record News. Segundo o médico ali entrevistado, o cérebro é o conjunto de tecidos neurais, uma rede de neurônios que promove o funcionamento (aqui entenda também como o equilíbrio e manutenção) das atividades orgânicas. Já a mente seria o funcionamento cerebral. O médico salientou que apesar de poder ser registrado o funcionamento do cérebro, como a ciência ainda não decodificou o código mental, não é possível ainda dizer se o cérebro produz (e como ele produz) ou se apenas responde à interferência da mente.


 


Sharon assim responde a esta questão: “O cérebro é a estrutura física, o pouco mais de 1 quilo de tecido biológico dentro da cabeça. A mente é o resultado do funcionamento do cérebro: os pensamentos, os sentimentos e as emoções. A mente pode modelar o cérebro porque os pensamentos e as emoções, produzidos por ele, são capazes de agir de volta sobre o cérebro e afetar suas conexões, funções e estrutura”.    Ora, se a mente é capaz de modelar a estrutura cerebral, podemos nos aproximar do que fora recitado, em 1936, pelo mestre Masaharu Taniguchi, no texto Chuva de Néctar da Verdade. Neste texto, o mestre assim escreve sobre a mente: “O Deus da criação transcende os cinco sentidos e também o sexto sentido; Sagrado, Supremo, Infinito, Mente que permeia o Universo (...) a Mente é o criador de tudo, a Mente é a substância que preenche o Universo, a Mente é Deus onipotente e onipresente (...)”. A mente, segundo a filosofia oriental, aqui representada pelas palavras do mestre Masaharu, confirma a descoberta recente da ciência de que o cérebro é um veículo para a função da mente e é modificado por ela. A mente, portanto, cria e o cérebro executa.


 


O Budismo prega que a mente deve ser serena e que a meditação promove uma evolução interior. Sharon concorda com isso, pois ela defende, segundo os estudos que acompanhou, “o que já se sabe, a partir de estudos com monges budistas, é que a meditação parece aumentar a atividade do lado esquerdo do cérebro (associado ao bem-estar e à felicidade) e das áreas associadas à empatia e ao altruísmo. Também já se constatou que a espessura de áreas envolvidas na meditação aumenta, reflexo de que, quanto mais você usa determinada parte do cérebro, mais ela se expande”.  Agora deixo uma reflexão no ar, baseada em meus estudos científicos (Medicina Veterinária 98 a 2000), o tecido nervoso não possui a capacidade de expansão idêntica ao tecido muscular (fibras musculares aumentam de tamanho, ou de número, se passarem por estresse físico- atividade física) e nem tão pouco pode se multiplicar, então como se dá o aumento do volume cerebral devido a atividade? Ainda é um mistério.


 


A Seicho-no-ie, o Budismo e outras religiões milenares orientais promovem a prática da repetição de orações e mantras diariamente. Pois a repetição grava no subconsciente a mensagem que se quer e o esforço repetitivo, como explicado no parágrafo anterior, aumenta a atividade daquela região cerebral. Então, fica claro que a vida íntima da pessoa é resultado da sua atividade pessoal/intelectual. E isso é ótimo, porque podemos atingir a felicidade e ter uma vida maravilhosa se assim desejarmos, pois podemos moldar o cérebro através da atividade mental. Assim explica melhor a jornalista, “se descobriu que, quanto mais horas de meditação a pessoa pratica, maior é a atividade cerebral nas áreas ligadas à sensação de bem-estar. Também já se sabe que a estrutura do cérebro é modificada quando aprendemos a tocar um instrumento ou aprendemos uma língua. Por isso, não é uma ousadia tão grande dizer que treinamento mental tenha o mesmo tipo de efeito”. Já Kamino Kusumoto escreve com convicção, em seu livro A Humanidade é Isenta de Pecado, que lendo repetidas vezes A verdade da Vida (série de livros do mestre Masaharu) a pessoa se libertará de todos os tipos de carmas maléficos, pois ficará gravado no âmago de sua mente a verdade (...) em consequência, a felicidade se instalará em seu lar. E é este o efeito que quis ao escrever o meu livro Sob a Luz dos Ensinamentos Bíblicos, isto é, promover no leitor uma resposta benéfica de que as mensagens bíblicas, ao serem lidas, também colaboram para aumentar a segurança e o sentimento de felicidade.


 


E a felicidade? Segundo Sharon “estudos recentes revelaram que pelo menos um terço das pessoas muda seu limiar de felicidade. Senão permanentemente, pelo menos de forma duradoura. E elas não estavam meditando, estavam apenas levando sua vida. Os experimentos com os monges budistas sugerem que é possível mudar intencionalmente esse nível de felicidade, e os cientistas estão tentando verificar se é possível fazer isso com treinamento mental”. Então convido, vamos todos buscar uma vida melhor e mais feliz, porque é cientificamente possível! Cliquem nos nomes dos livros para conhecerem melhor os trabalhos aqui citados!

domingo, 20 de novembro de 2011

Mangá Tropical- Um Estudo de Caso em nova casa!

Saudações, amigos! Como sabem, Mangá Tropical- Um Estudo de Caso foi lançado primeiramente para arrecadar fundos para a Cruz Vermelha Brasileira- Filial Brasília. Todos os exemplares da primeira edição, impressa nas gráficas da Editora Otimismo, foram doados para a Cruz Vermelha. Agora, retorno com uma nova edição, pela PerSe Editora e em dois formatos: impresso e e-book. Espero o mesmo carinho de vocês para com esta nova edição. Abaixo detalhes do livro:

Sinopse: "Estamos vivendo um período de intensa troca de informações e isso está influenciando as artes, em especial os quadrinhos, trazendo-nos estéticas e narrativas de outros países. Mangá Tropical- Um Estudo de Caso promove uma análise da estética e narrativa de mangás em nossos quadrinhos, e autores, levando em conta a história do mangá no Japão, e no Brasil, uma pequena citação a autores renomados, como o mestre Osamu Tezuka, e como isso está influenciando os quadrinhos no Brasil. O livro nos leva a conhecer o objeto de estudo- o almanaque Mangá Tropical- e o compara aos quadrinhos japoneses."



Versão Impressa (Capa cartão, brochura sem orelha, papel couchê fosco 90gr, formato 14X21, miolo preto e branco, capa colorida e 64 páginas) por R$21,88


Versão eletrônica (e-book- PDF): R$5,84


Curiosidades: a gráfica utiliza números divisíveis por 4, e mínimo de 64 páginas, por isso o livro ainda possui textos, para complementar o miolo, que escrevi para o meu blog- Outros Papos- e dois quadrinhos que fiz utilizando o software comipo. Corrigi erros da versão impressa pela Otimismo. Tentei manter a qualidade da edição impressa pela Otimismo, mas saiu bem mais caro, por isso, a dica que dou é a versão em e-book que é mais barata! Divulguem, comprem e ajudem! :)


Mais detalhes no link da loja:

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Poema: Uma rosa é símbolo de força!

Uma rosa é um símbolo,

Símbolo de sentimentos e fragilidade,

Fragilidade com a qual não concordo,

Concordo com os espinhos e com a tenacidade!

 

Tenacidade, pois como semente recai em qualquer solo,

Solo árido, ou desértico, cimento ou pedra, ela floresce,

Floresce forte e nos brinda com seu encanto,

Encanto que é o verdadeiro símbolo.

 

Símbolo de vida que supera o mais árduo terreno,

Terreno derrotado que vê tal encanto crescer,

Crescer forte, bela e cheirosa.

Cheirosa como uma princesa.

 

Princesa, este é o símbolo da vida,

Vida que supera tudo e vence,

Vence graciosamente, um verdadeiro símbolo,

Símbolo de que a vida sempre florescerá, vencerá, não importa o solo!

 

COTIDIANO

 

Eu esqueço o nome desse tipo de arquitetura poética, de construção de poemas. Quem souber o nome, e origem, me informe. Desde a época do UOL que eu faço essa pergunta, mas até agora não consegui me lembrar da resposta correta. Deve ser a idade! J A última palavra, de cada verso, repete como primeira palavra do verso seguinte! E esse poema foi inspirado em algo que vi, na Seicho-no-ie e que me fez refletir muito. Uma planta superou o concreto, além do muro de pedras, e cresceu ali, viva e forte. Naquele instante percebi que uma rosa não poderia nunca ser símbolo de fragilidade, mas de tenacidade! A imagem que ilustra este poema é semelhante a que vi no templo e melhor trabalhada, por isso a uso!

Quadrinho: Nas aulas de teatro!



Nem possui inspiração certa! Um quadrinho simples, sem cenário, com personagem  olhando o leitor como se fosse aqueles joguinhos japoneses. Sobre a piada, eu não lembro aonde a ouvi pela primeira vez, mas acho que foi em um filme na sessão da tarde, décadas atrás, mas não estou certo! Espero que gostem!

Nota 10 e Nota ZERO!

NOTA 10 & NOTA ZERO


 


Hoje, eu retorno com esta sessão do antigo blog. Eu sempre retorno aos restaurantes que resenho para verificar a consistência dos serviços e a estabilidade da qualidade da cozinha. Sim, um problema corriqueiro, em Brasília, é a instabilidade destes temas. ‘Gero foi maravilhoso na minha primeira visita, mas não obteve sucesso na minha segunda visita e me questionei se levaria uma estrela do Guia 4 Rodas. Na edição de 2012, o ‘Gero conseguiu a estrela, embora eu tenha receio que não se mantenha por causa da instabilidade. Pois aqui vai a Nota 10 desta semana! Nota 10 ao We (Gilberto Salomão) pois manteve a qualidade da cozinha e o atendimento cordial em todas as visitas e, tenham certeza, frequento muito. Carnes macias com cortes delicados e cuidadosos, risotos leves ao paladar, saladas com um ótimo equilíbrio de cores e temperos e um café gostoso. Tenho muita fé de que esta casa terá uma estrela no Guia 4 Rodas. Até brinquei com o chef, que outros chefs, de casas recém-inauguradas em Brasília, deveriam estagiar lá para aprender a ter qualidade.


 


 


A Nota ZERO desta semana ia para um restaurante inaugurado recentemente na nova ala do Parkshopping, mas minha mãe me convenceu a não fazer isso agora, pois, assim como estudo a estabilidade de serviços, eu deveria retornar a aquela casa para verificar a consistência do mesmo. Mas vou precisar de coragem para retornar lá. Fui uma vez e me serviram um corte de qualidade baixa, carne dura e queimada por fora, mas mal passada por dentro, além de biscoitinhos murchos junto com o café. Como se não bastasse uma cozinha péssima, fiquei esperando a conta por 9 minutos, pois o sistema estava fora do ar e a comanda teve que ser realizada de forma manual. E paguei caro por isso.  Então, a nota ZERO fica suspensa até que eu retorne novamente para descrever o serviço e a estabilidade do mesmo.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Um desbafo sincero! Como uma doença pode aniquilar ou reconstruir uma fé!

 


DESABAFO


 


Vou ser sincero com vocês! Se eu lanço um texto, eu me certifico de que aquele texto condiz com o que sinto, mesmo que seja um reflexo de um pensamento meu, de apenas um instante, mas ele deve sempre representar uma parte de mim, de meus pensamentos ou emoções, para que eu o aprove. Se um texto meu não condiz mais com o que penso, eu o deleto, retiro do mercado e faço tudo para que ele não cause atrito ou dores. E o Sob a Luz dos Ensinamentos Bíblicos foi um texto que pensei, por duas vezes, em tirar do mercado. Foram dois momentos que me fizeram repensar se aquele texto realmente ajudaria as pessoas, ou seria mais um aglomerado de palavras inúteis que serviria apenas de consolo aos que sofrem, sem lhes tirar a razão do sofrimento. Mas foram, também, dois momentos que confirmaram a sua razão de ser.


 


Dentro do meu interior há uma constante luta entre o determinismo e o livre arbítrio, exatamente como a luta entre o Neji e o Naruto, em Naruto (série clássica). Como escrevi, em meu texto sobre Fé e Razão, tento sempre nutrir a ambas e equilibrá-las, mas é um processo difícil. Quando minha avó faleceu, em 2008, por causa de um meningioma gigante, passei a acreditar no determinismo e que tudo estaria escrito, nada poderia ser mudado e essa condição se perpetuou ao orar pela filha de um amigo de minha mãe e que acabaria morrendo em seguida. Novamente, orações não passaram de palavras ao vento e pedidos que não se concretizaram. Estes dois momentos nutriram minha razão de que a oração de nada vale e minha fé ficou abalada, pois já estaria tudo traçado e determinado. Era o momento da vitória do meu “Neji-interior” (se posso chamar assim essa condição psíquica).


 


Naquele momento, retirei do mercado o Sob a Luz dos Ensinamentos Bíblicos por achar que ele não contribuía para o bem de quem o lia. Entretanto, dois momentos contribuíram para um novo pensamento. Neste ano, minha mãe estava paralisada do ombro esquerdo para baixo, com fortes dores, e aliamos a oração e a medicina moderna de maneira tão satisfatória que ela se curou sem a necessidade de uma cirurgia terrível no ombro. Neste instante, autorizei a reedição do Sob a Luz dos Ensinamentos Bíblicos, por achar que o mesmo havia nos levado a um bom caminho, aliviando a tensão e promovendo um bem-estar. O testemunho da minha mãe havia se tornado parte do miolo do livro. O momento seguinte foi mais intenso. Um membro muito importante de minha família adoeceu de maneira grave, novamente, e foi diagnosticado com um tumor severo chamado adenocarcinoma, e a biópsia havia achado, em dois pedaços de tecido analisado, valores de Gleason em 7 e 9 respectivamente. O órgão atingido foi plenamente removido em cirurgia. O médico, para garantir que o câncer não havia espalhado, abriu todo o abdômen deste familiar querido. Eu estava angustiado mesmo e confuso. Fui acolhido por inúmeras pessoas amigas que me ajudaram com orações, ou simplesmente ouviram os meus temores. Era a prova mais intensa que eu já havia passado em toda a minha vida. E eu pedia que, se a oração pudesse realmente ter um efeito para excluir a dor, e liberar um caminho novo, que este familiar pudesse retornar com sua saúde plena. Fomos busca-lo ontem no aeroporto, pois ele havia operado em São Paulo (Hospital Sírio-Libanês). E, ontem, ele nos disse: “Escapei por pouco. O médico havia dito que este tumor era tão agressivo que mataria em seis meses se tivesse espalhado. Pois não espalhou. Os exames indicaram que o câncer estava restrito ao órgão. Não vou precisar nem de quimioterapia ou radioterapia, apenas de um controle periódico para manter uma boa avaliação clínica”.  Agradeci muito a Deus! Após ter descoberto o câncer, até a retirada do tumor, havia passado um mês, ou seja, 1/6 do tempo de vida, se estivesse espalhado, mas não ocorreu metástase nesse período. Graças a Deus! Então, o Sob a Luz dos Ensinamentos Bíblicos, que tem por função tentar diminuir a dor e angústia de problemas diários, escapou novamente, pois se mostrou útil. A cura reconstruiu minha fé nos termos do Amor de Deus e de que uma oração pode ajudar uma alma aflita, nem que seja para lhe retirar um pouco do sofrimento e lhe dar o alívio no momento da derrota. Foi a vitória do meu “Naruto-interior”.


 


POSSÍVEL EXPLICAÇÃO


 


Há uma explicação poética, dada ao mestre Masaharu Taniguchi, quanto a estas situações. Ele recitou, em Revelações Divinas da Vida Eterna, que “teu corpo carnal é uma música executada por tuas cordas mentais. (...) Quando não chega a ocorrer uma grande mudança no ritmo da música mental executada pela Vida, mas apenas uma desafinação, dá-se-lhe o nome de doença, a qual se cura ao se corrigir o ritmo mental”. A correção do ritmo mental se dá por intermédio da oração, reflexão e do Amor de Deus. Porém, ele salienta, na mesma inspiração, que “quero dizer que a vida terrena deve necessariamente ter um fim. A vida terrena é música elementar. Não fiques triste por estares em vias de terminar essa execução musical. Isso é para executares nova música, mais elevada.” O mestre ainda reconforta os corações ao escrever que “Mesmo que finde a interpretação musical, o executante não morre porque ele, sendo filho de Deus, é imortal.” O grande mestre superior, Jesus Cristo, já havia proferido que a bondade de Deus é tão grande que tudo quanto pedirdes em oração, crendo, recebereis. Embora, às vezes, não a recebamos exatamente como a pedimos, pois Ele faz sempre pelo melhor de todos.


 


PROCEDIMENTO


 


Como foi meu procedimento nesse momento? Estava mesmo muito abalado, então recorremos (eu e minha mãe) a duas possibilidades de ação diferentes: ela fez orações em um santuário à escolha dela (Seicho-no-ie) e eu preferi me retrair. Eu me retraí por dúvidas quanto a esta situação e, por conhecimento bíblico, Deus já havia orientado que podíamos pedir em oração, em nosso quarto fechado, que Ele ouviria. E isso, aliado ao que o mestre Masaharu já havia orientado “o homem é filho de Deus. Ser filho de Deus significa ser filho da Grande Vida”, pude orar buscando o Deus em meu coração e de maneira isolada e retraída. Pude sentir alívio e, quando ele nos informou que o procedimento médico havia sido um sucesso, pude descansar e agradecer. Ou seja, pude descansar, hoje, e escrever este texto que é um misto de testemunho e desabafo! Obrigado por lerem!


 


NARUTO


 


Explicando Naruto. Neji pregava que tudo havia sido determinado e que nada poderia ser mudado, então, para ele, Naruto era um simplório tentando mudar um destino e ser o que ele nunca poderia ser (Hokage). Naruto, por outro lado, significava o livre arbítrio, ou seja, que poderemos mudar nosso destino e que nossos caminhos são livres e serão trilhados por nossos passos e construídos por nossas escolhas livres. No animê, Naruto ganha de Neji. No meu interior, Naruto, por enquanto, está ganhando do Neji! J